INTEGRANDO APPS NAS AULAS DE MUSICALIZAÇÃO INFANTIL DA ESCOLA DE ARTES - UFAM

  • Dulciane Moreira Universidade Federal do Amazonas
  • Regina Freitas Universidade Federal do Amazonas
  • Fernanda Lopes Universidade do Estado do Amazonas
  • Jackson Colares da Silva Universidade Federal do Amazonas
Palavras-chave: Apps, TICs, Educação Musical, Muzicalização

Resumo

O uso das TICs no mundo contemporâneo está presente em todos os setores da sociedade e em todos níveis de formação formal, não-formal e informal. No contexto da educação musical, as TICs têm permitido implementar diferentes ambientes de formação musical e podem estar presentes desde a educação infantil, no ensino superior e até nos estudos avançados de teoria e performance musical. Nossa pesquisa, fez um levantamento dos Apps que estão presentes no cotidiano dos alunos da Escola de Artes da UFAM, o que nos permitiu elaborar uma tabela e separá-los por categorias. O trabalho leva em consideração a expansão do uso de dispositivos móveis, sua integração no ambiente educacional e a oferta de Apps para a educação musical infantil, considerando que essas tecnologias permitem que os alunos vivenciem e construam seus próprios conhecimentos, levando em conta as estratégias de interação que o professor desenvolve com os diferentes aplicativos.

Biografia do Autor

Dulciane Moreira, Universidade Federal do Amazonas

Licenciada em Música pela Universidade Federal do Amazonas - UFAM (2019). Membro do Grupo de Pesquisa em Tecnologia Educacional – GPTE. Membro do Grupo de Pesquisa em Educação a Distância - GPEaD. Associada à Associação Brasileira de Educação Musical – ABEM. Desenvolveu trabalhos de musicalização infantil na Escola de Artes da UFAM (2017-2018).

Regina Freitas, Universidade Federal do Amazonas

Licenciada em Música pela Universidade Federal do Amazonas - UFAM (2019). Membro do Grupo de Pesquisa em Tecnologia Educacional – GPTE. Membro do Grupo de Pesquisa em Educação a Distância - GPEaD. Associada à Associação Brasileira de Educação Musical – ABEM. Desenvolveu trabalhos de musicalização infantil na Escola de Artes da UFAM (2017-2018).

Fernanda Lopes, Universidade do Estado do Amazonas

Licenciada em Música pela Universidade Federal do Amazonas - UFAM (2018). Membro do Grupo de Pesquisa em Tecnologia Educacional – GPTE. Membro do Grupo de Pesquisa em Educação a Distância - GPEaD. Associada à Associação Brasileira de Educação Musical – ABEM. Desenvolveu trabalhos de musicalização infantil com a Flauta Doce no Programa Institucional de Extensão na Escola de Artes da UFAM (2016-2018). Desenvolve atividades de música como Educadora Social na Legião da Boa Vontade - LBV/Am. Discente do Curso de Especialização em Ensino de Artes da Universidade do Estado Amazonas (2019). Mestranda do Curso de Tecnologia Educacional da Universidade das Ilhas Baleares - UIB (2020).

Jackson Colares da Silva, Universidade Federal do Amazonas

Graduado em Educação Artística/Habilitação em Música - UFAM (1992), Especialista em Arte Multimídia - UFAM (1997) , Especialista em Desenvolvimento de Recursos Didáticos Interativos. Mestre em Tecnologia Educacional pela Universitat de Les Illes Balears - UIB/Espanha (2000). Doutor em Tecnologia Educacional - Universitat de Les Illes Balears - UIB/Espanha (2006). Pós Doutor em Tecnologia Educacional - Universitat de Les Illes Balears - UIB/Espanha (2018) Lider dos Grupos de Pesquisa em Tecnologia Educacional e Educação a Distância da UFAM desde 2002. Professor efetivo da Faculdade de Artes da Universidade Federal do Amazonas. Desenvolve pesquisas na área de Arte Educação, Educação Musical, Tecnologia Educacional, Desenvolvimento de Recursos Didáticos Interativos. Atua principalmente nos seguintes temas: amazonas, educação, comunicação, designer, multimídia e meio ambiente.

 

Publicado
2020-05-14
Como Citar
Moreira, D., Freitas, R., Lopes, F., & Colares da Silva, J. (2020). INTEGRANDO APPS NAS AULAS DE MUSICALIZAÇÃO INFANTIL DA ESCOLA DE ARTES - UFAM. AEC&D - Arte, Educação, Comunicação & Design, 1(1), 1-10. Recuperado de //periodicos.ufam.edu.br/index.php/dcae/article/view/7478