A conceituação da deficiência intelectual

um percurso histórico

Autores

  • Fabrício Santos Dias de Abreu Centro Universitário Estácio de Brasília
  • Patrícia Lima Martins Pederiva Universidade de Brasília- UNB

DOI:

https://doi.org/10.29280/rappge.v8i1.11677

Palavras-chave:

Deficiência Intelectual, Inclusão , Desenvolvimento Humano

Resumo

Neste artigo, por meio da análise de literatura, buscamos inventariar historicamente as concepções de deficiência intelectual e demonstrar que essas se reverberam em práticas pedagógicas que se alinham a princípios científicos e sociais que regem a sociedade. Trazer o passado à tona mostra-se como essencial para que retrocessos não se materializem e para que a educação inclusiva seja defendida como um processo indispensável em uma democracia e se consolide como um direito inalienável dos sujeitos com deficiência intelectual. A partir da historiografia construída neste texto foi possível perceber que o olhar dispensado para esse público se encontra fortemente influenciado por discursos ideológicos que transitam, ora por aspectos inclusivos, ora por vias de exclusão, que podem potencializar ou aniquilar as expressões de vida. Um marco importante é percebido no final do século XX ao despontar o discurso social da deficiência que, dentre outras coisas, defende que essa não deveria ser narrada pela via da patologização e da subalternização, mas como uma forma singular de expressão corporal que em contato com uma sociedade excludente gera barreiras ao pleno desenvolvimento.

Biografia do Autor

Fabrício Santos Dias de Abreu, Centro Universitário Estácio de Brasília

Professor do Centro Universitário Estácio de Brasília. Coordenador do Núcleo de Atendimento e Apoio Psicopedagógico do Centro Universitário Estácio de Brasília. Professor concursado da área de Educação Especial da Secretaria de Educação do Distrito Federal. Professor de disciplinas sobre inclusão escolar e fundamentos psiconeurofisiológicos das deficiências em cursos de Pós-Graduação. Psicopedagogo com experiência no atendimento clínico de crianças com transtornos e deficiências. Doutorando em Educação pela Universidade de Brasília - UnB. Pedagogo formado pela Faculdade de Educação - UnB. Mestre em Processos de Desenvolvimento Humano e Saúde pelo Instituto de Psicologia - UnB. Especialista em Planejamento, Implementação e Gestão da Educação a Distância (UFF), Gênero e Sexualidade (UERJ), Gênero e Diversidade na Escola (UFG) e Desenvolvimento Humano, Educação e Inclusão Escolar (UnB). Tem como eixo epistemológico as proposições teóricas da Psicologia Histórico-Cultural, principalmente nos seguintes temas: infância, imaginação, deficiência e linguagem. Membro do Grupo de Estudos e Pesquisas em Práticas Educativas (GEPPE - UnB). Membro fundador do Grupo de Estudos em Psicologia Histórico-Cultural (SEEDF-UnB)

Patrícia Lima Martins Pederiva, Universidade de Brasília- UNB

Licenciatura em Música pela Universidade de Brasília (1987); Especialização em Execução Musical pela Universidade de Brasília (2000); Mestrado em Educação (Ensino-aprendizagem) pela Universidade Católica de Brasília (2005); Doutorado em Educação pela Universidade de Brasília (2009/ Escola, Aprendizagem e Trabalho Pedagógico); Pós-Doutorado no Departamiento de Psicologia Evolutiva y Educación de la Universidad Autónoma de Madrid, España; Professora da área de Artes, do Departamento de Métodos e Técnicas da Faculdade de Educação da Universidade de Brasília; Professora do PPGE- Programa de Pós-Graduação em Educação da UnB na Linha de Pesquisa EAPS (Ensino, Aprendizagem, Desenvolvimento e Subjetividade na Educação), no Eixo de Pesquisa de Processos de Escolarização; Coodenadora do GEPPE- Grupo de Estudos e Pesquisas em Práticas Educativas(Certificado pelo CNPq); Pesquisadora de Teoria Histórico-Cultural de Lev Semionovich Vigotski; Membro da ISCAR- International Society of Cultural-historical Activity Research e da ISCAR Brasil; Membro associada da ISME- International Society for Music Education: Membro da ABEM- Asociação Brasileira de Educação Musical; Membro da ANPEd- Associação Nacional de Pesquisa em Educação; Membro da ABEM- Associação Brasileira de Educação Musical

Referências

AAIDD (American Association on Intellectual and Developmental Disabilities). Intellectual disability: definition, classification anda systems of supports. 11ª edition, EUA: AAIDD Ad Hoc Committee on Terminology and Classification, 2011.

AAMR (Associação Americana de Retardo Mental). Retardo mental – definição, classificação e sistemas de apoio. 10ª edição. Porto Alegre: Artmed, 2006.

ALMEIDA, Maria Amélia. Apresentação e análise das definições de deficiência mental propostas pela AAMR - Associação Americana de Retardo Mental de 1908 a 2002. Revista de Educação, Campinas, v. 16, 33-48. 2004.

