A INFÂNCIA E O FUTURO DA NAÇÃO:

A CRIANÇA E A (BIO) POLÍTICA DA ESPERANÇA NA PARAÍBA (1940-1950)

  • José dos Santos Costa Júnior Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Palavras-chave: História da Infância e da Juventude, História da Paraíba, Estudos foucaultianos

Resumo

A partir da revista da comissão estadual da Legião Brasileira de Assistência (LBA), jornais A União e A Imprensa e outros saberes que circularam na Paraíba nos anos 1940 e 1950, problematiza-se: como a política de assistência às crianças da LBA mobilizou definições de cidadania e tempo histórico para atribuir sentido a um “tempo novo”? Por meio dos pressupostos teórico-metodológicos da análise do discurso de Michel Foucault analisa-se como as ações incidiram técnica e politicamente, mapeando os saberes em que se ancoraram para legitimar formas de governo da infância. Esta política social esteve articulada a propostas do Departamento Nacional da Criança (DNCr) e do Fundo Internacional de Socorro à Infância (FISI), agência da Organização das Nações Unidas (ONU) que atuou na Paraíba com enfoque na questão do direito à alimentação e saúde infantil. 

Referências

ALBUQUERQUE JÚNIOR, Durval Muniz de. A invenção do Nordeste e outras artes. 5ª ed. São Paulo: Cortez, 2011.
ARIÈS, Philippe. História social da criança e da família. Tradução de Dora Flaksman. Rio de Janeiro: LTC, 2006.
BARBOSA, Jivago Correia. Política e assistencialismo na Paraíba: o Governo de José Américo de Almeida (1951-1956). Dissertação (Mestrado em História). Universidade Federal da Paraíba, 2012.
BARROS, José D’Assunção. Koselleck: o Historicismo e o enigma das temporalidades. In. Teoria da História. v. 4. 3ª ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014, pp. 265-302.
BEHRING, Elaine Rossetti. Política social: fundamentos e métodos. 9ª ed. São Paulo: Cortez, 2011.
BOEIRA, Daniel Alves. Uma “solução” para a menoridade na Primeira República: o caso do Patronato Agrícola de Anitápolis – SC (1918-1930). 138 fls. Dissertação (Mestrado em História). Universidade Estadual de Santa Catarina, 2012.
BOURDIEU, Pierre. A força do direito: elementos para uma sociologia do campo jurídico. In. O poder simbólico. Tradução de Fernando Tomaz. Lisboa: DIFEL, 1989, pp. 210-254.
BOURDIEU, Pierre. A juventude é só uma palavra. In. Questões de Sociologia. Tradução de Miguel Serras Pereira. Lisboa: Fim de Século, Edições Sociedade Unipessoal, LDA, 2003, p. 151-152.
BRITES, Olga. Imagens da infância – São Paulo e Rio de Janeiro, 1930 a 1950. 269 fls. Tese (Doutorado em História). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 1999.
BURKE, Peter. A esperança tem história? Estudos Avançados, Universidade de São Paulo, v. 26, n. 75, 2012, p. 207-217.
CARVALHO, José Murilo de. Marcha acelerada (1930-1945). In. Cidadania no Brasil: o longo caminho. 10ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2008, pp. 89-158.
COSTA JÚNIOR, José dos Santos. Gênero, infância e política social no Boletim da LBA (Paraíba, 1947-1955). Temporalidades, Belo Horizonte, v. 11, p. 573-588, 2019.
DÁVILA, Jerry. Diploma de brancura: política social e racial no Brasil (1817-1945). Tradução de Cláudia Sant’Anna Martins. São Paulo: Editora UNESP, 2006.
DONZELOT, Jacques. A polícia das famílias. Tradução de Maria Thereza da Costa Albuquerque. Revisão técnica de J. A. Guilhon de Albuquerque. 2ª ed. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1986.
FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. Tradução de Felipe Baeta Neves. 8ª ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2016.
FOUCAULT, Michel. Aula de 17 de março de 1976. In. Em defesa da sociedade. Tradução de Maria Ermantina Galvão. 2ª ed. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2010, pp. 201-222.
FOUCAULT, Michel. Nascimento da Biopolítica. Tradução de Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 2008.
GÓES, José Roberto de & FLORENTINO, Manolo. Crianças escravas, crianças dos escravos. In. DEL PRIORE, Mary. História das crianças no Brasil. 7ª ed. São Paulo: Contexto, 2013, pp. 177-191.
GOHN, Maria da Glória. História dos Movimentos e Lutas Sociais: a construção da cidadania dos brasileiros. 7ª ed. São Paulo: Edições Loyola, 2012.
HUNT, Lynn. A invenção dos direitos humanos: uma história. Tradução de Rosaura Eichenberg. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.
KOSELLECK, Reinhart. Futuro Passado: contribuição à semântica dos tempos históricos. Tradução do original alemão Wilma Patrícia Maas, Carlos Almeida Pereira. Revisão da tradução de César Benjamin. Rio de Janeiro: Contraponto; Ed. PUC-Rio, 2006.
LIMEIRA, Maria das Dores & FORMIGA, Zeluiza da Silva. UFPB: Implicações Políticas e Sociais de sua História. Núcleo de Documentação e Informação Histórica Regional da Universidade Federal da Paraíba, 1986. Disponível em: http://www.ndihr.ufpb.br/programa/ufpb_implicacoes.html. Acesso em 25 de dez. 2016.
