"Sempre Elas!"

Disputas amorosas e relações de gênero nos clubes dançantes cariocas (1889- 1920)

  • Juliana da Conceição Pereira Doutoranda PPGH UFF

Resumo

Na madrugada do dia 29 de setembro de 1912, após um baile na Sociedade Recreativa Carnavalesca Flor da Romã, situada no bairro de Botafogo, o pintor João Gonçalves Dantas assassina sua namorada Octavia Cecília da Silva por motivos de ciúme. O caso, noticiado nas páginas policiais dos jornais da época, deixa evidente como o comportamento das jovens frequentadoras dessas associações era a justificativa para atos de violência que pareciam ser comuns em bailes como esses. Sem tomar essas narrativas como verdade, o objetivo desse artigo é analisar como se forjavam, principalmente nas colunas jornalísticas, as relações de homens e mulheres nos bailes frequentados por trabalhadores no início do século XX, no Rio de Janeiro.

Publicado
2020-05-08
Como Citar
Pereira, J. da C. (2020). "Sempre Elas!": Disputas amorosas e relações de gênero nos clubes dançantes cariocas (1889- 1920). Canoa Do Tempo, 11(2), 99-121. https://doi.org/10.38047/rct.v11i2.6619