A SOMBRA NAS OBRAS LITERÁRIAS DE JUN’ICHIRŌ TANIZAKI

  • Rafaella Denise Lobo Pastana Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)
Palavras-chave: Beleza. Japão. Sombra. Yin. Jun'ichirō Tanizaki

Resumo

No ensaio intitulado In'ei Raisan (Em louvor da sombra), escrito em 1933, Jun’ichirō Tanizaki discorre sobre a arquitetura; a arte; o tom de pele; o vestuário; a comida e vários outros elementos japoneses em contraste ao estilo ocidental. Refletindo sobre a estética japonesa, o autor sugere uma predileção dos orientais pela penumbra; mistério e sombra, se comparados aos ocidentais, que, por sua vez, optariam mais pela claridade; luz e exposição. Dessa forma, intenciona-se, no presente estudo, explorar a sombra presente no ensaio de Tanizaki, a partir do conceito de yin, existente na filosofia taoísta, que, ao lado do budismo e do confucionismo, teve grande influência na cultura japonesa e também o arquétipo de sombra vinculado à teoria junguiana, que dialoga com as influências do tao no pensamento ocidental. Procura-se também observar brevemente a disposição das sombras em algumas obras literárias publicadas por Tanizaki.

Biografia do Autor

Rafaella Denise Lobo Pastana, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

Possui bacharelado e licenciatura em Letras (portuguêsjaponês) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Grau de especialista pelo programa de Pós-graduação em Estudos Japoneses da UFRJ. Mestre em Letras pelo Programa de Pós-graduação em Língua, Literatura e Cultura Japonesa da FFLCH na Universidade de São Paulo (USP).

Referências

CISNE negro. Direção de Darren Aronofsky. Califórnia: Phoenix Pictures, 2010. 1DVD (107 min).
CLARKE, John. J. Jung and Eastern Thought: A dialogue with the Orient. Londres e Nova York: Routledge, 1994.
GRINBERG, Luiz P. Jung: O Homem Criativo. São Paulo: FTD, 1997.
HESSE, Herman. Demian. Tradução: Ivo Barroso. Rio de Janeiro: Record, 2012.
HOBSBAWM, Eric J. A Era do Capital. Tradução: Luciano Costa Neto. 15. Ed. São Paulo: Paz e Terra, 2012, p. 390.
JUNG, Carl. G. Arquétipos do Inconsciente Coletivo. Tradução: Maria Luiza Appy. Petrópolis: Vozes, 2008, p.31.
JUNG, Carl. G. O Eu e o Inconsciente. Tradução: Dora Ferreira da Silva. (O. C. Vol. VII/2). 5 ed. Petrópolis: Vozes, 1985, p. 134.
JUNG, Carl. G. Psicologia do Inconsciente. Tradução: Maria Luiza Appy. Petrópolis: Vozes, 2007, p.58.
KAUPATEZ, Diogo Zenha e CORDARO, Madalena Natsuko Hashimoto. Coragem para seguir viagem quando a noite vem: Uma Análise de Shisei. São Paulo: Estudos Japoneses, v.26, 2005, p.27.
KEENE, Donald. Dawn to the West: a history of Japanese literature. Nova York: Columbia University Press, 1998.
MAGNIER, Mark. Japan is flush with obsession. Los Angeles Times. Los Angeles. 13 dez. 1999. Disponível em: Acesso em: 13 fev. 2019.
MANSFIELD, Stephen. Darkness aside, beauty exists in Tanizaki’s shadows. The Japan Times. Tóquio. 17 fev. 2018. Disponível em: Acesso em: 18 fev. 2018.
MATSUI, Akira; KANEHARA, Masaaki; KANEHARA, Masako. Paleoparasitology in Japan – Discovery of toilet features. Memórias do Instituto Oswaldo Cruz. Rio de Janeiro: Memórias do Instituto Oswaldo Cruz. v. 98, n. 1, 2003, p. 127–136.
MIYAHIRA, Simone. Psicologia analítica e zen budismo. Monografia (bacharel em psicologia). Dpsi– UFSCar, São Carlos, 2005.
NIETZSCHE, Friedrich. Além do bem e do mal. Tradução: Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.
PIETZCKER, Eva. Japanese Paper – washi. 2004. Disponível em: Acesso em: 13 fev. 2018.
PINHEIRO, Carlos E. B. “Da literatura ao teatro: A eterna luta entre o bem e o mal nas Figuras do Dr. Jekyll e de Mr. Hyde”. In: Anais: XI Congresso Internacional da ABRALIC: Tessituras, Interações, Convergências. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2008, p. 1.
ROCHA, Patrícia. A influência do taoísmo na formação de conceitos junguianos: self, energia psíquica e o processo de individuação. Monografia (pós-graduação em psicologia junguiana). UNESA, Rio de Janeiro, 2016.
SACRAMENTO, Mercia H. Higiene e representação social: o sujo e o limpo na percepção de futuros professores de Ciências. Tese (doutorado em educação). PPGEduc – UnB, Brasília, 2009, p. 48– 64.
SOMBART, Werner. Amor, luxo e capitalismo. Tradução: Adília Maria Agostinho Batista. Venda Nova: Bertrand Editora, 1990, p. 63–65.
SORTE JUNIOR, Waldemiro F. Uma análise de valores estéticos japoneses do Período Heian: Miyabi e mono no aware. In: Estudos Japoneses. São Paulo, Número 40/2018. p. 81–100. Disponível em: . Acesso em: 19. set. 2019.
STEVENSON, Robert L. O estranho caso do Doutor Jekyll e do Senhor Hyde. Tradução: Fabio Cyrino. São Paulo: Landmark, 2008.
SÜSKIND, Patrick. O Perfume. Tradução: Flávio R. Kothe. Rio de Janeiro: Record/ Altaya. 1985, p. 5.
TANIZAKI, Jun’ichirō. A chave. Tradução: Jefferson José Teixeira. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.
TANIZAKI, Jun’ichirō. Amor insensato. Tradução: Jefferson José Teixeira. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.
TANIZAKI, Jun’ichirō. As irmãs Makioka. Tradução: Eliza Atsuko Tashiro, Kanami Hirai, Leiko Gotoda e Neide Hissae Nagae. São Paulo: Estação Liberdade, 2005.
TANIZAKI, Jun’ichirō. Em louvor da sombra. Tradução: Leiko Gotoda. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.
TANIZAKI, Jun’ichirō. O diário de um velho louco. Tradução: Leiko Gotoda. São Paulo: Estação Liberdade, 2002.
TANIZAKI, Jun’ichirō. Shisei. Tanizaki Jun’ichirō shū. Tóquio: Nihon Bunka Zenshū, 1910.
WILDE, Oscar. O retrato de Dorian Gray. Tradução: Paulo Schiller. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.
WILHELM, Richard. I ching: o livro das mutações. Tradução: Alayde Mutzenbecher e Gustavo Alberto Corrêa Pinto. São Paulo: Pensamento, 2006.
Publicado
2019-11-22