A conjuntura do ensino geográfico no período escolanovista (1930)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.29280/rappge.v9i2.13652

Palavras-chave:

Ensino de Geografia, Escola Nova, Geografia escolar, Inovações pedagógicas

Resumo

Este texto aborda os aspectos da metodologia do ensino de Geografia, incluindo a relação entre a Geografia moderna e os princípios da Escola Nova, em 1930, marcado pelas propostas de inovações pedagógicas e as suas concepções. Tem como objetivo compreender as orientações escolanovistas sobre os métodos de ensino em Geografia. Para tal propósito utilizou-se as fontes documentais, como os artigos publicados no Boletim Geográfico e na Revista Brasileira de Geografia, analisados por meio da bibliografia especializada em ensino de geografia, além de reforçar o contexto escolar da época, assim como os aspectos da História da Geografia escolar, elencando a atualidade do ensino geográfico. Os resultados possibilitaram compreender que as orientações escolanovistas consideravam as metodologias de ensino ativas, com destaque para as técnicas de ensino enquanto elementos mediadores do processo de ensino-aprendizagem na Geografia. Assim, constatamos as práticas educativas presentes até os dias atuais no discurso da Geografia escolar.

Biografia do Autor

Gabriele Barbosa Luiz, Faculdade de Filosofia e Ciências - UNESP

Licenciada e Bacharela em Geografia pela Faculdade de Ciências, Tecnologia e Educação (UNESP - Campus de Ourinhos); Mestranda em Educação na Faculdade de Filosofia e Ciências (UNESP - Campus de Marília), São Paulo, Brasil.

 

Referências

AZAMBUJA, Leonardo Dirceu. Trabalho de campo e ensino de Geografia. Revista GeoSul, Florianópolis, v. 27, n. 54, p. 181-195, 2012. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/geosul/article/view/2177-230.2012v27n54p181/25442. Acesso em: 21 de jun. 2023.

BARBOZA, Danyele Vianna. Os programas de ensino de Geografia do Colégio Pedro II de 1926 a 1951: a transição do caráter corográfico ao discurso científico a serviço de um novo projeto de escola e de Brasil. 2015. Dissertação (Mestrado em Geografia), Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2015. Disponível em: https://www.bdtd.uerj.br:8443/bitstream/1/13484/1/Danyele%20Barboza.pdf. Acesso em 21 de jun. 2023.

BATISTA, Bruno Nunes. Ensino de Geografia, Escola Nova e algumas fontes da Pedagogia missionária. Cadernos de Pesquisa, São Luís, v. 25, n. 4, p. 87-105, 2018a. Disponível em: https://periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/cadernosdepesquisa/article/view/10443/6041. Acesso em: 21 de jun. 2023.

BATISTA, Bruno Nunes. O ensino de geografia paga tributo à escola nova? Revista Geosaberes, Fortaleza, v. 9, n. 19, p. 1-16, 2018b. Disponível em: https://repositorio.ufc.br/bitstream/riufc/55163/1/2018_art_bnbatista.pdf. Acesso em: 21 de jun. 2023.

CAMARGO, Fausto; DAROS, Thuinie (Org.). A sala de aula inovadora: estratégias pedagógicas para fomentar o aprendizado ativo. Porto Alegre: Penso, 2018. 152p. CARVALHO, Delgado de. Methodologia do ensino geographico: introducção aos estudos de Geographia moderna. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1925.

CARVALHO, Eloísa de. Contribuição ao ensino: Notas de Didática da Geografia. Boletim Geográfico, Rio de Janeiro, n. 156, ano 18, p. 454-491, 1960. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/periodicos/19/bg_1960_v18_n156_maio_jun.pdf. Acesso em: 21 de jun. 2023.

CARVALHO FILHO, Odair Ribeiro de et al. O Projeto Nós Propomos! No município de Ribeirão Preto. In: KAWASAKI, Clarice Sumi et al. (Org.). Almanaque Projeto Nós Propomos! Cidadania, escola e protagonismo juvenil. Ribeirão Preto: FFCLRP/USP, 2021, p. 27-40.

CLAVAL, Paul. O papel do trabalho de campo na Geografia, das epistemologias da curiosidade às do desejo. Tradução de Giovanna Thomaz. Revisão de Patricia Reuillar (UFRGS). Revista franco-brasileira de geografia, São Paulo, n. 17, p. 1-25, 2013. Disponível em: https://journals.openedition.org/confins/12414. Acesso em: 21 de jun. 2023.

