MODELOS REDUZIDOS APLICADOS AO ENSINO DE GEOGRAFIA: A FORMAÇÃO DE DOLINAS E A EVOLUÇÃO DO RELEVO CÁRSTICO

Analogue models applied to geography teaching: the sinkhole formation and the evolution of the karst relief

  • Péricles Souza Lima Universidade Federal do Tocantins - UFT
  • Fernando de Morais Universidade Federal do Tocantins - UFT
Palavras-chave: Dolinas, Modelos Reduzidos, Carste, Ensino-Aprendizagem

Resumo

O presente estudo constituiu simulações da formação de dolinas por meio de modelos reduzidos analógicos e buscou-se contribuir no processo de ensino-aprendizagem da educação geográfica. O trabalho foi realizado usando uma caixa de madeira, adaptada com um reservatório que servira de recarga ao sistema e de um espaço destinado à superposição dos estratos sedimentares. Ao todo foram feitos 4 ensaios, que possibilitaram interpretações analíticas e didáticas. Os dois primeiros, pela natureza mais estocástica, instigam a realização de estudos futuros. Os dois últimos apresentaram feições doliniformes, tendo o terceiro chegado mais próximo do cenário natural. Por outro lado, o quarto ensaio mostrou-se mais didático. Tal ensaio foi feito com condições controladas, podendo contribuir mais para a educação geográfica nos anos iniciais, diferentemente do terceiro, propício ao ensino superior.

Biografia do Autor

Péricles Souza Lima, Universidade Federal do Tocantins - UFT
Mestrando em Geografia pela Universidade Federal do Tocantins com bolsa de demanda social da CAPES, possui graduação em Licenciatura em Geografia pela Universidade Federal do Tocantins (2018) e atualmente Espeleólogo - (TEG) Tocantins Espeleo Grupo. Tem experiência na área de Geografia, com ênfase em Geografia Física, especificamente em Geomorfologia Cárstica. Atuando principalmente nos seguintes temas: Infiltração e Condutividade Hidráulica.  
Fernando de Morais, Universidade Federal do Tocantins - UFT

Possui graduação em Licenciatura Plena em Geografia pela Universidade Estadual do Tocantins(2000), mestrado em Evolução Crustal e Recursos Naturais pela Universidade Federal de Ouro Preto(2003), doutorado em Evolução Crustal e Recursos Naturais pela Universidade Federal de Ouro Preto(2007) e pós-doutorado pela Universidad de Zaragoza(2015). Atualmente é Professor Associado I da Universidade Federal do Tocantins, Membro de corpo editorial da Interface (Porto Nacional), Revisor de periódico da Interface (Porto Nacional), Revisor de periódico da Espeleo-Tema (São Paulo), Revisor de periódico do Caderno de Geografia (PUCMG. Impresso), da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Revisor de projeto de fomento do Fundação de Apoio e Desenvolvimento do Ensino, Ciência e Tecnologia do MS, Revisor de periódico da Revista Brasileira de Geomorfologia e Revisor de periódico da Revista Brasileira de Geografia Física. Tem experiência na área de Geociências, com ênfase em Geografia Física. Atuando principalmente nos seguintes temas:eletrorresistividade, bacia hidrográfica, infiltração, condutividade hidráulica.

Referências

AULER, A.; ZOGBI, L. Espeleologia: noções básicas. São Paulo: Redespeleo Brasil, 2005.

BENITO, G. Karstificacion e colapsos karsticos en los yesos del sector central de La Depresión del Ebro (Aragon, España). Cuaternario y Geomorfologia, Ávila – Espanha, v. 1, p. 61-76, 1987.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução nº 335, de 3 de abril de 2003. Dispõe sobre licenciamento ambiental de cemitérios. Diário Oficial da União: Seção 1, Brasília, DF, n. 101, p. 98-99, 28 maio. 2003. Disponível em: http://www.mma.gov.br/port/conama/res/res03/res33503.xml. Acesso em: 26 abr. 2018.

______. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular – BNCC. 2ª versão, Brasília – DF, 2017. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=79611-anexo-texto-bncc-aprovado-em-15-12-17-pdf&category_slug=dezembro-2017-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 20 maio. 2018.

