O INEVITÁVEL ENCONTRO: POVOS KAGWAHIVA, AGENTES DO SPI E OS COMERCIANTES NO RIO MADEIRA

THE INEVITABLE MEETING: KAGWAHIVA PEOPLE, SPI AGENTS AND TRADERS ON THE MADEIRA RIVER

  • Jordeanes do Nascimento Araújo UFAM
Palavras-chave: Pacificação;, Kagwahiva;, Regime tutelar.

Resumo

A presença do SPI nos afluentes do rio Madeira caracterizou-se como o primeiro processo de territorialização que afetou os povos Kagwahiva. Nas décadas seguintes, esses processos sofisticaram-se. A mineração, as aberturas de rodovias no interior das terras indígenas, bem como a penetração da frente agropecuária nos territórios Kagwahiva, representaram a transmutação destes processos. Nesse sentido, o Estado exerceu seu papel ao lançar mão de processos de inculcação de seus preceitos, refletidos na unidade de crença e pertencimento, lembrança sempre da intencional erradicação dos costumes nativos, da vivência do tempo e do espaço cercado pelo grande cerco de paz. É interessante frisar que as imagens do passado dos povos Kagwahiva, que inevitavelmente envolvem todos os conflitos e embates originados nos processos de territorialização orquestrados pelo poder tutelar, serviram, na contemporaneidade, como estratégias de resistência indígena. Tais imagens rememorizadas no cotidiano dos grupos Kagwahiva foram, de certa forma, práticas de luta Kagwahiva, uma espécie de “pacificação do branco”, táticas de defesa do território. Não por acaso, as formas de resistência dos povos Kagwahiva não mobilizam ações apenas no nível micro, mas antes extrapolam fronteiras nacionais, indigenizando a esfera pública.

Palavras-chave: Pacificação; Kagwahiva; Regime tutelar.

Biografia do Autor

Jordeanes do Nascimento Araújo, UFAM

Possui graduação em Ciências Sociais - Bacharelado e Licenciatura pela Universidade Federal do Amazonas (2008) e mestrado em Sociedade e Cultura na Amazônia pela Universidade Federal do Amazonas (2010), doutorado em Ciencias Sociais pela Universidade Estadual Paulista- UNESP (2019). Antropólogo, atualmente é Professor Adjunto II da Universidade Federal do Amazonas/ Campus de Humaitá. Tem experiência na área de Antropologia/Etnologia com ênfase em Antropologia Indígena , atuando principalmente nos seguintes temas: Amazônia, cultura, identidades, territorialidades e conflitos socioambientais.

  • http://lattes.cnpq.br/1730905579503048

Referências

Referências Bibliográficas

BOURDIEU. Pierre. O poder simbólico. Lisboa: DIFEL, 1989.

BOURDIEU. Pierre. Esprits d’état. genèse et structure du champ bureaucratique. Actes de la Recherche en Sciences Sociales, v. 96, n. 96-97, p. 49-62, 1993

BOURDIEU. Pierre. Coisas ditas. Petrópolis: Vozes, 2002.

BOURDIEU. Pierre. Coisas Ditas. São Paulo: Brasiliense, 2004.

BOURDIEU. Pierre. Sobre o Estado. São Paulo: Cia das Letras. 2014.

BENTHAM, Jeremy. O panótpico. Belo Horizonte: Autentica Editora, 2019

FREIRE, Carlos A. da Rocha. O SPI na Amazônia: política indigenista e conflitos regionais (1910-1932). Rio de Janeiro: Museu do Índio, 2009.

KRACKE.Waud H. structure of interethnic contacts between the Parintintin and brazilian society on Madeira river. The University of Chicago.1967.

KRACKE, Waud e LEVINHO, Carlos. A dinâmica e a psicodinâmica de uma sociedade em movimento ou sociedade móvel cercada. Trabalho apresentado na Reunião Brasileira de Antropologia, no GT- Questões da etnologia indígena na América do Sul. Salvador, 1996.