BAKHTIN, M.; VOLOCHINOV, V. Marxismo de filosofia da linguagem. São Paulo: HUCITEC, 2010.

BRASIL. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília: MEC/SEESP, 2008.

BRONFENBRENNER, Urie. A ecologia do desenvolvimento humano: experimentos naturais e planejados. Porto Alegre: Artes Médicas, 1994.

CARVALHO, E. N.; MACIEL, D. M. Nova concepção de deficiência mental segundo a American Association on Mental Retardation: AAMR: sistema 2002. Revista Temas de Psicologia da Sociedade Brasileira de Psicologia, v. 11, nº 2, p. 147-156, 2003.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. São Paulo: Paz e Terra, 2014.

GODDARD, Henry. The Kallikak Family: A Study in the Heredity of Feeble-Mindedness. New York: Macmillan, 1912.

GOULD, Stephen. A falsa medida do homem. São Paulo, Martins Fontes, 1999.

ILLICH, Ivan. Sociedade sem escola. São Paulo: Vozes, 2018.

ITARD, Jean. Mémorie: da educação de um homem selvagem ou dos primeiros desenvolvimentos físicos e morais do jovem selvagem de Aveyron. In: BANKS-LEITE, Luci. et al. (org.) O garoto selvagem e o Dr. Jean Itard: história e diálogos contemporâneos. Campinas: Mercado das Letras, (pp. 169 a 219), 2017.

ITARD, Jean. Relatório feito à sua excelência o ministro do interior sobre os novos desenvolvimentos e o estado atual do selvagem do Aveyron. In: BANKS-LEITE, Luci. et al. (org.) O garoto selvagem e o Dr. Jean Itard: história e diálogos contemporâneos. Campinas: Mercado das Letras, (pp. 223 a 268), 2017.

JANNUZZI, Gilberta. A educação do deficiente no Brasil: dos primórdios ao início do século XXI. Campinas: Autores Associados, 2012.

LEONTIEV, Alexei. O homem e a cultura. In: ENGELS, Friedrich. (et. al). O papel da cultura nas ciências sociais. Porto Alegre: Editoral Vila Martha, (pp. 37 a 72), 1980.

MAZZOTTA, Marcos. Educação especial no Brasil: história e políticas públicas. São Paulo: Cortez, 2001

PAN, Mirian. O direito à diferença: uma reflexão sobre deficiência intelectual e educação inclusiva. Curitiba: Editora Ibpex, 2008

PASQUALI, Luiz. Psicometria. Revista da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo, 43, pp. 992-999, 2009.

PESSOTTI, Isaias. Deficiência mental: da superstição a ciência. São Paulo: EDUSP, 1994.

PLETSCH, Márcia Denise. Repensando a inclusão escolar: diretrizes políticas, práticas curriculares e deficiência intelectual. Rio de Janeiro: Nau, 2014.

SANTOS, S.; MORATO, P. O comportamento adaptativo em Portugal. In: SANTOS, S.; MORATO, P. (Orgs.). Comportamento adaptativo: 10 anos depois. Lisboa: Edições FMH (pp. 101-120), 2012.

SIMÕES, Cristina; SANTOS, Sofia. Qualidade de vida, comportamento adaptativo e apoios: compreendendo a relação entre constructos na dificuldade intelectual e desenvolvimental. Lisboa: Edições FMH, 2018.

TEZZARI, Mauren Lúcia. Educação especial e ação docente: da medicina à educação. 2009. 240 f. Tese de Doutorado em Educação. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009.

VIGOTSKI, Lev Semionovitch. 7 aulas de L. S. Vigotski sobre os fundamentos da pedologia. Rio de Janeiro: e-papers, 2018.

VIGOTSKI, Lev Semionovitch. Aprendizagem e desenvolvimento intelectual na idade escolar. In: VIGOTSKII, Lev Semionovitch; LURIA, Alexander; LEONTIEV, Alexei. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. São Paulo: Ícone (pp. 103-117). 2012.

VIGOTSKI, Lev Semionovitch. Obras Escogidas V – Fundamentos de defectologia. Madrid: Visor, 1997.

WALLON, Henri. A criança turbulenta: estudo sobre os retardamentos e as anomalias do desenvolvimento motor e mental. Rio de Janeiro: Vozes, 2008.

WALLON, Henri. A evolução psicológica da criança. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

Publicado

2023-07-31

Como Citar

SANTOS DIAS DE ABREU, F.; LIMA MARTINS PEDERIVA, P. A conceituação da deficiência intelectual : um percurso histórico . Revista Amazônida: Revista do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Amazonas, [S. l.], v. 8, n. 1, 2023. DOI: 10.29280/rappge.v8i1.11677. Disponível em: https://periodicos.ufam.edu.br/index.php/amazonida/article/view/11677. Acesso em: 24 abr. 2024.