AS FRENTES DE EXPANSÃO NAS FRONTEIRAS DO ALTO MADEIRA (1867–1915)

THE EXPANSION FRONTS AT THE BORDERS OF ALTO MADEIRA (1867-1915)

  • Jorge de Oliveira Campos SEMED-Manaus / SEDUC-AM
Palavras-chave: Fronteiras;, Alto Madeira;, interações conflitivas;, indígenas.

Resumo

O presente trabalho tem como objetivo analisar a situação das fronteiras do Alto Madeira, entre os anos de 1867 a 1915, a fim de evidenciar nessa região limítrofe entre Brasil e Bolívia, as interações conflitivas entre povos nativos e as frentes de expansão extrativista e ferroviária. Assim, procuramos corroborar com estudos sobre à formação das fronteiras Sul-americanas, bem como evidenciar os desdobramentos acerca dos movimentos expansionistas em territórios indígenas. Este estudo, parte de uma leitura crítica das fontes históricas documentais, tais como: relatórios oficiais, periódicos locais, tratados de limites territoriais, e das literaturas de época.

Palavras-chave: Fronteiras; Alto Madeira; interações conflitivas; indígenas.

Biografia do Autor

Jorge de Oliveira Campos, SEMED-Manaus / SEDUC-AM

Possui graduação em História pela Universidade do Estado do Amazonas - UEA (2015), é mestre em história social pela Universidade Federal do Amazonas - UFAM (2019). Atualmente, trabalha como professor de história pela Secretaria Municipal de Educação de Manaus - SEMED lecionando em turmas do Ensino Fundamental Anos Finais. Também é professor de mediação tecnológica pela Secretaria de Educação do Estado do Amazonas - SEDUC. E-mail: jorge_campos182@hotmail.com

Referências

Referências Bibliográficas

ANDERSON, Benedict. Censo, mapa, museu. In: Comunidades imaginadas: reflexões sobre a origem e a difusão do nacionalismo. São Paulo: Companhia das Letras, tradução, Denise Bottman, 2008.

ANDRADE, José H. Fischel de; LIMOEIRO, Danilo. Rui Barbosa e a política externa brasileira: considerações sobre a Questão Acreana e o Tratado de Petrópolis (1903). Rev. bras. polít. int. [online]. 2003, vol.46, n.1, pp. 94-117.

ARRUDA, Rinaldo S. V. Fronteiras e Identidades: os povos indígenas na tríplice fronteira Brasil-Bolívia-Perú. Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados de História. São Paulo: Projeto História, n. 39, jul/dez. 2009, pp. 159-179.

BANDEIRA, Luiz Alberto Moniz. O Barão de Rothschild e a questão do Acre. Rev. bras. polít. int. [online]. 2000, vol.43, n.2, pp. 150-169. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0034-73292000000200007&script=sci_abstract&tlng=pt

BARROS, José D’Assunção. História, Espaço, Geografia: diálogos interdisciplinares. Petrópolis, RJ: Vozes, 2017, 222p.

BASTOS, Aureliano Cândido Tavares. O vale do Amazonas: A livre navegação do Amazonas, estatística, producções, commercio, questões ficaes do Valle do Amazonas. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 2. ed., 1937, p. 222, 223.

BRIDIKNINA, Evgenia. Conformación de espaço fronterizo Bolívia – Brasil em las primeras décadas del siglo XX. In: SILVA, Giovane José da. Entre Fronteiras Brasil-Bolívia: Relações Internacionais, Diplomacia e Política. São Paulo: Paco editorial, 2018.

CAMPOS, Jorge de Oliveira. Caminhos da Guerra: os índios Parintintin e as frentes de expansão seringalista no rio Madeira (1853 – 1923). Dissertação, (Mestrado em História), Instituto de Filosofia, Ciências Humanas e Sociais, Universidade Federal do Amazonas, 2019.

