O uso de materiais não estruturados como forma de potencializar o brincar livre

Autores

DOI:

https://doi.org/10.29280/rappge.v9i2.13637

Palavras-chave:

Baú Brincante, Brincar Livre, Brincadeira

Resumo

O presente trabalho refere-se a um projeto de pesquisa intitulado “Baú Brincante: o potencial dos materiais não estruturados para o brincar livre das crianças da educação infantil”, que tem como objetivo abordar a importância do brincar livre para o desenvolvimento integral da criança. É, através do brincar livre, que as crianças vivem experiências motivadoras e criativas, transformando e produzindo significados que contribuem na sua integração na sociedade. O brincar livre com materiais não estruturados ajuda a potencializar e vivenciar a cultura lúdica infantil, visto que, através deste, as crianças são estimuladas a criar, recriar e produz suas próprias brincadeiras e brinquedos, desenvolvendo assim sua imaginação, autonomia e criatividade. É nessa concepção que se entende que o brincar possui valores educacionais e suas práticas contribuem para que a aprendizagem aconteça naturalmente. Nesse viés, este estudo trata-se de uma investigação de natureza qualitativa, na qual na primeira etapa realizamos um levantamento bibliográfico, à luz de teóricos como: Barbosa (2011), Cardoso (2018), Lopes (2016), Corsaro (2011), Wajskop (2007), Winnicott (1975), com a finalidade de enfatizar o quanto a brincadeira livre é uma grande potencializadora do desenvolvimento das crianças, pois permite que elas se conectem com o mundo, explorem o seu corpo e construam o seu imaginário, além de contribuir de forma positiva para o seu desenvolvimento pessoal e de sua aprendizagem.

Biografia do Autor

Ananda Vieira dos Santos, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB

Graduanda do curso de Licenciatura em Pedagogia da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia; Bolsista do Programa de Iniciação Científica da UESB – Pic/UESB, pelo projeto de Pesquisa interinstitucional Baú Brincante: estudo sobre a potencialidade dos materiais não estruturados para o brincar livre da criança da Educação Infantil (UFBA/UESB). Membro do Grupo de Estudos e Pesquisa em Educação, Ludicidade e Infância - GEPELINF, Jequié, Bahia, Brasil.

Débora Andrade Lago, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB

Graduanda do curso de Licenciatura em Pedagogia da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia; Bolsista do Programa de Iniciação Científica da UESB – Pic/UESB, pelo projeto de Pesquisa interinstitucional Baú Brincante: estudo sobre a potencialidade dos materiais não estruturados para o brincar livre da criança da Educação Infantil (UFBA/UESB). Membro do Grupo de Estudos e Pesquisa em Educação, Ludicidade E Infância - GEPELINF, Jequié, Bahia, Brasil.

Graciele Oliveira Pires, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB

Graduanda do curso de Licenciatura em Pedagogia da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia; Bolsista do Programa de Iniciação Científica da UESB – Pic/UESB, pelo projeto de Pesquisa interinstitucional Baú Brincante: estudo sobre a potencialidade dos materiais não estruturados para o brincar livre da criança da Educação Infantil (UFBA/UESB). Membro do Grupo de Estudos e Pesquisa em Educação, Ludicidade E Infância - GEPELINF, Jequié, Bahia, Brasil.

Referências

ARIÈS, Philippe. História Social da Criança e da Família. Trad. Dora Flaksman. Rio de Janeiro: LTC, 1981.

BARBOSA, Maria Carmen Silveira. As crianças, o brincar e o currículo na Educação Infantil. Pátio – Educação Infantil, Porto Alegre, ano 9, n. 27, p. 36- 38., abr./jun. 2011.

BOCCATO, V. R. C. Metodologia da pesquisa bibliográfica na área odontológica e o artigo científico como forma de comunicação. Rev. Odontol. Univ. Cidade São Paulo, São Paulo, v. 18, n. 3, p. 265-274, 2006

BROUGÈRE, G. Brinquedo e cultura. 6. ed. São Paulo: Cortez, 2006.