CAVALCANTI, L. S. Geografia, escola e construção do conhecimento. Campinas: Papirus, 1998.

CHRISTOFOLETTI, A. Geomorfologia. São Paulo: Edgard Blücher, 1974.

DELLE ROSE, M.; FEDERICO, A.; PARISE, M. Sinkhole genesis and evolution in Apulia, and their interrelations with the anthropogenic environment. Natural Hazards and Earth System Sciences, v. 4, n. 5/6, p. 747–755, 2004.

FERREIRA, Z. A. Diagnóstico físico-conservacionista do ambiente cárstico da bacia do córrego Cana-brava, Aurora do Tocantins – TO. Orientador: Fernando de Morais. 2015. 164 f. Dissertação (Mestrado em Ciências do Ambiente) – Universidade Federal do Tocantins, Palmas – TO, 2015.

FURRIER, M.; VITAL, S. R. de O. A formação de dolinas em áreas urbanas: o caso do Bairro de Cruz das Armas em João Pessoa – PB. Revista Brasileira de Geografia Física, Recife – PE, v.1, p.161-173, 2011.

GUTIÉRREZ, F.; GERRERO, J.; LUCHA, P. A genetic classification of sinkholes illustrated from evaporite paleokarst exposures in Spain. Environmental Geology. v. 53, n. 5, p. 993-1006, 2008.

HADOT, P. O véu de Ísis: ensaio sobre a história da ideia de natureza. Tradução, Mariana Sérvulo. São Paulo: Edições Loyola, 2006. p. 230-231.

KOHLER, H. C. Geomorfologia cárstica. In: GERRA, A. J. T.; CUNHA, S. B. (org.). Geomorfologia: uma atualização de bases e conceitos. 3. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1998. p. 309-334.

LIMA, P. S.; MORAIS, F.; PASCHOAL, L. G. Estudo da variabilidade espacial da condutividade hidráulica do entorno da Lagoa da Confusão – TO. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA FÍSICA APLICADA, 17., 2017, Campinas – SP: Anais do 17º Simpósio Brasileiro de Geografia Física Aplicada, 1º Congresso Nacional de Geografia Física. Campinas – SP: Instituto de Geociências – Unicamp, 2017. p. 22-30. Disponível em: https://ocs.ige.unicamp.br/ojs/sbgfa/issue/view/75. Acesso em: 26 abr. 2018.

LOBO, H, A. S, Capacidade de Carga Real (CCR) da Caverna de Santana, Parque Estadual Turístico do Alto Ribeira (PETAR) – SP e Indicações Para o Seu Manejo Turístico. UNESP, Geociências, São Paulo – SP, v. 27, n. 3, p. 369 – 385, 2008.

MANDU, S. A.; MORAIS, F. Abordagem espeleológica no ensino fundamental e médio no município de Aurora do Tocantins – TO. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ESPELEOLOGIA, 32., 2013, Barreiras – BA. Anais do 32º Congresso Brasileiro de Espeleologia. Campinas – SP: SBE – Sociedade Brasileira de Espeleologia, 2013. p. 149-155. Disponível em: http://www.cavernas.org.br/32cbeanais.asp Acesso em: 26 abr. 2018.

MARRA, R. J. C. Espeleo Turismo: planejamento e manejo de cavernas. Brasília: Editora WD Ambiental, 2001a.

MARRA, R. J. C. Planejamento e a Prática do Turismo em Cavernas. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ESPELEOLOGIA, 26., 2001, Brasília – DF. Anais do 13º Congresso Internacional de Espeleologia, 4º Congresso Espeleológico da América Latina e Caribe, 26º Congresso Brasileiro de Espeleologia. Campinas – SP: SBE – Sociedade Brasileira de Espeleologia, 2001b. p. 663-666. Disponível em: http://www.cavernas.org.br/anais26cbe/26CBE_663-666.pdf. Acesso em: 26 abr. 2018.

MORAIS, F. Classificação morfológica das dolinas da região de Lagoa da Confusão – TO. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ESPELEOLOGIA, 34., 2017, Ouro Preto – MG. Anais do 34º Congresso Brasileiro de Espeleologia. Campinas – SP: SBE – Sociedade Brasileira de Espeleologia, 2017. p.283-287. Disponível em: http://www.cavernas.org.br/anais34cbe/34cbe_283-287.pdf. Acesso em: 26 abr. 2018.