CAMPOS, Jorge de Oliveira. Migração, Guerra e a Etnogênese Kawahíwa-Parintintin: na História na Literatura. In: V SEMINÁRIO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM HISTÓRIA – PPGH/UFAM, ST 02 – História Indígena e do Indigenismo, sessão 02, FES - Faculdade de Estudos Sociais. Resumo. Manaus: PPGH/UFAM, 2019.

CALDAS, Sérgio Túlio. Portos do Brasil = The Ports of Brazil. São Paulo: Horizonte, 2008.

CLASTRES, Pierre. Do etnocídio. in: arqueologia da violência. São Paulo: brasiliense, 1982.

CÓRDOBA, Lorena; VILLAR, Diego. As estruturas de nominação étnicas na história dos panos meridionais. In: Org. LIMA, Edilene Caffaci de; CÓRDOBA, Lorena. Os Outros dos Outros: Relações de alteridade na Etnologia Sul-Americana. Curitiba: Ed. UFPR, 2011.

CUNHA, Euclides da. Euclides e o Paraíso Perdido, Arthur Cesar Ferreira Reis. In: Um Paraíso Perdido: reunião de ensaios amazônicos. Brasília: Senado Federal, Conselho editorial, 2000.

CUNHA, Euclides da. Um Paraíso Perdido: reunião de ensaios amazônicos. Brasília: Senado Federal, Conselho editorial, 2000. Ver em: https://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/1038/573595.pdf

CURT NIMUENDAJÚ. Os Índios Parintintin do Rio Madeira. In: Journal de la Société des Américanistes. Tome 16, 1924.

DEAN, Warren. A luta pela borracha no Brasil: um estudo de história ecológica. Tradução: Eduardo Brandão. São Paulo: Nobel, 1989.

DECRETO Nº 4.280, De 28 De Novembro De 1868, que Promulga o Tratado de Amizade, Limites, Navegação, Commereio e Extradição, Celebrado em 27 de março de 1867, entre o Brasil e a Republica de Bolívia. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1824-1899/decreto-4280-28-novembro-1868-553624-norma-pe.html

FERREIRA, Manoel Rodrigues. A ferrovia do diabo. São Paulo: Edições melhoramentos, 1960. 344p.

GARRETT, Ana Maria Lema. Frontera Permeable y Brazos Apetecidos: La migración de los indígenas Chiquitanos a Brasil em la Segunda mitad del siglo XIX. In: SILVA, Giovane José da. Entre Fronteiras Brasil-Bolívia: Relações Internacionais, Diplomacia e Política. São Paulo: Paco editorial, 2018.

GOES FILHO, Synesio Sampaio. As Fronteiras do Brasil. Brasília: FUNAG, 2013.

GONDIM, Joaquim. A Pacificação do Parintintins: Karó dé iurapá. Commissão Rondon, nº 87. 1925. Disponível em: http://www.etnolinguistica.org/biblio:gondim-2001-parintintins

HUGO, Vitor. Os desbravadores. São Paulo: Escolas Profissionais Salesianas, 1959. 294p.

LUZ, Nicia Vilela. A política amazônica das repúblicas ribeirinhas e a diplomacia continental. In: A Amazônia para os negros americanos. Rio de Janeiro: Editora Saga, 1968, 188p.

MARTINS, José de Souza. Fronteira: a degradação do outro nos confins do humano. São Paulo: Contexto, 2. ed., 2018.

MEIRELES, José Carlos. Os Índios Isolados no Acre seus Territórios. In: Povos indígenas no Brasil: 2006/2010. 519p.

MELLO, Mauro Pereira de. A questão de limites entre os Estados do Acre, do Amazonas e de Rondônia (Aspectos Históricos e Formação de Território). Revista Brasileira de Geografia. Rio de Janeiro, Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 1990, v. 52, n.4, pp. 7 – 71.

MERRIL, Danna. The Land of Rubber-Gun Tree. Collections, New York. (1909). In: NEELEMAN, Rose; NEELEMAN, Gary. Trilhos na Selva, 2011.

