Dificuldades e potencialidades de líderes introvertidos em uma indústria de eletrodomésticos: um estudo de caso

  • Rayane Pinto Tavares Universidade Federal do Amazonas
  • Fabiula Meneguete Vides da Silva Universidade Federal do Amazonas - UFAM
Palavras-chave: Liderança, Introversão, Extroversão

Resumo

O objetivo deste trabalho é analisar as dificuldades e potencialidades do líder introvertido em uma indústria. O presente artigo é fundamentado nos moldes de uma pesquisa qualitativa. A população engloba dez pessoas nos respectivos cargos: líderes, supervisores e gerentes da organização. Os dados foram coletados por meio de entrevista semiestruturada e, para interpretação, foi utilizada a análise de conteúdo. Recorrendo às análises, constatou-se que os líderes introvertidos são minoria uma vez que, do universo estudado, três líderes foram identificados. A percepção deles é voltada à valorização do ser humano e possuem a capacidade de ouvir e ter empatia. Como pontos a melhorar, podem-se destacar a dificuldade de aproximação com os demais colegas de trabalho, de cultivar amizades e a falta de valorização própria. Descobrir essas características possibilitou conhecer este perfil pouco valorizado e compreender que estes podem ser excelentes líderes tão somente por possuírem o perfil introvertido.

