O Estado da Arte Sobre a Teoria da Contingência: Um Estudo Bibliométrico Entre o Período de 2015 a 2019

  • Maico Schnell Universidade do Norte do Paraná
  • Pedro Junior de Oliveira Trocz Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE)
Palavras-chave: Engenharia Organizacional

Resumo

O objetivo deste trabalho é mapear as publicações científicas sobre a Teoria da Contingência. Para isso foi realizada uma análise bibliométrica das pesquisas publicadas na Web of Science, entre 2015 e 2019. Os dados foram importados para o software HistCite® para organização dos artigos em referências mais citados, países que mais publicaram, fonte das publicações dos artigos publicados e com maiores impactos. Para isso esses dados foram criadas as tabelas e figuras para representar os indicadores bibliométricos. Os resultados apontaram que foram localizados 326 artigos sendo escritos por 840 pesquisadores com vínculo em 452 instituições, ainda foi possível identificar que os artigos foram publicados em 64 países estando presente em 210 periódicos e os mesmos utilizaram 19.113 referências, bem como 1.072 palavras-chave. Este estudo também permitiu identificar as áreas os 10 mais recentes no ano de 2019. Como conclusões os resultados encontrados retratam o interesse dos pesquisadores em estudar a Teoria da Contingência nos últimos 5 anos em âmbito internacional.

 