NEELEMAN, Rose; NEELEMAN, Gary. Trilhos na selva: o dia a dia dos trabalhadores da Ferrovia Madeira-Mamoré. São Paulo: BEI comunicação, tradução: Ibraíma Dafonte Tavares, 2011.

PALM, Paulo Roberto. A abertura do rio Amazonas à navegação internacional e o parlamento brasileiro. Brasília: Fundação Alexandre de Gusmão, 2009. 97p.

PERIÓDICO, Extremo Norte. Santo Antonio do Madeira, 1 de novembro, nº 20, 1913.

PONTES, Kassius Dinis da Silva. Euclides da Cunha, o Itamaraty e a Amazônia. Brasília: Funag, 2005, 150p.

POUTIGNAT, Philippe. Teorias da etnicidade. Seguido de Grupos étnicos e suas fronteiras de Fredrik Barth. São Paulo: Fundação Editora UNESP, Tradução: Elcio Fernandes, 1998, p. 229.

REIS, Arthur César. Província do Amazonas. In: REIS, Arthur César. História do Amazonas. Belo Horizonte: Itatiaia, 1989.

RELATÓRIO. Fala com que abriu no dia 25 de agosto de 1878 a 1.a sessão da 14.a legislatura da Assembleia Legislativa Provincial do Amazonas o exim. O Senhor Barão de Maracajú, presidente da província. Manáos, Typ. do Amazonas, (89 AN), 1878.

RIO BRANCO, Barão do; BRASIL, Assis. O Tratado de Petrópolis, assinado em 17 de novembro de 1903 pelo BARÃO DO RIO BRANCO e ASSIS BRASIL, foi aprovado por lei federal de 25 de fevereiro de 1904, regulamentada por decreto presidencial de 7 de abril de 1904, incorporando o Acre como território brasileiro. Disponível em: http://www.newmarc.com.br/drws/tratado.pdf.

SANTOS-GRANERO, Fernando; BARCLAY, Frederica. La frontera Domesticada: História econômica y social de Loreto, 1850 – 2000. Perú: Fondo editorial. 2002. 546 p.

SECRETARIA DE POLÍCIA DA PROVÍNCIA DO AMAZONAS. Relatório e Anexo. 25 de agosto de 1878, fala com que abriu no dia a 1, a sessão da 14, a legislatura da Assembleia Legislativa Provincial do Amazonas o exim. O Senhor Barão de Maracajú, presidente da província. Manáos, Typ. do Amazonas, 1878.

SENA, Ernesto Cerveira de. “El defensor de la frontera”: a trajetória de Sebastián Ramos e as disputas fronteiriças (Brasil-Bolívia, 1825-1862). Tempo. Niterói: Scielo Analytics, 2020. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-77042020000100092&tlng=pt

SENA, Ernesto Cerveira de. Acordo de Ayacucho - Territórios e as descontinuidades dos Tratados: Forjando Fronteiras, Elaborando Nações (Bolívia e Brasil: Época Colonial – 1967). Goiânia: IX Encontro Internacional da ANPHLAC (Associação de Pesquisadores e Professores de História das Américas), 26 julho a 29 julho de 2010. Disponível em: https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=5242455

SOTOMAYOR, Walter Auad. Relações Brasil Bolívia: a definição das fronteiras. Brasília: Verbena Editora, 2018.

VELHO, Otávio Guilherme. Frentes de expansão e estrutura agrária: estudo do processo de penetração numa área da Transamazônica. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais, 2009. 171p.

Publicado
2021-04-24
Como Citar
Campos, J. de O. (2021). AS FRENTES DE EXPANSÃO NAS FRONTEIRAS DO ALTO MADEIRA (1867–1915): THE EXPANSION FRONTS AT THE BORDERS OF ALTO MADEIRA (1867-1915). Canoa Do Tempo, 13, 1-28. https://doi.org/10.38047/rct.v13.FC.2021.d2.p.1.28
Seção
Dossiê-Fronteiras étnicas e conflitos sociais no Rio Madeira