A Precarização do Trabalho e a Questão da Governança Pós Revolução da Informação

Palavras-chave: Trabalho, Governança, Revolução da Informação

Resumo

Este estudo discute a questão da sociedade da informação, suas aplicações teóricas no campo da administração, seus desdobramentos para o mundo do trabalho e o acesso à informação dentro de uma concepção de governança. A partir do método dialético, afirmamos que os benefícios apontados pelas premissas desta sociedade refletem negativamente no trabalho, atuando como um elemento de precarização e desvirtuação social do trabalho. Afirmamos que as concepções ideológicas da Revolução da Informação, precarizam o trabalho e responsabilizam o trabalhador, transferindo das organizações o espaço de trabalho, controlando as diferentes fases do trabalho e responsabilizando o trabalhador por seu sucesso ou fracasso.

Referências

Andrade, J. A. & Macêdo, C. W. (2012). Ciência e Tecnologia para o desenvolvimento Regional. Política Pública. São Luís, v.16, p. 67-78. Frigotto, G. (1995). Crise do Capital e Metamorfose conceitual no campo educacional, (Org) Apple, M. W. et al. Pedagogia da exclusão: crítica ao neoliberalismo em educação. Rio de Janeiro: Vozes. Alves, G. (2009). Trabalho e reestruturação produtiva no Brasil neoliberal: Precarização do trabalho e redundância salarial. Kátalysis, p. 188-197.

Bagguley, P. (1991). Post-fordism and enterprise culture: flexibility, autonomy and changes in economic organization (Org): Keat, R.; Abercrombie, N. Enterprise Culture. Routledge: London, 1991. Blaug, M. (2019). Onde estamos agora na economia da educação? 1 (4), 17-28, 1985. Recuperado em 30 de jul. de 2019, de https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/0272775785900342. República Federativa do Brasil. (2014). Lei n. 12.965. Estabelece princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da Internet no Brasil. Recuperado em 30 de julho de 2019, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l12965.htm. Bresser-Pereira, L. C. (1996). Da administração pública burocrática à gerencial. Revista do Serviço Público, 1, (120). Bresser-Pereira, L. C. (1997). Reforma do Estado nos anos 90: lógica e mecanismos de controle. Brasília: MARE, Cadernos MARE, n. 1. Bresser-Pereira, L. C. (1998). Reforma do Estado para a cidadania: a reforma gerencial brasileira na perspectiva internacional. Brasília: ENAP/ Editora 34.

Bresser-Pereira, L. C. (1998b). Gestão do setor público: estratégia e estrutura para um novo Estado. (Org): Bresser-Pereira, L. C. & Spink, P. Reforma do Estado e administração pública gerencial. Rio de Janeiro: FGV. Connell, R. (2007). Teoria do Sul: A dinâmica global do conhecimento em ciências sociais. São Paulo: Allen & Unwin. Costa, M. (1995). A educação em tempos de conservadorismo. Gentili, P. (Org.). Pedagogia da Exclusão. Petrópolis: Vozes.

Du Gay, P. (1991). Enterprise culture and ideology of excelence. New Formations, 13, 45-61.

Drucker, P. (2000). Além da Revolução da Informação. HSM Management, 4 (18), São Paulo. Recuperado em 24 de julho de 2019, de http://www.strategia.com.br/Arquivos/Al%E9m_da_revolu%E7%E3o_da_informa%E7%E3o.pdf. Druck, G; Franco, T. (2007). A perda da razão social do trabalho. São Paulo: Boitempo.

Drucker, P. (2002). A administração na próxima sociedade. São Paulo: Nobel.

Daft, R. L. (2010). Organizações: Teoria e Projetos (2a Ed). São Paulo: Cengage Learning.

Harvey, D. (1992). Condição pós-moderna. São Paulo: Loyola.

Heelas, P. (1991). Reforming the self: enterprise and the characters of thatcherism. Keat, R.; Abercrombie, N. (Orgs). Enterprise Culture. Routledge: London.

Marx, K. (1987). O capital: critica da economia política, 1 (1-2), (2ª Ed). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Morris, P. (1991). Freeing the spirit of enterprise: the genesis and development of the concept of enterprise culture. Keat, R.; Abercrombie, N. (Orgs.). Enterprise Culture. Routledge: London. Duarte, N. (2003). Sociedade do conhecimento ou sociedade das ilusões: polêmicas do nosso tempo. Campinas: Autores Associados.

Quéau, P. (1998). A Revolução da Informação: em busca do bem comum. Ciência da Informação, 2 (27). Recuperado em 30 de julho de 2019, de http://www.scielo.br/pdf/%0D/ci/v27n2/queau.pdf. Saul, R. P. et al. (2004). As raízes renegadas da teoria do capital humano. Sociologias, 12 (6). Recuperado em 30 de julho de 2019, de http://ww.scielo.br/pdf/soc/n12/22262.pdf. Saviani, D. (1996). Política e educação no Brasil: o papel do Congresso Nacional na legislação do ensino. São Paulo: Editores Associados. Turban, E. & Volonino, L. (2013). Tecnologia da Informação para Gestão: Em Busca de um Melhor Desempenho Estratégico e Operacional. São Paulo: Bookman.

Publicado
2020-02-20