Referências

Aguiar, A. B. D., & Frezatti, F. (2007). Sistema de controle gerencial e contextos de processo de estratégia: contribuições da teoria da contingência. Anais.
Albano Soares, Y. M., Nóbrega Cavalcante, P. R., & Dantas dos Santos, Y. (2019). Informações contingências: um estudo sobre a percepção de gestores do setor de óleo e gás no Brasil. Capital Científico, 17(3).
Baker, M., Ali, M., & French, E. (2018). Effectiveness of gender equality initiatives in project-based organizations in Australia. Australian Journal of Management, 0312896218805809.
Beuren, I. M., & Fiorentin, M. (2014). Influência de Fatores Contingenciais nos Atributos do Sistema de Contabilidade Gerencial: um estudo em empresas têxteis do Estado do Rio Grande do Sul. Revista de Ciências da Administração, 16(38), 195-212.
Burns, T., & Stalker, G. M. (1961). The Management of Innovation (London: Tavistock, 1961). BurnsThe Management of Innovation1961.
Čadež, S. (2007). A configuration form of fit in management accounting contingency theory: an empirical investigation.
Camacho, R. R. (2010). Fatores condicionantes da gestão de custos interorganizacionais na cadeia de valor de hospitais privados no Brasil: uma abordagem à luz da Teoria da Contingência (Doctoral dissertation, Universidade de São Paulo).
Chandler, A. D. (1990). Strategy and structure: Chapters in the history of the industrial enterprise (Vol. 120). MIT press.
Chen, S. (2008). DCF techniques and nonfinancial measures in capital budgeting: a contingency approach analysis. Behavioral Research in Accounting, 20(1), 13-29.
Chenhall, R. H. (2003). Management control systems design within its organizational context: findings from contingency-based research and directions for the future. Accounting, organizations and society, 28(2-3), 127-168.
Donaldson, L. (1999). Teoria da contingência estrutural. Handbook de estudos organizacionais, 1, 105-133.
Drazin, R., & Van de Ven, A. H. (1985). Alternative forms of fit in contingency theory. Administrative science quarterly, 514-539.
Espejo, M. M. D. S. B && Frezatti, F. (2008). Perfil dos atributos do sistema orçamentário sob a perspectiva contingencial: uma abordagem multivariada (Doctoral dissertation, Universidade de São Paulo).
Fernández-Robin, C., Celemín-Pedroche, M. S., Santander-Astorga, P., & Alonso-Almeida, M. D. M. (2019). Green Practices in Hospitality: A Contingency Approach. Sustainability, 11(13), 3737.
Fagundes, J. A., Soler, C. C., Lavarda, C. E. F., & Lavarda, R. (2011). Gestão do curso de administração considerando o enfoque da teoria da contingência. Revista de Contabilidade do Mestrado em Ciências Contábeis da UERJ, 14(3), 44-59.
Fagundes, J. A., Petri, M., Lavarda, R. B., Rodrigues, M. R., Lavarda, C. E. F., & Soller, C. C. (2011). Estrutura organizacional e gestão sob a ótica da teoria da contingência. Gestão & Regionalidade, 26(78).
Goh, S. H., & Eldridge, S. (2019). Sales and Operations Planning: The effect of coordination mechanisms on supply chain performance. International Journal of Production Economics, 214, 80-94.
Henri, J. F. (2006). Management control systems and strategy: A resource-based perspective. Accounting, organizations and society, 31(6), 529-558.
Hutaibat, K., & Alhatabat, Z. (2019). Management accounting practices’ adoption in UK universities. Journal of Further and Higher Education, 1-15.
Jiang, L., Bohle, S. L., & Roche, M. (2018). Contingent Reward Transactional Leaders as “Good Parents”: Examining the Mediation Role of Attachment Insecurity and the Moderation Role of Meaningful Work. Journal of Business and Psychology, 1-19.
Junqueira, E. R. (2010). Perfil do sistema de controle gerencial sob a perspectiva da teoria da contingência (Doctoral dissertation, Tese de Doutorado em Ciências Contábeis, Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil).
Josefy, M., Kuban, S., Ireland, R. D., & Hitt, M. A. (2015). All things great and small: Organizational size, boundaries of the firm, and a changing environment. The Academy of Management Annals, 9(1), 715-802.
Hu, X., & Lovrich, N. P. (2019). Social media and the police: A study of organizational characteristics associated with the use of social media. Policing: An International Journal.
Kahar, S. H., Ikbal, M., Jabid, A. W., & Purbaya, A. (2019). Ethical Optimism, Participative Budgeting, and Managerial Performance in Regional Government Work Unit in Indonesia: A Contingency Theory Approach. Calitatea, 20(171), 70-75.
Klein, S. B., Trocz, P. J. O., Toigo, L. A., & Wrubel, F. (2019). Relações entre tipos de sistemas orçamentários e fatores contingenciais no setor industrial. In Anais XIII Congresso Anpcont-SP.São Paulo.
Lorsch, J. W., & Lawrence, P. R. (1967). Organization and environment: Managing differentiation and integration. Boston: Division of Research, Graduate School of Business Administration, Harvard University.
das Neves Machado, R. (2007). Análise cientométrica dos estudos bibliométricos publicados em periódicos da área de biblioteconomia e ciência da informação (1990-2005). Perspectivas em ciência da informação, 12(3), 2-20.
Mainardes, e., Silveira, a., Gomes, g., & Deschamps, m. (2008). Produção científica brasileira em marketing de serviços: análise dos eventos EnANPAD e EMA, 2003-2006. Revista Base (Administração e Contabilidade) da UNISINOS, 5(2), 142-153.
Marques, K. C. M., & Souza, R. P. (2010). Pontos críticos da abordagem da contingência nos estudos da contabilidade gerencial. In Anais do Congresso Brasileiro de Custos-ABC.
Oliveira, D. P. R. (2008). Teoria geral da administração. São Paulo: Atlas.
Oliveira, J. C. (2001). Estudo bibliométrico das publicações de custos em enfermagem no período de 1966 a 2000 [dissertação]. São Paulo: Escola de Enfermagem, Universidade de São Paulo.
Ortas, E., Burritt, R. L., & Christ, K. L. (2019). The influence of macro factors on corporate water management: A multi-country quantile regression approach. Journal of Cleaner Production, 226, 1013-1021.
Otley, D. (2016). The contingency theory of management accounting and control: 1980–2014. Management accounting research, 31, 45-62.
Seles, B. M. R. P., de Sousa Jabbour, A. B. L., Jabbour, C. J. C., Latan, H., & Roubaud, D. (2019). Do Environmental Practices Improve Business Performance Even in an Economic Crisis? Extending the Win-Win Perspective. Ecological Economics, 163, 189-204.
Stoner, J. A., & Freeman, R. E. (1985). Administração. 5ª edição. Rio de Janeiro: Printice-Hall do Brasil.
Tillema, S. (2005). Towards an integrated contingency framework for MAS sophistication: Case studies on the scope of accounting instruments in Dutch power and gas companies. Management Accounting Research, 16(1), 101-129.
Turner, R., & Miterev, M. (2019). The Organizational Design of the Project-Based Organization. Project Management Journal, 8756972819859746.
Vanti, N. A. P. (2002). Da bibliometria à webometria: uma exploração conceitual dos mecanismos utilizados para medir o registro da informação e a difusão do conhecimento. Ciência da informação, 31(2), 152-162.
Woodward, J. (1958). Management and technology (No. 3). HM Stationery Off.
Publicado
2020-06-15
Como Citar
Schnell, M., & Junior de Oliveira Trocz, P. (2020). O Estado da Arte Sobre a Teoria da Contingência: Um Estudo Bibliométrico Entre o Período de 2015 a 2019. UFAM Business Review - UFAMBR, 2(2), 70-86. https://doi.org/10.47357/ufambr.v2i2.7244
Seção
Artigos