ESTIMATIVA DE ÍNDICE DE DESCONFORTO HUMANO EM UM TRANSECTO NO MUNICÍPIO DE OLINDA/PE

  • Luís Augusto de Bakker Vital
  • Elvis Bergue Mariz Moreira
  • Ranyére Silva Nóbrega

Resumo

a apreciação do tema conforto térmico é envolvido por diversas reflexões, sejam elas quantitativas ou qualitativas, bem como através de modelos, culturais, individuais, temporais e espaciais. Assim, é imperioso argumentar que o tema conforto térmico é muito vasto, muitos modelos e pré-requisitos para obtenção de tais índices e, não cabe aqui, divagar entre a vasta bibliografia para a posse de um resultado comum. O estudo que é aqui apresentado não faz menção a todos esses parâmetros, mas tenta quantificar e qualificar através do modelo de índice de Ono e Kawamura, aceitável para climas tropicais. Esse artigo tem como objetivo mostrar, de forma sucinta, como se fez o estudo para elucubração de tal temática. O método utilizou o tempo sobre o espaço como forma de procedimento empírico e com auxílio de termohigrômetro com dataloggers. O espaço foi medido em três pontos locais por doze dias, sendo os horários locais de 09:00, 15:00 e 21:00 como forma de obter uma leitura do comportamento termohigrométrico e, assim, avaliar o índice de desconforto humano. O resultado observado identificou correlações do índice de desconforto em função dos valores higrométricos e, para cada espaço, distintos padrões de comportamento dos outros valores.
Publicado
2012-10-06
Como Citar
Vital, L. A. de B., Mariz Moreira, E. B., & Silva Nóbrega, R. (2012). ESTIMATIVA DE ÍNDICE DE DESCONFORTO HUMANO EM UM TRANSECTO NO MUNICÍPIO DE OLINDA/PE. REVISTA GEONORTE, 3(9), 761-. Recuperado de https://periodicos.ufam.edu.br/index.php/revista-geonorte/article/view/2535