MORAIS, F. Panorama da Espeleologia no Estado do Tocantins. In: MORAIS, F. (org.). Contribuição à Geografia Física do Estado do Tocantins. Goiânia: Kelps, 2011. p. 87-112

MURCIA LÓPEZ, M.; CRESPO-BLANC, A. La formacíon de oceanos y cadenas de montanas a partir de modelos analógicos: maquetas y nuevos materiales. Enseñanza De Las Ciencias De La Tierra, Girona – Espanha, v. 16, n. 2, p. 173 – 177, 2008.

PEREIRA, G. C.; MORAIS, F. Geofísica aplicada ao estudo dos fluxos subsuperficiais no entorno da Lagoa da Confusão – TO. Revista Geonorte, Edição Especial, Manaus – AM, v.2, n.4, p.1475-1483, 2012.

PILÓ, L. B. Geomorfologia Cárstica. Revista Brasileira de Geomorfologia, Brasília – DF, v. 1, n. 1, p. 88 – 102, 2000.

PUEYO ANCHUELA, Ó. et al. Generación de dolinas en medios aluviales con modelos analógicos. Enseñanza De Las Ciencias De La Tierra, Girona – Espanha, v. 24, n. 1, p. 96 – 106, 2016.

RAMON, L.; BRUSI, S.; BRUSI, D. Erupciones en el laboratorio. Modelos analógicos de peligros volcánicos. Enseñanza De Las Ciencias De La Tierra, Girona – Espanha, v. 23, n. 1, p. 96 – 106, 2015.

SALLUN FILHO, W. Subsidência e colapso em terrenos cársticos. In: TOMINAGA, L. K.; SANTORO, J.; AMARAL, R. (org.). Desastres naturais: conhecer para prevenir. São Paulo: Instituto Geológico, 2009. Cap. 7.

SAURO, U. Dolines and Sinkholes: aspects of evolution and problems of classification. Acta Carsologica. Postojna – Eslovênia, v. 32, n. 2, p. 41-52, 2003.

SILVA, F. F.; MORAIS, F. Índice de perturbações ambientais em áreas cársticas do estado do Tocantins – primeira aplicação no Brasil. Revista Brasileira de Geografia Física, Recife – PE, v. 9, n. 3, p. 766-777, 2016.

SIMÓN, J. L. et al. Riesgo de subsidência kárstica en áreas urbanas: el caso de Zaragoza. Enseñanza De Las Ciencias De La Tierra, Girona – Espanha, v. 17, n. 3, p. 303-315, 2009.

SORIANO, M. A.; SIMÓN, J. L. Modelo a escala reduzida del desarrollo de dolinas aluviales. Enseñanza De Las Ciencias De La Tierra, Girona – Espanha, v. 1, n. 3, p. 201-203, 1993.

TRAVASSOS, L. E. P. O carste e as cavernas nas obras de Alexander Von Humboldt. Biblio 3W. Revista Bibliográfica de Geografía y Ciencias Sociales, Barcelona – Espanha, v. 18, n. 1034, 2013. Disponível em: http://www.ub.edu/geocrit/b3w-1034.htm. Acesso em: 26 abr. 2018.

TRAVASSOS, L. E. P.; VARELA, I. D. Aspectos legais do uso da água em regiões cársticas. OLAM – Ciência & Tecnologia, Rio Claro – SP, v. 8, n. 3, p. 386-400, 2008.
Publicado
2020-12-15
Como Citar
Souza Lima, P., & de Morais, F. (2020). MODELOS REDUZIDOS APLICADOS AO ENSINO DE GEOGRAFIA: A FORMAÇÃO DE DOLINAS E A EVOLUÇÃO DO RELEVO CÁRSTICO: Analogue models applied to geography teaching: the sinkhole formation and the evolution of the karst relief. REVISTA GEONORTE, 11(38), 1-17. https://doi.org/10.21170/geonorte.2020.V.11.N.38.01.17
Seção
Artigos