Biografia do Autor

Rayane Pinto Tavares, Universidade Federal do Amazonas

Estudante do curso de Adminsitração da Universidade Federal do Amazonas

Referências

Alves, S. (2010). Liderança organizacional: discussão sobre um conceito-chave à administração. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração. v. 4, n. 1, p. 43-53.
Bardin, L. (2016). Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70.
Bass, B. M. (1985). Leadership and performance: beyound expectations. New York: Free Press.
Bass, B. M. & Avolio, B. J. (1994). Shatter the glass ceiling: women may make better managers. Human Resource Management, New York: v. 33, n. 4; p. 549- 561.
Benevides, V. L. A. (2010). Os estilos de liderança e as principais táticas de influência utilizadas pelos líderes brasileiros. Tese (Doutorado) – Fundação Getúlio Vargas, Rio de Janeiro.
Bergamini, C. W. (1994). Liderança: a administração do sentido. Revista de Administração de Empresas, 34(3), 102-114.
Bergamini, C.W. (2016). Psicologia aplicada à Administração. São Paulo: Atlas.
Bowditch, J. L. & Buono, A. F. (2002). Elementos do comportamento organizacional. São Paulo: Pioneira Thomson.
Burns, J. M. (2003). Transforming leadership. New York: Atlantic Monthly Press.
Cain, S. (2012). O poder dos quietos: como os tímidos e introvertidos podem mudar o mundo que não para de falar. Tradução Ana Carolina Bento Ribeiro. Rio de Janeiro: Agir.
Champoux, J. E. (2011). Organizational behavior: integrating individuals, groups, and organization. 4. Ed. New York: Routledge. 528 p.
Collins, J. (2013). Empresas feitas para vencer. 6 ed. Rio de Janeiro: Campus.
Costa, P.H. (2015). Liderança: dificuldades e potencialidades de um líder introvertido nas organizações. ENIAC Pesquisa, Guarulhos (SP), p.81-98, v. 4, n. 1.
Crainer. S. (2000). Os grandes pensadores da administração: as ideias que revolucionaram o mundo dos negócios. São Paulo: Futura.
Dorneles, E.L., Salvagni, J. & Nodari, C.N. (2017). A liderança como diferencial nas organizações: um estudo de caso sobre a percepção dos gestores. HOLOS, Ano 33, Vol. 08.
Fiedler, F. E. (1967). A theory of leadership effectiveness. New York: McGraw-Hill.
Fisher, S.G., Macrosson, W.D.K. & Semple, J.H. (2001) Control and belbin´s team roles. Personnel Review, Farnborough, v.30, n.5, p.578-588.
Ghose, T. (2013). Why extroverts like parties and introverts avoid crowds. Publicado em junho de 2013, acessado em: 07 de setembro de 2019. Disponível em:
< https://www.livescience.com/37427-extroverts-have-different-brain-processes.html>.
Gino, F. (2015). Introverts, extroverts, and the complexities of team dynamics. . Publicado em março de 2015, acessado em: 06 de outubro de 2019. Disponível em: .
Granneman, J. (2017). The secret lives of introverts: Inside our Hidden World. Skyhorse.
Hersey, Paul & Blanchard, Kenneth. (1986). Psicologia para administradores: a teoria e as técnicas da liderança situacional. São Paulo: Pedagógica e Universitária.
House, R. J. (1971). A path-goal theory of leader effectiveness. Administrative Science Quarterly, n. 16, p. 321-328.
Hunter, J. (2004). O monge e o executivo: uma história sobre essência da liderança. Rio de Janeiro: Sextante.
Jung C.G. (1971). Tipos psicológicos. Vozes. (Obras Completas – Vol.VI).
Kirkpatrick, S. A. & Locke, E. A. (1991). Leadership: do traits matter? The Executive, v. 5, n. 2, p. 48-60. Publicado em 1971, acessado em: 25 de outubro de 2019. Disponível em: < https://sites.fas.harvard.edu/~soc186/AssignedReadings/Kirkpatrick-Traits.pdf.>.
Loureiro, G. (1999). A Systems Engineering and Concurrent Engineering Framework: For the Integrated Development of Complex Products. 450 f. Tese (Doutorado) - Curso de Philosophy, Departamento de Department Of Manufacturing Engineering, Loughborough University, Leicestershire,uk.
Mello, F. B. (2013). Sob o domínio do medo. Administradores, João Pessoa, v.21, p. 36-41, jun / jul.
Minayo, M.C. (2007). Pesquisa social: teoria método e criatividade. 25 ed. Petrópolis: Editora Vozes.
Morais, F.L. (2016). O desafio das lideranças: assegurar a produtividade com pessoas de diferentes gerações. ReCaPe Revista de Carreiras e Pessoas São Paulo. Volume VI - Número 02 - Mai/Jun/Jul/Ago.
Moutafi, J. et al.(2003) Demographic and personality predictor of intelligence: A study using the NEO Personality inventory and the Myers-Briggs type indicator. European Journal of Personality 17, n.1. p. 79-84.
Nobel, C. (2010). Introverts: The Best leaders for proactive employees. Harvard business school working knowledge: Boston. Publicado em outubro de 2010, acessado em: 10 de setembro de 2019 . Disponível em:
Peretomode, O. (2012). Situational and contingency theories of leadership: are they the same. IOSR Journal of Business and Management, 4(3), 13-17.
Ponte, T. M. (2012). Perfil psicológico e interesses profissionais de estudantes de odontologia. Tese (Doutorado em Odontologia Social) – USP, São Paulo.
Ramos, L. et al. (2016). Um estudo sobre a liderança situacional e as suas contribuições para o desenvolvimento das organizações. Revista da Universidade Vale do Rio Verde, Três Corações, v. 14, n. 1, p. 1003-1014, jan./jul.
Rezende, F. V., Carvalho N., A. M. & TANURE, B. A.(2014). A percepção de executivos e executivas sobre estilos de liderança. Reuna, v. 19, n. 4, p. 107-130.
Robbins, S. P.(2014). Comportamento organizacional. 14 ed. São Paulo: Prentice Hall.
Sadler, P. (2003). Leadership and organizational learning. In: DIEKERS, Meinolf et al. Handbook of organizational learning and knowledge. Oxford: Oxford University Press, Cap.18, p.415-427.
Santos, E. M. (2016). Tímidos e introvertidos: como os gestores podem aproveitar todo este potencial? In: Cneg - Xii Congresso Nacional de Excelência em Gestão, Anais eletrônicos. Publicado em 2016, acessado em: 13 de junho de 2019. Disponível em .
Spector, Paul E. (2005). Psicologia nas organizações. São Paulo: Saraiva.
Stefano, S. R.; et al.(2008) Liderança orientada para resultados: um estudo de múltiplos casos em instituições financeiras. Revista Capital Científico, Guarapuava - PR v.6 n.1 p.199-222 jan./dez.
Sugahara, C., Jannuzzi, C.& Falsarella, O. (2018). Os componentes do ambiente interno e externo na geração da inovação nas organizações. Revista da Micro e Pequena Empresa, Campo Limpo Paulista, v.12, n.1 p.51-66.
Triviños, A. N. S. (1994). Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas.
Vergara Sylvia C. (2003). Gestão de pessoas. 3. ed. São Paulo: Atlas.
Vergara, Sylvia. C.(2005). Métodos de pesquisa em administração. São Paulo: Atlas.
Yin, R. K. (2006). Estudo de caso: planejamento e métodos. 3. ed. Porto alegre: Bookman.
Publicado
2021-02-02
Como Citar
Pinto Tavares, R., & Silva, F. M. V. da. (2021). Dificuldades e potencialidades de líderes introvertidos em uma indústria de eletrodomésticos: um estudo de caso. UFAM Business Review - UFAMBR, 3(1), 79-98. https://doi.org/10.47357/ufambr.v3i1.8143
Seção
Artigos