OS DESAFIOS DA FORMAÇÃO E ATUAÇÃO EM SALA DE AULA: AS PERSPECTIVAS DOS PROFESSORES EM ESCOLAS DO CAMPO NO MUNICÍPIO DE CASTELO (ES) DIANTE DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA

  • Cristiane Lopes Rocha Oliveira Universidade Federal de Viçosa
  • Raquel Valani Universidade Federal de Viçosa
Palavras-chave: Educação do Campo. Educação Inclusiva. Professores., Rural Education. Inclusive Education. Teachers.

Resumo

No presente trabalho, analisam-se as interfaces associadas à Educação Inclusiva e à Educação do Campo, na cidade de Castelo (ES), a partir da perspectiva dos docentes que possuem alunos com deficiência, matriculados regularmente nos anos finais do Ensino Fundamental, nas escolas do Campo em 2018. Para tanto, a metodologia escolhida possui caráter exploratório, de cunho descritivo, com abordagem qualitativa, utilizando-se um questionário semiestruturado aplicado a quarenta professores do referido contexto. Desse modo, foi possível perceber a impactante fragilidade do sistema educacional, no que diz respeito à inclusão efetiva nas escolas, uma vez que os docentes relataram enfrentar grandes dificuldades na criação de propostas pedagógicas, além de alegarem falta de formação profissional e de políticas públicas efetivas para atender a essa demanda.

Biografia do Autor

Cristiane Lopes Rocha Oliveira, Universidade Federal de Viçosa

Docente do Departamento de Educação da Universidade Federal de Viçosa- UFV

Raquel Valani, Universidade Federal de Viçosa

Licenciada em Educação do Campo, Universidade Federal de Viçosa- UFV

Referências

AGUIAR, J. F.; MAIA, M. V. C. M. “Somos iguais e somos diferentes”: olhares dos alunos sobre a inclusão no contexto escolar. Pesquisa e Prática em Educação Inclusiva, [S.l.], v. 1, n. 1, p. 43-54, ago. 2018. ISSN 2595-1920.
BASSALOBRE, N. J. As três dimensões da inclusão. Educação em Revista. n. 47, 2008.
CAIADO, K. R. M.; MELETTI, S. M. F. Educação Especial na Educação do Campo: 20 Anos de Silêncio no GT 15. Educação Especial na educação no campo. Marília, v.17, p.93-104, 2011. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-65382011000400008.
D´AGOSTINI, A.; TAFFAREL, C. Z.; JÚNIOR, C. L. S. Escola ativa. In: CALDART, R. S; PEREIRA, I.B; ALENTEJANO, P.; FRIGOTTO, G. Dicionário da Educação do Campo. Rio de Janeiro, São Paulo: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, Expressão Popular, 2012.
FERREIRA, A. História da Educação Brasileira: da Colônia ao século XX. São Carlos: EdUFSCar, 2010.
GHEDIN, E. Educação do Campo: epistemologias e prática. São Paulo: Cortez, 2012.
MAZZOTTA, M. J. S.; D’ANTINO, M. E. F. Inclusão Social de Pessoas com Deficiências e Necessidades Especiais: cultura, educação e lazer. Saúde Social. São Paulo. v.20, nº2. 2011. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902011000200010.
MORAES, R. Análise de conteúdo. Revista Educação, v. 22, n. 37, 1999.
PLETSCH, M. D. A formação de professores para a educação inclusiva: legislação, diretrizes políticas e resultados de pesquisas. Curitiba: Educar, 2009.
QUEIROZ, D. T.; VALL, J.; SOUZA, A. M. A.; VIEIRA, N. F. C. Observação participante na pesquisa qualitativa: conceitos e aplicações na área da saúde. Rio de Janeiro: R Enferm UERJ, 2007.
SANTOS, P. M.; PAULINO, M. M. Inclusão em Educação: culturas, políticas e práticas. São Paulo: Cortez, 2008.
SARMENTO, H. B. de M. Instrumental Técnico e Serviço Social. In: SANTOS, C. M. dos; BACKX, S.; GUERRA, Y. (Org.). A dimensão técnico-operativa no Serviço Social: desafios contemporâneos. Juiz de Fora: UFJF, 2012. p. 103-121.
Publicado
2020-02-19