CARTOGRAFIA GEOMORFOLÓGICA E AS TRANSFORMAÇÕES MORFO-HIDROGRÁFICAS EM ÁREAS DE ATIVIDADE DE MINERAÇÃO DE ARGILA: O CASO DO AFLUENTE DO RIBEIRÃO SANTA GERTRUDES/SP– BRASIL

  • Letícia Giuliana Paschoal
  • Cenira Maria Lupinacci da Cunha
Palavras-chave: Antropogeomorfologia, Cartografia Geomorfológica, Mineração

Resumo

Atividades de mineração estão diretamente relacionadas à alteração das paisagens naturais. Assim, foi selecionada como área de estudo a bacia hidrográfica do principal afluente da margem esquerda do Ribeirão Santa Gertrudes, localizada no estado de São Paulo e que se encontra intensamente alterada pela explotação do minério da argila. Essa área se insere no contexto do Pólo Cerâmico de Santa Gertrudes/SP, que além de sua importância como fornecedora de matéria-prima, configura-se como o maior centro de referência internacional em pavimentos cerâmicos do continente americano e possui relevância indiscutível para o desenvolvimento sócio-econômico da região. Com o objetivo de identificar e analisar as alterações registradas na topografia e na rede hidrográfica do principal afluente do Ribeirão Santa Gertrudes/SP, foram selecionados dois cenários no decorrer dos últimos 48 anos (1962 e 2006). Os dados foram obtidos e analisados a partir da perspectiva da geomorfologia antropogênica, amparada pela teoria geral dos sistemas. O primeiro cenário remete-se a geomorfologia original da área, que neste caso, corresponde à fase anterior a existência de grandes cavas de mineração a céu aberto. Já o cenário de 2006, retrata uma série de intervenções nas formas e materiais superficiais, representativas de uma fase de pós-perturbação. Os resultados indicam que a atividade de explotação minerária foi responsável por grandes transformações na paisagem, principalmente às vinculadas a abertura de grandes cavas e consequente exposição do nível do lençol freático, o que alterou a dinâmica do escoamento superficial nesta bacia, além do aumento considerável na área de acúmulo de sedimentos fluviais, localizada próximo à sua foz. Assim, este trabalho associado à Cartografia Geomorfológica evolutiva possibilitou o fornecimento de parâmetros para um diagnóstico geral da bacia, os quais devem ser utilizados durante a elaboração de programas referentes ao planejamento e gestão ambiental dos recursos naturais da região.
Publicado
2012-11-16
Como Citar
Paschoal, L. G., & Lupinacci da Cunha, C. M. (2012). CARTOGRAFIA GEOMORFOLÓGICA E AS TRANSFORMAÇÕES MORFO-HIDROGRÁFICAS EM ÁREAS DE ATIVIDADE DE MINERAÇÃO DE ARGILA: O CASO DO AFLUENTE DO RIBEIRÃO SANTA GERTRUDES/SP– BRASIL. REVISTA GEONORTE, 3(6), 1482 - 1494. Recuperado de https://periodicos.ufam.edu.br/index.php/revista-geonorte/article/view/2043