CARDOSO, M. C. Catadoras do brincar: o olhar sensível das professoras acerca do brincar livre no ensino fundamental I e suas ressonâncias para a profissionalidade docente. 2018. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2018

CORSARO, William A. Faz de conta: aprendizagem e infância viva. Pátio – Educação Infantil, Porto Alegre, ano 9, n. 27, p. 12-15, abr./jun. 2011

DUBREUCQ, Francine. Jean-Ovide– Recife: Fundação Joaquim Nabuco, Editora Massangana, 2010. Disponível em: http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/me4668.pdf. Acesso em 15 de novembro de 2022

FANTACHOLI, Fabiane das Neves. O Brincar na Educação Infantil: Jogos, Brinquedos e Brincadeiras – Um Olhar Psicopedagógico. Revista Fundação Aprender.

FROEBEL, F. Pedagogics of the Kindergarten – or his ideas concerning the play and plaything of the child. HARRIS, W.T. (Ed). The international series. New York/London: D. Appleton and Company, 1912. vol 30.

GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

HEASLIP, Peter. Fazendo com que o brincar funcione na sala de aula. In: MOYLES, Janet et al. A excelência do brincar. Porto Alegre: Artmed, 2006. p. 121-132.

HORTA, Carolina. Brincar livre? Livre de quê? Livre de quem? In: PELLEGRINI, F; BARRETO, M. Beagá pra brincar: passeios, natureza, cultura e diversão em família. 1ª edição. Belo Horizonte: Editora Scrittore, 2017, p. 100-101.

KISHIMOTO, T. M. Brinquedos e materiais pedagógicos nas escolas infantis. In: Educação e Pesquisa, São Paulo, v.27, n.2, p.229-245, jul./dez. 2001.

KISHIMOTO, T. M. Processo de ensinar e aprender: lugares e culturas na Educação Infantil In: TRAVERSINI, C... [et al.] (Org.). Trajetória e processos de ensinar e aprender: práticas e didáticas: livro 2-Porto Alegre: EDIPUCRS, 2008.

LOPES, M. C. Brincar Social Espontâneo na Educação de Infância: um estudo. Book (PDF). Dez, 2016.

MACHADO, M. M. O brinquedo-sucata e a criança. Edições Loyola, 2003.

MALUF, Ângela Cristina Munhoz. Atividades lúdicas para Educação Infantil: conceitos, orientações e práticas. Rio de Janeiro: Vozes, 2008

MELO, Luciana; VALLE, Elizabeth. O brinquedo e o brincar no desenvolvimento infantil. Psicologia Argumento, Curitiba, v. 23, n. 40, p. 43-48, jan./mar.2005.

MENEZES, M. R. C . O BRINCAR COMO PARTE DA APRENDIZAGEM: instrumentos didáticos utilizados pelos docentes da Educação Infantil do município de Caturité, PB, 2013; Trabalho de Conclusão de Curso; (Graduação em Pedagogia) - Universidade Federal da Paraíba; 01-50. Disponível em: < https: https://repositorio.ufpb.br/jspui/handle/123456789/3713> acesso em 14 de abril de 2023

PIORSKI, Gandhy. Brinquedos de chão: A natureza, o imaginário e o brincar. São Paulo: Editora Petrópolis, 2016.

RINALDI, C. Reggio Emilia: a imagem da criança e o ambiente em que ela vive como princípio fundamental. In: GANDINI, L.; EDWARDS, C. (org.). Bambini: a abordagem italiana à educação infantil. Porto Alegre: Artmed, 2002.

SOARES, S. Vínculo, movimento e autonomia: educação até 3 anos. 2ª edição. São Paulo: Editora Omnisciência, 2020.

TEIXEIRA, Sirlândia Reis de Oliveira. Jogos, brinquedos, brincadeira e brinquedoteca: implicações no processo de aprendizagem e desenvolvimento. Sirlândia Reis de Oliveira Teixeira -2. Ed. RJ: Wak Editora,2012

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente. 6. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

VYGOTSKY, L. S. O Desenvolvimento Psicológico na Infância. São Paulo: Ed. Martins Fontes, 1992.

WAJSKOP, Gisela. Brincar na pré-escola. 7. ed- São Paulo: Cortez, 2007

WINNICOTT D. O brincar e a realidade. Imago, 1975.

Publicado

04-06-2024

Como Citar

SANTOS, A. V. dos; LAGO, D. A.; PIRES, G. O. O uso de materiais não estruturados como forma de potencializar o brincar livre . Revista Amazônida: Revista do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Amazonas, [S. l.], v. 9, n. 2, p. 1–15, 2024. DOI: 10.29280/rappge.v9i2.13637. Disponível em: //periodicos.ufam.edu.br/index.php/amazonida/article/view/13637. Acesso em: 19 jul. 2024.