ENGENHEIROS, INDÍGENAS E OPERÁRIOS: OS MALFADADOS CAMINHOS DA ESTRADA DE FERRO MADEIRA-MAMORÉ (1870-1883)

ENGINEERS, INDIGENOUS AND WORKERS: THE MALFATED PATHWAYS OF THE MADEIRA-MAMORÉ RAILWAY (1870-1883)

  • Antonio Alexandre Isídio Cardoso Universidade Federal do Maranhão
Palavras-chave: Amazônia;, Rio Madeira;, Comissão Morsing.

Resumo

A construção da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré (EFMM) é uma das páginas mais trágicas da história amazônica. Entre indígenas, operários e engenheiros foram erigidos travosos conflitos e desafios de alteridade, enredados na complexa relação com as territorialidades do rio Madeira no século XIX. O presente estudo tem o objetivo de discutir alguns elementos desse cenário histórico a partir do escrutínio de jornais, fontes oficiais e narrativas de viagem. A base analítica principal da proposta perpassa a leitura de um relatório de engenheiros viajantes, que estruturaram a Comissão Morsing. O grupo foi responsável por sondar as possibilidades de execução da obra da estrada de ferro na floresta, que à época já havia sido abandonada duas vezes. A viagem da comitiva rendeu um pormenorizado relatório em 1883, no qual podem ser lidas narrativas sobre as experiências e estranhamentos dos engenheiros nos sertões amazônicos, com foco na estadia em Santo Antônio no rio Madeira.

Palavras-chave: Amazônia; Rio Madeira; Comissão Morsing.

Biografia do Autor

Antonio Alexandre Isídio Cardoso, Universidade Federal do Maranhão

Professor adjunto da Universidade Federal do Maranhão (UFMA), colegiado de Ciências Humanas/História, Campus Codó. Doutor em História Social pela Universidade de São Paulo (USP), com estágio de pesquisa na New York University (NYU). E-mail: alexandre.antonio@ufma.br

Referências

Referências Bibliográficas

AMOROSO, Marta Rosa. Guerra mura no século XVIII: versos e versões: representações dos Mura no imaginário Colonial. Campinas, Universidade Estadual de Campinas, dissertação de mestrado em Antropologia, SP, 1991.

BALESTRA, Aline Alcarde. O que significa ser “manso”? A selvageria e a civilização sob diferentes perspectivas. In: DOS SANTOS, Gilton Mendes e APARÍCIO, Miguel. Redes Arawa: ensaios de etnologia do Médio Purus. Manaus, EDUA, 2016.

BARBOZA, Edson Holanda Lima. A Hidra Cearense: rotas de retirantes e escravizados entre o Ceará e as fronteiras do Norte. São Paulo, Pontifícia Universidade Católica; Tese de Doutorado em História.

BASTOS, Carlos Augusto de Castro. No Limiar dos Impérios: projetos, circulações e experiências na fronteira entre a Capitania do Rio Negro e a Província de Mainas (1780- 1820). Tese de Doutorado em História Social – USP, São Paulo, 2013.

CÂNDIDO, Tyrone Apollo Pontes. Proletários das secas: arranjos e desarranjos nas fronteiras do trabalho. Fortaleza: Universidade Federal do Ceará, Tese de Doutorado em História, 2015.

CARDOSO, Antonio Alexandre Isidio. Nem sina, Nem acaso: a tessitura das migrações entre a Província do Ceará e o território amazônico. Fortaleza, Universidade Federal do Ceará, Dissertação de Mestrado em História Social, 2011.

FORTE, Ernesto Mattoso Maia. Do Rio de Janeiro ao Amazonas e Alto Madeira. Itinerário e Trabalhos da Comissão de Estudos da Estrada de Ferro do Madeira e Mamoré: Impressões de Viagem por um dos membros da mesma comissão. Rio de Janeiro: Typ. a Vap. de Soares & Niemeyer, 1885.

FREIRE, José Ribamar Bessa. Da Língua Geral ao Português: para uma História do uso social das línguas na Amazônia. Rio de Janeiro, Tese de Doutorado em Literatura Comparada, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 2003.

FUNES, Eurípedes A. “Nasci nas matas, nunca tive senhor” – História e Memória dos Mocambos do Baixo Amazonas. São Paulo. Universidade de São Paulo; Tese de doutorado em História Social, 1995.

GRANERO, Fernando Santos, BARCLAY, Frederico. La Frontera Domesticada: História econômica y social de Loreto. 1850-2000. Lima: Ed. Pontifica Universidad Católica Del Peru, 2002.

HARDMAN, Francisco Foot. Trem Fantasma: a ferrovia Madeira-Mamoré e a modernidade na selva. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

HARRIS, Mark. Rebellion on the Amazon: The Cabanagem, Race, and Popular Culture in the North of Brazil, 1798-1840. New York, Cambridge University Press, 2010.

LEAL, Davi Avelino. Direitos e Processos diferenciados de territorialização: os conflitos pelo uso dos recursos naturais no Rio Madeira (1831-1932). Manaus, Universidade Federal do Amazonas, Tese de Doutorado em Sociedade e Cultura da Amazônia, 2013.

MACHADO, Maria Helena P. T. Brasil a vapor: raça, ciência e viagem no século XIX. São Paulo, Universidade de São Paulo; Tese apresentada para o concurso de Livre Docência, 2005.

MARTINS, José de Souza. Fronteira: a degradação do outro nos confins do humano. São Paulo: Contexto, 2009.

OLIVEIRA, João Pacheco de. O Caboclo e o Brabo: Notas sobre duas Modalidades de Força de Trabalho na Expansão da fronteira Amazônia no século XIX. Encontros com a Civilização Brasileira, 1979, v. 10.

PRATT, Mary Louise. Imperial Eyes: travel writing and transculturation. London and New York: Routledge, 1992.

RANGEL, Alberto. Inferno Verde (Scenas e Scenários do Amazonas). Tours: Typografia Arrault e Cª, 1927.

SANTOS, Francisco Jorge dos. Nos Confins Ocidentais da Amazônia Portuguesa: mando metropolitano e a prática do poder régio na Capitania do Rio Negro no século XVIII. Manaus: Tese de Doutorado em Sociedade e Cultura na Amazônia, Universidade Federal do Amazonas, 2012.

SANTOS, Gilton Mendes dos e APARÍCIO, Miguel. Redes Arawa: ensaios de etnologia do Médio Purus. Manaus: EDUA, 2016.

VALEN, Gary Van. Indigenous agency in the Amazon: The Mojos in liberal and Rubber-Boom Bolivia. Tucson: The University of Arizona Press, 2013.

WEINSTEIN, Bárbara. A borracha na Amazônia: expansão e decadência, 1850-1920. São Paulo: HUCITEC: Editora da Universidade de São Paulo, 1993.

Publicado
2021-04-24
Como Citar
Cardoso, A. A. I. (2021). ENGENHEIROS, INDÍGENAS E OPERÁRIOS: OS MALFADADOS CAMINHOS DA ESTRADA DE FERRO MADEIRA-MAMORÉ (1870-1883): ENGINEERS, INDIGENOUS AND WORKERS: THE MALFATED PATHWAYS OF THE MADEIRA-MAMORÉ RAILWAY (1870-1883). Canoa Do Tempo, 13, 1-16. https://doi.org/10.38047/rct.v13.FC.2021.d1.p.1.16
Seção
Dossiê-Fronteiras étnicas e conflitos sociais no Rio Madeira