AVALIAÇÃO DOS DIFERENTES MÉTODOS DE EXTRAÇÃO PARA OBTENÇÃO DE EXTRATOS DO ABRICÓ (Mammea americana).

Autores

  • Caroline Falcão Rodrigues Universidade Federal do Amazonas - Instituto de Saúde e Biotecnologia (UFAM/ISB)
  • Klenicy Kazumy de Lima Yamaguchi Universidade Federal do Amazonas - Instituto de Saúde e Biotecnologia (UFAM/ISB)

Palavras-chave:

Biotecnologia, Produtos naturais, Técnicas de extração

Resumo

Introdução: Amazônia é a maior floresta tropical existente, com a mais rica biodiversidade do planeta. A região também produz uma grande diversidade de frutas típicas e exóticas, além de abrigar árvores nativas que compõem seu bioma. Dentre as diversas frutas, tem-se o abricó (Mammea americana) pertencente à família Clusiaceae. É uma fruta originalmente das Índias Ocidentais e do norte da América do Sul, encontrada principalmente na Amazônia. Seu fruto é carnoso, possui de uma a quatro sementes, é duro e redondo. No entanto, pouco é descrito na literatura sobre as partes não utilizadas dessa fruta. Objetivo: o presente estudo teve como objetivo realizar diferentes métodos de extração das cascas e sementes do fruto abricó, selecionando a melhor técnica de maceração. Método: A obtenção dos extratos tanto da semente quanto da casca do abricó foi obtida em triplicata através de três métodos de maceração: maceração a frio por 24 horas, maceração a quente por 30 minutos e maceração sob agitação por 30 minutos. Foi utilizado 1g de cada parte do material triturado como casca e semente e 10mL de etanol como solvente extrator. Após isso, foi feito o cálculo do rendimento, média e desvio padrão, permitindo selecionar a melhor técnica em menor tempo de extração, obtendo assim, o maior custo benefício. Resultado: O maior rendimento de extratos foi obtido pelo método de maceração à quente, apresentando os valores de: 10,53 ± 0,169% do extrato da casca e 5,13 ± 0,833%

da semente. Em comparação, a técnica de maceração sob agitação apresentou valor de 10,16 ± 0,498% e 4,13 ± 0,124% para cascas e sementes respectivamente, e a maceração a frio, 9,56 ± 0,410% para cascas e 2,7 ± 0,408% para sementes. Os valores de rendimentos do extrato vegetal obtidos são importantes para prever o comportamento da extração em escala industrial. Conclusão: A extração em maceração utilizando a temperatura como parâmetro extrativo apresentou a maior capacidade de obtenção dos metabólitos secundários de abricó. Tais resultados sugerem que esse método poderá ser utilizado em pesquisas futuras para análise da composição química desse fruto.

 

Downloads

Publicado

2020-10-26

Como Citar

RODRIGUES, C. F.; YAMAGUCHI, K. K. de L. AVALIAÇÃO DOS DIFERENTES MÉTODOS DE EXTRAÇÃO PARA OBTENÇÃO DE EXTRATOS DO ABRICÓ (Mammea americana). Revista Ensino, Saúde e Biotecnologia da Amazônia, [S. l.], v. 2, n. esp., p. 10, 2020. Disponível em: //periodicos.ufam.edu.br/index.php/resbam/article/view/6529. Acesso em: 2 out. 2022.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 4 5 > >>