Equilíbrio Entre Vida Pessoal e Profissional: Um Estudo Com Docentes Universitários

  • Álvaro Vinícios Almeida de Oliveira UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS - UFAM
  • Matheus Azevedo Amorim UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS - UFAM
  • Matheus Pereira de Souza UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS - UFAM
  • Ana Flávia de Moraes Moraes UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS

Resumo

Um dos maiores desafios que qualquer profissional tem que vivenciar é ter que decidir se seus problemas particulares vêm acima do seu trabalho ou vice-versa. Hoje em dia, graças à gestão de pessoas, é possível perceber que as organizações começaram a se preocupar não somente com seu próprio bem-estar, mas também com o de seus colaboradores. Levando em conta que o docente não somente cuida dos seus interesses e os das empresas, mas também dos alunos, é necessário um estudo sobre a relação desses profissionais com vários aspectos do cotidiano normal e o de dentro da própria instituição em que trabalham. Esse artigo teve tem como principal objetivo analisar os desafios para o equilíbrio entre a vida pessoal e profissional dos docentes atuantes no departamento de Administração da Faculdade de Estudos Sociais da Universidade Federal do Amazonas. Foram realizadas entrevistas com 9 docentes e as respostas obtidas foram analisadas tomando-se como base a análise de conteúdo. Os resultados identificaram a condição oscilante presente do equilíbrio que alterna entre distancias próximas e longínquas do estado balanceado, mas que nunca conseguem atingir um ponto completamente perfeito, assim como os vários desafios e dificuldades encontradas no lado pessoal e no lado profissional que tanto perturbam a balança no dia a dia, e por fim, três fatores essenciais para aproximar este equilíbrio o mais próximo possível do desejado.

