Desenvolvendo a percepção multiletrada no contexto escolar de uma turma de infantil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.29280/rappge.v9i2.13651

Palavras-chave:

Multiletramentos, Educação Infantil, Prática Docente

Resumo

Antes mesmo de adentrar a creche/escola, a criança já tem acesso ao universo dos multiletramentos. O trabalho apresenta um relato de experiência sobre a importância de desenvolver a percepção multiletrada no contexto escolar, ou seja, objetiva-se refletir sobre a inserção da Pedagogia dos Multiletramentos no ambiente escolar e sobre as suas possíveis contribuições no universo da Educação Infantil. O presente estudo abrange uma pesquisa qualitativa, com um estudo de caso em um Centro de Educação Infantil (CEI) do município de Fortaleza, em uma turma de Infantil II. Para a discussão e análise dos dados coletados, utilizou-se como corpus analítico os documentos norteadores do trabalho pedagógico na rede municipal, dentre eles a Base Nacional Comum Curricular (BNCC), utilizando como referencial teórico autores que pesquisam sobre os multiletramentos, como Rojo (2012). Conclui-se que uma prática pedagógica voltada aos multiletramentos perpassa a compreensão docente da criança como sujeito de aprendizagem.

Biografia do Autor

Ingrid Maciel de Sousa, Universidade Estadual do Ceará - UECE

Graduanda do curso de licenciatura em Pedagogia pela Universidade Estadual do Ceará (UECE). Atualmente é bolsista do programa institucional de bolsa de iniciação à docência (PIBID), tendo como orientador de área Prof. Dr. Antonio Luiz Oliveira Barreto. Fortaleza, Ceará, Brasil. 

Sarah Sales Nogueira Pereira, Universidade Estadual do Ceará - UECE

Graduanda do curso de licenciatura em Pedagogia pela Universidade Estadual do Ceará (UECE), Fortaleza, Ceará, Brasil. 

Stephanny Mesquita e Silva, Universidade Estadual do Ceará - UECE

Graduanda do curso de licenciatura em Pedagogia pela Universidade Estadual do Ceará (UECE), Fortaleza, Ceará, Brasil. 

Referências

ANDRÉ, Marli E. D. A. Etnografia da prática escolar. Campinas (SP): Papirus Editora, 1995.

BAKHTIN, Mikhail. Os gêneros do discurso. Paulo Bezerra (Organização, Tradução, Posfácio e Notas); Notas da edição russa: Seguei Botcharov. São Paulo: Editora 34, 2016. 164p.

BOGDAN, Robert; BIKLEN, Sári. Investigação Qualitativa em Educação: uma Introdução à Teoria e aos Métodos. Porto: Porto Editora, 1994. 336p.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução nº 5/2009, de 17 de dezembro de 2009. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília: Conselho Nacional de Educação, Câmara de Educação Básica, dez. 2009.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular: educação infantil e ensino fundamental. Brasília: MEC/Secretaria de Educação Básica, 2017.

CEARÁ. Secretaria da Educação do Estado do Ceará. Documento Curricular Referencial do Ceará: educação infantil e ensino fundamental. Fortaleza: SEDUC, 2019.

COPE, Bill. KALANTZIS, Mary. Multiliteracies: new literacies, new learning. In: HAWKINS, M. R. (ed.). Framing Languages and Literacies: socially situated views and perspectives. New York: Routledge, 2013, p. 105-135.

COPE, Bill. KALANTZIS, Mary. (ed.). Multiliteracies: literacy learning and the design of social futures. London: Routledge, 2000. 364p.

FORTALEZA, Secretaria Municipal de Educação.Orientações para as práticas pedagógicas nas salas de inovação e tecnologia nas Unidades de Educação Infantil de Fortaleza. SME/PMF. Fortaleza, 2020.

FREIRE, Paulo. Professora, sim; tia, não: cartas a quem ousa ensinar. 37. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2022.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 84. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2022.

GRUPO DE NOVA LONDRES. A pedagogy of multiliteracies: Designing social futures. Harvard Educational Review, Spring, v. 66, n. 1, p. 60-92, 1996.

KRESS, G.; VAN LEEUWEN, T. Reading images: the grammar of visual design. London, New York: Routledge, [1996], 2006. 312p.

LÜDKE, Menga; ANDRÉ, E.D.A. Pesquisa em Educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MACEDO, Roberto Sidnei. A etnopesquisa crítica e multirreferencial nas Ciências Humanas e na educação. 2. ed. Salvador. EDUFBA, 2006.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 29. ed. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2010.

PRAXEDES, Walter. A diversidade humana na escola: reconhecimento, multiculturalismo e tolerância. Revista Espaço Acadêmico, n. 42, 2004. Disponível em: www.espacoacademico.com.br. Acesso em 05 ago. 2023.

ROJO, R. Alfabetismo (s), letramento (s), multiletramento (s): desafios contemporâneos à educação de adultos. In: COSTA, R. P.; CALHAU, S. (org.) E uma educação pro povo, tem? Rio de Janeiro: Caetés, 2010.

ROJO, Roxane. Pedagogia dos multiletramentos: diversidade cultural e de linguagens na escola. In: ROJO, Roxane; MOURA, Eduardo. Multiletramentos na escola. São Paulo: Parábola Editorial, 2012.

SANTOS, Else Martins dos. Chat: E agor@? Novas Regras - Nova Escrita. In: COSCARELLI, C. V.; RIBEIRO, A. E. (org.). Letramento digital: aspectos sociais e possibilidades pedagógicas. Belo Horizonte: Ceale Autêntica, 2007, p. 151- 183.

VIEIRA, Josenia Antunes et al. Reflexões sobre a língua portuguesa. Uma abordagem multimodal. Petrópolis: Vozes, 2007. 152p.

Publicado

04-06-2024

Como Citar

SOUSA, I. M. de; PEREIRA, S. S. N.; SILVA, S. M. e. Desenvolvendo a percepção multiletrada no contexto escolar de uma turma de infantil. Revista Amazônida: Revista do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Amazonas, [S. l.], v. 9, n. 2, p. 1–13, 2024. DOI: 10.29280/rappge.v9i2.13651. Disponível em: //periodicos.ufam.edu.br/index.php/amazonida/article/view/13651. Acesso em: 19 jul. 2024.