CONFLITOS DE USO E OCUPAÇÃO EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NA BACIA DO RIO ANIL- SÃO LUÍS, MA

Conflicts of use and occupation in permanent preservation areas in the Anil river basin- São Luís, MA

  • Walefe Lopes da Cruz Universidade Estadual do Maranhão - UEMA
  • Delony de Queiroz Ribeiro Universidade Estadual do Maranhão - UEMA
  • Edilea Dutra Pereira Universidade Federal do Maranhão - UFMA
Palavras-chave: Áreas de Preservação Permanente; Bacia Hidrográfica; Rio Anil; São Luís.

Resumo

A bacia do rio Anil dispõe de uma área de 40,77km², o rio principal apresenta cerca de 13,8 km de extensão, a drenagem da bacia possui aproximadamente 277 canais e 146 nascentes, estando a bacia localizada a noroeste da ilha de São Luís do Maranhão, com grande importância econômica e hídrica para a capital do estado. A área de preservação permanente (APP) da bacia do rio vem sofrendo grande processo de antropização ao decorrer dos anos. Desse modo foi realizado o mapeamento da APP na bacia do rio em estudo, a partir da classificação de categorias de análise (solo exposto, área vegetada e área urbanizada), obteve-se uma APP total de 18,2 km², onde cerca de 11,92 km² é composta de área vegetada; 6,04 km² de área urbanizada e 0,24 km² de solo exposto. Recomenda-se assim, aplicações de políticas públicas de conscientização e conservação de áreas de preservação permanente, bem como a aplicabilidade da legislação ambiental.

Biografia do Autor

Walefe Lopes da Cruz, Universidade Estadual do Maranhão - UEMA

Mestrando no Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Estadual do Maranhão

Graduando em Geografia Bacharelado e Graduado em Geografia Licenciatura pela Universidade Federal do Maranhão -Participou do Laboratório de estudos de Bacias (LEBAC). Foi bolsista PIBIC no Projeto de Pesquisa "AVALIAÇÃO DA VULNERABILIDADE À INTRUSÃO MARINHA DO AQUÍFERO COSTEIRO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PACIÊNCIA UTILIZANDO O MÉTODO GALDIT" (2016-2017). Bolsista PIBIC/UFMA no Projeto de Pesquisa "AVALIAÇÃO DA VULNERABILIDADE À INTRUSÃO MARINHA DO AQUÍFERO COSTEIRO NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO ANIL (2018- 2019) e Bolsista CAPES no Projeto de Ensino "Práticas Dialógicas: Condição necessária para a construção do saber pensar na educação básica" (2018- 2019).

Delony de Queiroz Ribeiro, Universidade Estadual do Maranhão - UEMA

Mestranda no Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Estadual do Maranhão

Edilea Dutra Pereira, Universidade Federal do Maranhão - UFMA

Profa Dra Departamento de Geociências da  Universidade Federal do Maranhão 

Referências

BRASIL, Lei Nº 12.651, de 25 de maio de 2012. Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa; altera as Leis nos 6.938, de 31 de agosto de 1981, 9.393, de 19 de dezembro de 1996, e 11.428, de 22 de dezembro de 2006; revoga as Leis nos 4.771, de 15 de setembro de 1965, e 7.754, de 14 de abril de 1989, e a Medida Provisória no 2.166-67, de 24 de agosto de 2001; e dá outras providências. BRASILIA.

FERNANDES, R. S.; SOUZA, V. J.; PELISSARI, V. B.; FERNANDES, S. T. Uso da percepção ambiental como instrumento de gestão em aplicações ligadas às áreas educacional, social e ambiental. In: II Encontro da ANPPAS, 2004, Campinas, São Paulo. Disponível em: http://www.anppas.org.br/ encontro_anual/encontro2/GT/GT10 /roosevelt_fernandes.pdf Acesso ago/2009.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATISTICA – IBGE. Cidades/São Luís. Disponível em: . Acesso em fev., de 2019.

MARCONDES, M.J.A. Cidade e natureza: proteção dos mananciais e exclusão social. São Paulo: Studio Nobel/Editora da Universidade de São Paulo/Fapesp, 1999.

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos de metodologia científica. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Áreas de Preservação Permanente. Ministério do Meio Ambiente.2019. Disponível em: . Acesso em: 20 mai. 2019.

RIBEIRO, D. M.; ROCHA, W. F.; GARCIA, A. J. V. 2011. Vulnerabilidade natural à contaminação dos aquíferos da sub-bacia do rio Siriri, Sergipe. Águas Subterrâneas, p 25.1: 91-102.

STRAHLER, A. N. Climate and their classification. Physical Geography: 2 ed..John Wiley; New York, 1960.

TUNDISI, J.G.; TUNDISI, T.M. Impactos potenciais das alterações do Código Florestal nos recursos hídricos. Biota Neotropica, Campinas. v.10, n. 4, p. 67-76. 2010.
Publicado
2020-07-14
Como Citar
Cruz, W. L. da, Ribeiro, D. de Q., & Pereira, E. D. (2020). CONFLITOS DE USO E OCUPAÇÃO EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NA BACIA DO RIO ANIL- SÃO LUÍS, MA: Conflicts of use and occupation in permanent preservation areas in the Anil river basin- São Luís, MA. REVISTA GEONORTE, 11(37), 229-247. https://doi.org/10.21170/geonorte.2020.V.11.N.37.229.247
Seção
Artigos