Referências

Abbad, G., Loiola, E., Zerbini, T, & Borges-Andrade, J.E. (2013). Aprender em organizações e no trabalho. In L.O. Borges & L. Mourão. O trabalho e as organizações: atuações a partir da Psicologia (497-527). Porto Alegre: Artmed.
Aguiar, C. V. N., Bastos, A. V. B., Jesus, E. S., & Lago, L. N. A. (2014). Um estudo das relações entre conflito trabalho-família, comprometimento organizacional e entrincheiramento organizacional. Revista Psicologia: Organizações e Trabalho, v. 14, n. 3, p. 283-291.
Altoé, S. M. L. (2014). Fatores explicativos do Work-Life balance de contadores à luz da psicologia positiva.
Bastos, A.V., & Aguiar, C. V. N. (2014). Conflito família-trabalho. In M.M. Siqueira (Orgs.), Novas medidas do Comportamento Organizacional (1a ed., Vol. 1, pp. 122-131). Porto Alegre: Artmed.
Barros, A. J., & Lehfeld, N. A. (2007). Fundamentos de metodologia científica. 3. ed. . São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007.
Chang, E., Chin, H., & Ye, J. (2014). Organizational Work-Family Culture and Working Mothers’ Affective Commitment: How Career Expectations Matter. Human Resource Management, v. 53, n. 5, p. 683-700.
Feijó, M. R. (2017). Pensamento sistêmico e complexo aplicado às organizações. In D. C. Campos (Org.). Atuando em psicologia do trabalho, psicologia organizacional e recursos humanos (2a ed., pp. 226-230). Rio de Janeiro: Gen/LTC.
Ferrer, A., & Gagné, L. (2013). Family-friendly benefits?. Journal of Management & Organization, v. 19, n. 06, p. 721-741.
Fiksenbaum, L. M. (2014). Supportive work–family environments: implications for work–family conflict and well-being. The International Journal of Human Resource Management, v. 25, n. 5, p. 653-672.
Garrosa-Hernández, E., Carmona-Cobo, I., Ladstãtter, F., Blanco, L. M., & Cooper-Thomas, H. D. (2013). The relationships between family-work interaction, job-related exhaustion, detachment, and meaning in life: A day-level study of emotional well-being. Rev. Psicol. Trab. Organ. 29(3), 169- 177.
Gil, A. C. (2016). Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas.
Gonçalves, G., Sousa, C., Silva, T., Santos, J., & Korabik, K. (2018). Portuguese Mothers and Fathers Share Similar Levels of Work-Family Guilt According to a Newly Validated Measure. Sex Roles, 78(3-4), 194-207. doi: 10.1007/s11199-017-0782-7.
Guest, D. E. (2015). Perspectives on the study of work-life balance. Social Science information, 41(2), 255-279. doi: 10.1177/0539018402041002005.
Júnior, E. G. et al. (2013). Exigências Familiares e do Trabalho: Um equilíbrio Necessário para a Saúde de Trabalhadores e Organizações. Pensando Famílias, 17(1), 110-122., [S. l.].
La Cruz, S. P. de, & Abellán, M. V. (2015). Desgaste profissional, stress e satisfação no trabalho do pessoal de enfermagem em um hospital universitário. Revista Latino-Americana de Enfermagem [em linea].
Marconi, M. de A., & Lakatos, E. M. (2017). Fundamentos de Metodologia Científica. São Paulo: Atlas.
Melo, C. T. V. de. (2015). Ética, Estética e Política no Vídeo Vida Estelita. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 38., 2015, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: UFRJ.
Minayo, M. C. S. (2013) O desafio do conhecimento: Pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec, 2013.
Moen, P., Fan, W., & Kelly, E. L. (2013). Team-level flexibility, work–home spillover, and health behavior. Social Science & Medicine, v. 84, p. 69-79.
Moser, L., & Dal Prá, K. R. (2016). Os Desafios de Conciliar Trabalho, Família e Cuidados: evidências do "familismo" nas políticas sociais brasileiras. Textos & Contextos, v. 15, n. 2, p. 382-392.
Mourão, L., Monteiro, A. C. F. & Viana, V. R. (2014) A Influência do Desenvolvimento Profissional e da Identificação Organizacional na Satisfação no Trabalho. PSICO, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.
OCDE (2013). Manual de Oslo. Diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação. 3a. ed. OCDE/ Eurostat, Finep.
OCDE (2017). Manual de Frascati. OCDE/F-Iniciativas, 2017.
Oliveira, R. de J., & Cunha, T. (2014). Estresse do profissional de saúde no ambiente de trabalho: causas e consequências. Caderno Saúde e Desenvolvimento | vol.3n.2, [S. l.].
Oliveira, L. B., Cavazotte, F. S. C. N., & Paciello, R. R. (2013). Antecedentes e Consequências dos Conflitos entre Trabalho e Família. RAC - Revista de Administração Contemporânea, v. 17, n. 4, p. 418-437.
Oltramari, A.P., & Grisci, C. L. I. (2014). Carreira e família na sociedade líquida moderna. Revista de Administração Mackenzie, 15(1), 15-48. doi: 10.1590/S1678-69712014000100002.
Pereira, A. M., Queirós, C., Gonçalves, S. P., Carlotto, M. S., & Borges, E. (2014). Burnout e interação trabalho-família em enfermeiros: Estudo exploratório com o Survey Work-Home Interaction Nijmegen (SWING). Revista Portuguesa de Enfermagem de Saúde Mental, 11, 24-30.
PEROVANO, D. G. (2014). Manual de Metodologia Científica. Paraná: Editora Juruá.
Sangwan, A. (2013). Determinants of job satisfaction: a study of insurance sector employees. International Journal of Marketing and Technology, 3(5), 1-19.
UFAM Institucional. (2019). História. Fonte: Universidade Federal do Amazonas: Disponível em: Acesso em: 18 de junho de 2019
Verztman, J. S. (2013). Estudo psicanalítico de casos clínicos múltiplos. In A. M. Nicolaci-da-Costa, & D. R. Romão-Dias (Orgs.). Qualidade faz diferença: métodos qualitativos para a pesquisa em psicologia e áreas afins (pp. 67-92). Rio de Janeiro, RJ: Loyola.
Volkweis, F. (2015). TCC passo a passo: a metodologia. Revisão e tradução. Disponível em: Acesso em: 15 de junho de 2019.
Publicado
2020-06-15
Como Citar
Almeida de Oliveira, Álvaro V., Azevedo Amorim, M., Pereira de Souza, M., & de Moraes Moraes , A. F. (2020). Equilíbrio Entre Vida Pessoal e Profissional: Um Estudo Com Docentes Universitários. UFAM Business Review - UFAMBR, 2(2), 20-33. https://doi.org/10.47357/ufambr.v2i2.6692
Seção
Artigos