ENSINO DA MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA PARA O ALUNO COM DEFICIÊNCIA SENSORIAL: PANORAMA DA PRODUÇÃO NACIONAL

  • Debora Gomes de Oliveira Univesidade Federal de São Carlos (UFSCar)
  • Vanessa Cristina Paulino UFSCar
  • Maria da Piedade Resende da Costa Univesidade Federal de São Carlos (UFSCar)
Palavras-chave: Educação Especial, Deficiência Sensorial, Ensino da Matemática

Resumo

O presente estudo teve por objetivo identificar e analisar a produção científica nacional sobre o ensino da matemática na educação básica para o aluno com deficiência sensorial. Para a realização do mesmo foi executado uma busca em três bases de dados, sendo elas BDTD (Biblioteca Digital de Teses e Dissertações), Scielo (Scientific Electronic Library Online) e CAPES (Coordenadoria de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior), comas respectivas palavras-chave: Ensino de Matemática; Surdez; Deficiência Auditiva; Cegueira; Deficiência Visual; e Surdocegueira. Por meio dos resultados obtidos pelas buscas nas bases de dados foram construídas tabelas para melhor compreensão, tendo os dados combinados e relacionados com o eixo temático. Constatou-se uma escassez de pesquisas em quatro eixos e ausência total no eixo ensino da matemática e a surdocegueira. Pode-se concluir que há uma urgência para realizações de pesquisas direcionadas para o ensino da matemática para o aluno com deficiência sensorial na educação básica, sobretudo ao que possui surdocegueira.

Biografia do Autor

Maria da Piedade Resende da Costa, Univesidade Federal de São Carlos (UFSCar)

Possui Formação em Psicologia pela Universidade Católica de Pernambuco (1975), graduação em Pedagogia pela Universidade Católica de Pernambuco, mestrado em Educação Especial (Educação do Indivíduo Especial) pela Universidade Federal de São Carlos (1984) e doutorado em Psicologia (Psicologia Experimental) pela Universidade de São Paulo (1992). Participou da formação da profissão de Fonoaudiólogo desde 1965, em Recife, através da Associação Pernambucana de Logopedia. Após o reconhecimento da profissão obteve o título de Fonoaudióloga pelo Conselho Federal de Fonoaudiologia. Foi professora dos Departamentos de Psicologia e de Metodologia do Ensino da Universidade Federal da Paraíba e do Departamento de Psicologia da UFSCar. Atualmente é professora permanente do Programa de Pós-Graduação em Educação Especial da Universidade Federal de São Carlos com orientação no mestrado e doutorado e supervisão de pós-doutorado.

Referências

Banco online de periódicos da Coordenadoria de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – CAPES. Disponível em: http://www.periodicos.capes.gov.br/. Acesso em: out. de 2017.

Biblioteca Digital de Teses e Dissertações – BDTD. Disponível em: http://bdtd.ibict.br/vufind/. Acesso em: out de 2017.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, 1996. Lei nº 9394. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9394.htm. Acesso em: mar. 2017.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução n. 2, de 11 de setembro de 2001, institui as Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. Brasília: CNE/CEB, 2001. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CEB0201.pdf. Acesso em: mar. 2017.

BRASIL. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da educação Inclusiva. Brasília: MEC/SEESP, 2008. Disponível em: http://peei.mec.gov.br/arquivos/politica_nacional_educacao_especial.pdf. Acesso em: mar. de 2017.

BRASIL. Ministério da Justiça. Declaração de Salamanca e Linha de ação sobre necessidades educativas especiais. Brasília: CORDE, 1997. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/salamanca.pdf. Acesso em: abr. 2017.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: Ministério da Educação. 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_20dez_site.pdf. Acesso em: mar. de 2018.

COSTA, A. B. Uma proposta no ensino de fração para adolescentes com e sem deficiência visual. 2013. 130 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Humanas) - Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2013.

COSTA, A. B.; ZOLTOWSKI, A. P. C. Como escrever um artigo de revisão sistemática. KOLLER, Silvia. H.; DE PAULA COUTO, Maria Clara; HOHENDORFF, J. V. (ORGS). Manual da produção cientifica. Porto Alegre, 2014.p. 55-70.

COUTINHO, M. D. M. C. A constituição de saberes num contexto de educação bilíngue para surdos em aulas de matemática numa perspectiva de letramento. 2014. 268 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2015.

GRECA, L. C. M. Surdez e alfabetização matemática: o que os profissionais e as crianças surdas da escola têm para contar. 2015. 423f. Dissertação (Mestrado Ciências Exatas) – Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e em Matemática, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2015.

KOLLER, S. H.; DE PAULA COUTO, Maria Clara; HOHENDORFF, J. V. Manual da produção cientifica. Porto Alegre, 2014.p. 55-70.

MIRANDA, E. T. J. O aluno cego no contexto da inclusão escolar: Desafios no processo de ensino e de aprendizagem de Matemática 2016.167 f. Dissertação (Mestrado) –Universidade Estadual Paulista. Faculdade de Ciências, Bauru, 2016.

MORAES, J. C. P. ROCHA, L.R. M. SILVA, M. C. O surdo e a escrita numérica. Revista Espaço. Rio de Janeiro, nº 40, p. 35 – 43, jul/dez 2013. Disponível em: http://www.ines.gov.br/seer/index.php/revista-espaco/article/view/144/131.
Acesso em: out. 2017.

NEVES, M. J. B. A comunicação em matemática na sala de aula: obstáculos de natureza metodológica na educação de alunos surdos. 2011. 131 f. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências e Matemáticas) – Instituto de Educação Matemática e Cientifica, Universidade do Federal do Pará, Belém, 2011.

OLIVEIRA, M. L. V. Ensino de matemática para surdos e ou cegos. 2014. 62f.Dissertação (Mestrado PROFMAT) – Instituto de Ciências Exatas, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2014.

PALMEIRA, C. A. Educação matemática no ensino médio e a inclusão de alunos com deficiência visual. 2012. 191 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Espírito Santo, Centro de Educação. 2012.

PIAGET, J. Seis estudos de psicologia. Trad.D’Amorim, M. A. M & Silva, P. S. L.9. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1978.

PRADO, Renata, B. S. Tecnologia assistiva para o ensino da matemática aos alunos cegos: o aso do Centro de Apoio Pedagógico para o atendimento as pessoas com deficiência visual. 2013. 141f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências Naturais e Matemática) – Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, 2013.

Scientific Electronic Library Online – SciELO. http://www.scielo.org/php/index.php. Acesso em: out. de 2017.

STEFANELO, T. S. Matemática inclusiva: ensinando matrizes a deficientes visuais. 2015. 69f. Dissertação (mestrado) – Centro de Ciências e Exatas, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2015.
Publicado
2021-03-22