Ensino como pesquisa

um exercício teórico-prático

Autores

DOI:

https://doi.org/10.29280/rappge.v9i2.13662

Palavras-chave:

Ensino, Pesquisa, Formação, Deslocamentos

Resumo

É possível, a partir de um componente curricular com 60 horas/aulas, desenvolver uma investigação científica? Se sim, como organizar o trabalho de campo com as atividades em sala de aula? O objetivo deste trabalho é socializar as respostas dadas aos questionamentos acima e construídas através de uma experiência denominada de “ensino com pesquisa”, realizada a partir da disciplina “Docência Universitária na Contemporaneidade: pressupostos epistemológicos, políticos e metodológicos”, oferecida pelo Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGEDUC), da Universidade do Estado da Bahia (Uneb). Detivemo-nos especificamente nos processos de construção da investigação, nos caminhos forjados e que conciliaram o ensino com a pesquisa. Os resultados apontam o quão significativo se torna instituirmos a cultura da pesquisa como fomentadora do ensino, pois além de romper com modelos historicamente cristalizados, desloca atores dos seus lugares, promovendo autonomia e autoria.

Biografia do Autor

Antonio Vilas Boas, Universidade do Estado da Bahia -UNEB

Licenciado em História pela Universidade Estadual de Feira de Santana -Bahia e mestre em Educação pela Universidade do Estado da Bahia (UNEB). É professor do Colégio Estadual de Conceição do Jacuípe-BA e da Universidade do Estado da Bahia. Bahia, Brasil.

Referências

BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. Lisboa, Portugal: Edições 70, 2009.

CUNHA, Maria Izabel; SOARES, Sandra Regina; RIBEIRO, Marinalva Lopes. (Orgs.). Docência universitária: profissionalização e práticas educativas. Feira de Santana: UEFS Editora, 2009.

LIZARRÁGA, Ma. Luisa Sanz de Acedo. Competencias cognitivas en Educación Superior. Madrid: Narcea S.a de Ediciones. 2010.

MACEDO, Roberto Sidnei. Hermes re-conhecido: etnopesquisa-crítica, currículo e formação docente. Revista da Faced, n.2, Salvador, 1998. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/entreideias/issue/view/329. Acesso em: 02 maio. 2023.

MORAES, Maria Cândida. O paradigma emergente. Campinas, São Paulo: Papirus, 1997.

POZO, Juan Ygnacio; Monereo, Caries. (Coord) (1990). La cultura educative en la Universidad: nuevos retos para profesores y alumnus. In: _______; ________. La universidad ante La nueva cultura educativa. Enseñar y aprender para La autonomia. Barcelona: Editorial Síntesis. 1999.

SOARES, Sandra Regina. A pesquisa como princípio formativo: experiência em uma disciplina na pós-graduação. In: SOARES, Sandra Regina; SOARES, Ilma Fernandes; BARREIRO, Mariana Soledade (Orgs.). Ensino para a autonomia: Inovando a formação profissional. Salvador: EDUNEB, 2013.

SOARES, Sandra Regina; BRANDÃO, Maria de Cássia P. Docência Universitária na Contemporaneidade: Pressupostos epistemológicos, políticos e metodológicos. Plano de Ensino. Universidade do Estado da Bahia – UNEB, Salvador, 2015. (impresso).

TRILLO, Felipe. As atitudes dos estudantes: um indicador da qualidade universitária. In: TRILLO, Felipe (Org.). Atitudes e valores no ensino. Lisboa: Instituto Piaget, 2000. pp.215-261.

Publicado

04-06-2024

Como Citar

BOAS, A. V. Ensino como pesquisa: um exercício teórico-prático. Revista Amazônida: Revista do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Amazonas, [S. l.], v. 9, n. 2, p. 1–11, 2024. DOI: 10.29280/rappge.v9i2.13662. Disponível em: //periodicos.ufam.edu.br/index.php/amazonida/article/view/13662. Acesso em: 19 jul. 2024.