FELTRAN FILHO, Antônio; FELTRAN, Regina Célia de Santis. Estudo do meio. In: VEIGA, Ilma Passos Alencastro. (Org.). Técnicas de ensino: Por que não? Campinas: Papirus, 2011, p. 121-137.

GOODSON, Ivor. Tornando-se uma matéria acadêmica: padrões de explicação e evolução. Tradução de Tomaz Tadeu da Silva. Revista Teoria & Educação, n. 2, p. 230-254, 1990. Disponível em: https://www.ivorgoodson.com/files/19%20Tornando-se%20uma%20materia%20academica-Teoria%20e%20Educacao-I%20Goodson.pdf. Acesso em: 21 de jun. 2023.

LUCKESI, Carlos Cipriano. Filosofia da Educação. São Paulo: Cortez, 1994.

LUIZ, Gabriele Barbosa. As atividades geográficas extracurriculares na escola secundária de 1960. 62 f. Trabalho de conclusão de curso (Bacharelado em Geografia), Universidade Estadual Paulista, Ourinhos, 2021. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/handle/11449/215370. Acesso em: 21 de jun. 2023.

MELLO, Márcia Cristina de Oliveira; CUANI JUNIOR, João Luiz. Geografia no currículo da escola secundária brasileira, a partir da proposta de Pierre Monbeig, Aroldo de Azevedo e Maria Conceição Vicente de Carvalho (1935). Signos Geográficos, Goiânia, v. 2, p. 2-16, 2020. Disponível em: https://revistas.ufg.br/signos/article/view/61652/34845. Acesso em 21 de jun. 2023.

PEREIRA, Diego Carlos. Movimento Escola Nova e Geografia Moderna escolar em manuais para o ensino secundário brasileiro (1905-1941). Tese (Doutorado em Geografia), Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2019. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/handle/11449/191140. Acesso em 21 de jun. 2023.

PRÉVE, Orlandina da Silva Damian. A participação do Boletim Geográfico do IBGE na produção da metodologia do ensino da Geografia. Dissertação (Mestrado em Educação), Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1989. Disponível em: https://bdtd.ibict.br/vufind/Record/UNICAMP-30_829138b64b239dd5d4ff24ae32f54546. Acesso em 21 de jun. 2023.

PROENÇA, Antonio, Firmino de. Como se ensina Geographia. São Paulo Melhoramentos, [1928].

SANTOS, Fátima Aparecida dos. A escola nova e a prescrição destinadas ao ensino da disciplina de Geografia da escola primária de São Paulo no início do século XX. Dissertação (Mestrado em Educação), Pontifícia Universidade Católica, São Paulo, 2005. Disponível em: https://sapientia.pucsp.br/handle/handle/10474. Acesso em 21 de jun. 2023.

SANTOS, José Ricardo Gomes dos; CASTROGIOVANNI, Antonio Carlos. Ensino de Geografia e Turismo: aproximações e/ou distanciamentos. In: CASTROGIOVANNI, Antonio Carlos et al. (Org.). Movimentos para ensinar geografia – revoluções. Goiânia: C&A Alfa Comunicação, 2021. p. 99-113.

SAVIANI, Dermeval. Concepção Pedagógica nova ou moderna. In: SAVIANI, Dermeval. A Pedagogia no Brasil: história e teoria. 2. ed. Campinas: Autores Associados, 2012, p. 143-144.

TOLEDO, João. Didactica: nas escolas primárias. São Paulo: Livraria Liberdade, 1930.

VEIGA, Ilma Passos Alencastro. Na sala de aula: o estudo dirigido. In: VEIGA, Ilma Passos Alencastro. (Org.). Técnicas de ensino: Por que não? 21. ed. Campinas: Papirus, 2011. p. 69-92.

VIDAL, Diana Gonçalves; RABELO, Rafaela Silva. A criação de Institutos de Educação no Brasil como parte de uma história conectada da formação de professores. Cadernos de História da Educação, v. 18, n. 1, p. 208-220, 2019. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/che/article/view/47659/25745. Acesso em 21 de jun. 2023.

Publicado

04-06-2024

Como Citar

LUIZ, G. B. A conjuntura do ensino geográfico no período escolanovista (1930). Revista Amazônida: Revista do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Amazonas, [S. l.], v. 9, n. 2, p. 1–17, 2024. DOI: 10.29280/rappge.v9i2.13652. Disponível em: //periodicos.ufam.edu.br/index.php/amazonida/article/view/13652. Acesso em: 19 jul. 2024.