O EFEITO DE BORDA DA INTERPOLAÇÃO IQD EM MAPAS DE CHUVA: UMA COMPARAÇÃO ENTRE MALHAS DE POSTOS PLUVIOMÉTRICOS

  • Taíza de Pinho Barroso Lucas
  • Magda Luzimar de Abreu
  • Maria Giovanna Parizzi
  • Maria Giovanna Parizzi
Palavras-chave: Efeito de borda, Inverso do Quadrado da Distância (IQD) e chuvas.

Resumo

O objetivo do trabalho é comparar o efeito de borda gerado a partir da interpolação de dados de chuvas
de Belo Horizonte através do método Inverso do Quadrado da Distância (IQD), utilizando o ArcGIS
Desktop 10.0 (ESRI). A espacialização ocorreu em três categorias: a) área maior que o município,
calculada ao considerar cinco pontos externos a área territorial de Belo Horizonte, além de 13 postos
na capital; b) interpolação da área maior que o município através do aumento do quadrado gerado pelo
IQD e c) interpolação apenas da malha da capital, em que os postos mais distantes são os pontos
extremos desse quadrado gerado. Observou-se, através da interpolação dos dados totais mensais de
chuva de dezembro de 2011 e do maior acúmulo de chuvas em 24 horas, que os mapas gerados pela
categoria b apresentaram pequenos efeitos de borda, com alterações de classificação de legenda nas
regionais mais extrema do município, como Nordeste e Barreiro. Os mapas da espacialização da chuva
a partir da interpolação de 13 pluviômetros na cidade, categoria c, apresentou a mesma configuração
espacial da segunda categoria.

Publicado
2012-10-06
Como Citar
Barroso Lucas, T. de P., Luzimar de Abreu, M., Giovanna Parizzi, M., & Giovanna Parizzi, M. (2012). O EFEITO DE BORDA DA INTERPOLAÇÃO IQD EM MAPAS DE CHUVA: UMA COMPARAÇÃO ENTRE MALHAS DE POSTOS PLUVIOMÉTRICOS. REVISTA GEONORTE, 3(9), 1364 -. Recuperado de https://periodicos.ufam.edu.br/index.php/revista-geonorte/article/view/2585