GONDIM, Joaquim. A pacificação dos Parintintin: Koró de Uirapá. Manaus: edições do Governo do Estado, 1925, 2001.

LAHIRE, Bernad. A fabricação social dos indivíduos: quadros, modalidades, tempos e efeitos de socialização. Educ. Pesqui. São Paulo, v. 41, n. especial, p. 1393-1404, dez., 2015.

LARAIA, Roque de Barros; MATTA, Roberto da. Índios e Castanheiros: a empresa extrativista e os índios no médio Tocantins. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

LEAL, Davi Avelino. Direitos e processos diferenciados de territorialização: os conflitos pelo uso dos recursos naturais no rio Madeira (1861-1932). Tese (Doutoramento em Sociedade e Cultura na Amazônia) Universidade Federal do Amazonas. 2013.

NIMUENDAJU, Curt. As tribos do Alto Madeira. Textos Indigenistas. São Paulo: Loyola, 1982.

NIMUENDAJU, Curt. Os índios Parintintin do rio Madeira. Jounal de la Société des Americanistes de Paris. p. 201-278, 1924.

MENENDEZ, Miguel.Uma Contribuição para o Estudo dos Tupi Centrais. (Tese de Doutorado). FFLCH-USP, 1989.

NUNES PEREIRA, Manoel. Moronguêtá: um decameron indígena (v 2). Rio de Janeiro: Ed. Civilização Brasileira. 1980.

MELO, Joaquim. A política indigenista no Amazonas. Manaus: edições do Governo do Estado, 2009.

OLIVEIRA, Roberto Cardoso de. O índio e o mundo dos brancos: a situação dos Tükúna do alto Solimões. São Paulo, Difusão Europeia do Livro, Coleção Corpo e Alma do Brasil, 1964.

OLIVEIRA FILHO, João Pacheco de. Ensaios de Antropologia Histórica. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ, 1999.

OLIVEIRA FILHO, João Pacheco de. O nascimento do Brasil e outros ensaios: “pacificação”. Regime tutelar e formação de alteridades. Rio de Janeiro: Contra Capa, 2016.

PEGGION, Edmundo. Relações em perpétuo desequilíbrio: A organização dualista dos povos Kagwahiva da Amazônia. São Paulo: Annablume, 2011.

PEGGION, Edmundo. Brancos e Índios no Rio Madeira: 1850-1950. Contato e Identidade Étnica. Monografia de Bacharelado em Ciências Sociais. Universidade Estadual Paulista/Campus Araraquara. São Paulo, 1992.

PEGGION, Edmundo. Relatório de identificação e delimitação da Terra Indígena Jiahui no município de Humaitá-AM. Fundação Nacional do Indio /FUNAI, 1999/2000.

SAHLINS, Marshall. Metáforas históricas e realidades míticas. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2008.

SOUZA LIMA, Antônio Carlos de. Um grande Cerco de Paz: poder tutelar, indianidade e formação do Estado no Brasil. Rio de Janeiro: Vozes, 1995.

SKINNER, Burrrhus Frederic. (1972). Tecnologia do ensino. (Rodolpho Azzi, Trad.). São Paulo: Herder, Ed. da universidade São Paulo, 1972.

Publicado
2021-04-24
Como Citar
Araújo, J. do N. (2021). O INEVITÁVEL ENCONTRO: POVOS KAGWAHIVA, AGENTES DO SPI E OS COMERCIANTES NO RIO MADEIRA: THE INEVITABLE MEETING: KAGWAHIVA PEOPLE, SPI AGENTS AND TRADERS ON THE MADEIRA RIVER. Canoa Do Tempo, 13, 1-35. https://doi.org/10.38047/rct.v13.FC.2021.d3.p.1.35
Seção
Dossiê-Fronteiras étnicas e conflitos sociais no Rio Madeira