“O Boi é Bom para Pensar”: Ensaios sobre a Festa em Perspectivas de Formação em Gênero e Sexualidade

Palavras-chave: Caprichoso, Garantido, Sexualidade e Gênero, Formação de professores/as

Resumo

Entendendo a complexidade expressa no rico simbolismo da festa dos bumbás Garantido e Caprichoso, realizada anualmente na cidade de Parintins, Amazonas, este texto é um ensaio que articula vivência dos autores e a realização do Festival Folclórico, com o intuito de pensar possibilidades do uso da arte para falar de gênero e sexualidade e alcançar docentes. Para tanto, utilizaram-se autores e autores que tratam do tema, em uma perspectiva dialógica. De modo geral, entende-se a potência do maior festival do norte em falar de educação, valendo-se da arte, da antropologia, da história, para elencar possibilidades de compreensão tanto da sexualidade quanto do gênero com ênfase nas múltiplas dimensões histórico-culturais que tangem os conceitos.

Referências

ALTMANN, Helena. Diversidade sexual e educação: desafios para a formação de professores. Sexualidad, Salud y Sociedad - Rev Latinoam [online], Rio de Janeiro, n. 13, p. 69-82, abr. 2013. Disponível em: <http://www.redalyc.org/articulo.oa? id = 293325757003>. Acesso em: 2 jun. 2018.

ANDRADE, Mário de. (1963). “O artista e o artesão”. In: O baile das quatro artes. São Paulo: Martins Fontes.

BRAGA, Sérgio Ivan Gil. (2012). Culturas populares em meio urbano amazônico. In: BRAGA, Sérgio Ivan Gil (org.). Culturas populares em meio urbano. Manaus: EDUA.

________.. O boi é bom para pensar: estrutura e história nos bois-bumbás de Parintins. Somanlu: Revista de Estudos Amazônicos, [S.l.], v. 2, n. 2, p. p. 13-26, maio 2012. ISSN 2316-4123. Disponível em: <http://www.periodicos.ufam.edu.br/somanlu/article/view/257>. Acesso em: 26 jul. 2019. “O Boi é Bom para Pensar”: Ensaios sobre a Festa em Perspectivas de Formação em Gênero e Sexualidade 58

BUTLER, Judith. (2010). Problemas de Gênero: Feminismo e subversão da identidade. Tradução Renato Aguiar. 3. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

CANEN, Ana; XAVIER, Gisele Pereli de Moura. Formação continuada de professores para a diversidade cultural: ênfases, silêncios e perspectivas. Rev. Bras. Educ., Rio de Janeiro, v. 16, n. 48, p. 641-661, dez. 2011. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1590/S1413-24782011000300007>. Acesso em: 26 jun. 2019.

DINIS, Nilson Fernandes. Educação, relações de gênero e diversidade sexual. Educ. Soc., Campinas, v. 29, n. 103, p. 477-492, ago. 2008. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1590/S0101-73302008000200009>. Acesso em: 26 jan. 2019.

FURLANI, Jimena. (2003). Educação sexual: possibilidades didáticas. In: LOURO, Guacira Lopes, FELIPE, Jane, GOELLNER, Silvana Vilodre. Corpo, gênero e sexualidade: um debate contemporâneo na educação. 9 ed. Rio de Janeiro: Vozes.

GOMBRICH, Ernst Hans. (2013). A história da arte. Rio de Janeiro: LTC, 2013.

LOURO, Guacira Lopes. (2000). Pedagogias da Sexualidade. In: LOURO, Guacira Lopes. O corpo educado: pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

________. (2017). Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. 16 ed. Petrópolis: Vozes.

NAKANOME, Ericky da Silva; SILVA, Adan Renê Pereira da. Um olhar sobre o feminino: o que ensina a cunhã-poranga do boi Caprichoso? Amazônica: Revista de Psicopedagogia, Psicologia Escolar e Educação, Humaitá, v. XXII, n. 2, p. 187-206, jul./dez. 2018. Disponível em: http://www.periodicos.ufam.edu.br/amazonica/article/view/5127. Acesso em: 15 mar. 2019.

SANCHES, Cleber. (2012). A cultura popular no Brasil. Manaus: Valer.

SARTRE, Jean-Paul. (2018). Que é a literatura? São Paulo: Ática.

SILVA, Adan Renê Pereira da. (2014). A construção identitária dos cirandeiros do Festival de Cirandas de Manacapuru. 2014. 128f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Faculdade de Psicologia da Universidade Federal do Amazonas, Manaus.

________. Por uma escola para todos e todas: ensaios sobre gênero, sexualidade e diversidade sexual em uma perspectiva inclusiva. RECH – Revista Ensino de Ciências e Humanidades – Cidadania, Diversidade e Bem-Estar, Humaitá, v. IV, n. 1, jan-jun. 2019. Disponível em: www.periodicos.ufam.edu.br/rech/article/view/5814/4535. Acesso em: 17 jul. 2019.

SILVA, Adan Renê Pereira da; CASTRO, Ewerton Helder Bentes de. (2018). A construção identitária dos cirandeiros do Festival de Cirandas de Manacapuru. São Paulo: Dialogar. “O Boi é Bom para Pensar”: Ensaios sobre a Festa em Perspectivas de Formação em Gênero e Sexualidade 59

SILVA, Adan Renê Pereira da; NEVES, André Luiz Machado das; MASCARENHAS, Suely Aparecida do Nascimento. Aproximações históricas entre gênero, diversidade sexual e escola. REVISTA UNINGÁ REVIEW, [S.l.], v. 33, n. 3, p. 10-28, jul. 2019. ISSN 2178-2571. Disponível em: <http://revista.uninga.br/index.php/uningareviews/article/view/2317>. Acesso em: 26 jul. 2019.

SILVA, José Maria da. (2012). Arte e performance no Festival de Parintins. In: BRAGA, Sérgio Ivan Gil (org.). Culturas populares em meio urbano. Manaus: EDUA.

Publicado
2020-02-20