LONDOÑO, Fernando Torres. A origem do conceito Menor. In. DEL PRIORE, Mary (Org.). História da criança no Brasil. São Paulo: Contexto, 1996, pp. 129-145.
LUCA, Tania Regina de. História dos, nos e por meio dos periódicos. In. PINSKY, Carla Bassanezi. Fontes históricas. 2ª ed. São Paulo: Contexto, 2010.
MARCÍLIO, Maria Luíza. História social da criança abandonada. São Paulo: Editora Hucitec, 1998.
MARTINS, Ana Luiza. Revistas em Revista – Imprensa e Práticas Culturais em Tempos de República, São Paulo (1890-1922). São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo: FAPESP: Imprensa Oficial do Estado, 2001.
MORAES, Evaristo de. Criminalidade da infância e da adolescência. 2ª edição. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves, 1927.
MOURA, Esmeralda Blanco B. de. Mulheres e menores no trabalho industrial: os fatores sexo e idade na dinâmica do capital. Petrópolis: Vozes, 1982.
NANDY, Ashis. Reconstruindo a infância: uma crítica à ideologia da idade adulta. A imaginação emancipatória: desafios para o século XXI. Organização e revisão técnica de Lucia Rabello de Castro. Tradução de Joannes de Knegt. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2015, pp. 227-248.
NUNES, Eduardo Silveira Netto. A infância como portadora do futuro: América Latina, 1916-1948. Tese (Doutorado em História Social). Universidade de São Paulo, 2011.
PARADA, Maurício. Corpos infantil e nacional: políticas públicas para a criança durante o Estado Novo. In. DEL PRIORE, Mary & AMANTINO, Márcia (Orgs.). História do corpo no Brasil. São Paulo: Unesp, 2011, pp. 351-370.
PINTO, Céli Regina Jardim. Foucault e as Constituições Brasileiras: quando a lepra e a peste encontram os nossos excluídos. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 24, n. 2, jul-dez. 1999.
PIRAGIBE, Vicente. Infância abandonada e delinquente. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1937.
RAMOS, Arthur. A criança problema: a higiene mental na escola primária. 4ª ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1939, 407p.
REPÚBLICA DOS ESTADOS UNIDOS DO BRASIL. Código de Menores – consolida as leis de assistência e proteção aos menores. Decreto federal nº 17.943-A, de 12 de outubro de 1927.
RIZZINI, Irma. Meninos desvalidos e menores transviados: a trajetória da assistência pública à infância até a Era Vargas. In. RIZZINI, Irene & PILOTTI, Francisco (orgs.). A arte de governar crianças: a história das políticas sociais, da legislação e da assistência à infância no Brasil. 3ª ed. São Paulo: Cortez, 2011, pp. 225-286.
SANTOS, Suelly Cinthya Costa dos. Educação e trabalho para os meninos desvalidos: um estudo sobre o Patronato Agrícola Vidal de Negreiros. Dissertação (Mestrado em História). Universidade Federal da Paraíba, 2015.
SARLOMON, Marlon. Heterocronias. In. Heterocronias – estudos sobre a multiplicidade dos tempos históricos. Edições Ricochete: Goiânia, 2018.
SCHWARCZ, Lília Moritz. O espetáculo das raças: cientistas, instituições e questão racial no Brasil (1870-1930). São Paulo: Companhia das Letras, 1993.
SCLIAR, Moacyr. O nascimento de um cidadão. In. PINSKY, Jaime & PINSKY, Carla Bassanezi (org). História da cidadania. 6ª ed. São Paulo: Contexto, 2018, pp. 567-570.
SCOTT, Joan. O enigma da igualdade. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 13, n. 1, janeiro-abril, 2015.
SOARES JÚNIOR, Azemar dos Santos. Sob o signo de higia: os saberes médico-pedagógicos e a construção de um corpo hígido na Paraíba (1930-1940). Revista História da Educação (Online), v. 23, 2019.
SOARES, Luiz Eduardo. O futuro como passado e o passado como futuro: armadilhas do pensamento cínico e política da esperança. In. ALMEIDA, Maria Isabel Mendes de & EUGENIO, Fernanda (orgs.). Culturas jovens: novos mapas do afeto. Rio de Janeiro: Zahar, 2006, pp. 121-138.
TEIXEIRA, Kerolyn Daiane. A puericultura nas páginas do jornal em Curitiba, entre a virada do século XX até 1930. Monografia (Graduação em História). Universidade Federal do Paraná, 2010.
THOMPSON, Edward Palmer. A formação da classe operária inglesa: a maldição de Adão, v. 2. 2ª ed. Tradução de Renato Busatto Neto e Cláudia Rocha de Almeida. São Paulo: Paz e Terra, 2012.
VEIGA-NETO, Alfredo. Por que governar a infância? In. RESENDE, Haroldo de. (Org.). Michel Foucault – o governo da infância. Belo Horizonte: Autêntica, 2015, p. 49-56.
Publicado
2021-07-07
Como Citar
dos Santos Costa Júnior, J. (2021). A INFÂNCIA E O FUTURO DA NAÇÃO:: A CRIANÇA E A (BIO) POLÍTICA DA ESPERANÇA NA PARAÍBA (1940-1950) . Canoa Do Tempo, 13, 1-28. https://doi.org/10.38047/rct.v13.FC.2021.al4.p.1.28
Seção
Artigos Livres