Superando falsas dicotomias sobre a ciência e seu ensino por meio de uma síntese materialista, histórica e dialética

Palavras-chave: teoria do conhecimento, materialismo histórico-dialético, empirismo, filosofia da ciência, pedagogia histórico-crítica

Resumo

Este artigo tem como objetivo examinar perspectivas pedagógicas e epistemológicas hegemônicas na formação de professores de ciências por meio do materialismo histórico-dialético. O texto apresenta uma análise de princípios e teorias, nos âmbitos epistemológico e pedagógico, que fundamentam tendências tomadas como críticas, além de argumentos e propostas de diversos intelectuais marxistas, representando um esforço de síntese dialética que nega as conclusões e os raciocínios falsos de teorias anteriores, sem desprezar seu núcleo válido. Defendemos, então, quatro teses ao longo do texto: 1) “O ‘aprender a aprender’ não supera o empirismo”, mostrando como o construtivismo, o professor reflexivo e as pedagogias multiculturais não escapam às concepções empiristas que tão veementemente criticam; 2) “O conhecimento requer a educação dos sentidos”, defendendo que o materialismo histórico-dialético supera a falsa dicotomia entre os raciocínios indutivo e dedutivo; 3) “Não há dicotomia entre neutralidade e objetividade”, como propõem as perspectivas positivistas e multiculturais, sendo possível defender a objetividade dissociada da neutralidade; e 4) “Os conteúdos científicos justificam a necessidade da educação escolar”, considerando que a ciência é uma forma mais desenvolvida de explicar a realidade e a escola é a instituição mais adequada para transmitir tais conteúdos.

Referências

ANJOS, R. E.; DUARTE, N. A adolescência inicial: comunicação íntima pessoal, atividade de estudo e formação de conceitos. In: MARTINS, L. M.; ABRANTES, A. A.; FACCI, M. G. D. (Org.). Periodização histórico-cultural do desenvolvimento psíquico: do nascimento à velhice. Campinas: Autores Associados, 2017. P. 195-219.

CARVALHO, J. S. F. Construtivismo: uma pedagogia esquecida da escola. Porto Alegre: Artmed, 2001. 132 p.

CHALMERS, A. F. O que é ciência, afinal? Tradução de Raul Fiker. São Paulo: Brasiliense, 1993. 225 p.

DUARTE, N. Vigotski e o “aprender a aprender”: crítica às apropriações neoliberais e pós-modernas da teoria vigotskiana. 4. ed. Campinas: Autores Associados, 2006. 297 p. (Coleção educação contemporânea).

GRAMSCI, A. Os intelectuais e a organização da cultura. Tradução de Carlos Nelson Coutinho. 4. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1982. 244 p. (Perspectivas do homem, Série filosofia, v. 48).

HODSON, D. Nature of science in the science curriculum: origin, development, implications and shifting emphases. In: MATTHEWS, M. R. (Ed.). International handbook of research in history, philosophy and science teaching. Springer: Dordrecht, 2014. p. 911-970.

KONDER, L. O que é dialética. 6. reimpr. da 28. ed. de 1998. São Paulo: Brasiliense, 2008. 87 p. (Coleção primeiros passos, v. 23).

KOPNIN, P. V. A dialética como lógica e teoria do conhecimento. Tradução de Paulo Bezerra. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978. 354 p. (Perspectivas do homem, v. 123).

LEMKE, J. L. Talking science: language, learning, and values. Norwood: Ablex, 1990. 261 p.

LÉNINE, V. I. Materialismo e empiriocriticismo: novas críticas sobre uma filosofia reaccionária. Tradução de Maria Paula Duarte. 2. ed. Lisboa: Estampa, 1975. 350 p. (Colecção teoria, n. 5).

LEONTIEV, A. N. O desenvolvimento do psiquismo. Tradução de Manuel Dias Duarte. Lisboa: Horizonte, 1978. 350 p. (Horizonte universitário, v. 14).

LUKÁCS, G. Introdução a uma estética marxista: sobre a categoria da particularidade. Tradução de Carlos Nelson Coutinho e Leandro Konder. 2. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978. 298 p. (Perspectivas do homem, Série estética v. 33).

LUKÁCS, G. Para uma ontologia do ser social I. Tradução de Carlos Nelson Coutinho, Mario Duayer e Nélio Schneider. São Paulo: Boitempo, 2012. 438 p.

MARSIGLIA, A. C. G.; MARTINS, L. M. Contribuições da pedagogia histórico-crítica para a formação de professores. Germinal: Marxismo e Educação em Debate, Salvador, v. 5, n. 2, p. 97-105, 2013.

MARTINS, L.; MARSIGLIA, A. C. Contribuições para a sistematização da prática pedagógica na educação infantil. Cadernos de Formação RBCE, Porto Alegre, v. 6, n. 1, p. 15-26, 2015.

MARX, K. Manuscritos econômico-filosóficos e outros textos escolhidos. Seleção de textos de José Arthur Giannotti; tradução de José Carlos Bruni, José Arthur Giannotti e Edgard Malagodi. 4. ed. São Paulo: Nova Cultural, 1987. 215 p. (Os pensadores, v. 35).

MARX, K. Contribuição à crítica da economia política. Introdução e tradução, a partir de versões em inglês, francês e espanhol, de Florestan Fernandes. 3 reimpr. da 2. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2013. 288 p.

MARX, K.; ENGELS, F. A sagrada família: ou crítica da Crítica crítica contra Bruno Bauer e consortes. Tradução de Fiama Hasse Pais Brandão, João Paulo Casquilho e José Bettencourt. Lisboa/São Paulo: Presença/Martins Fontes, 1974. 328 p. (Colecção síntese, v. 17).

MARX, K.; ENGELS, F. A ideologia alemã. Revisão de Miguel Cavalcanti Yoshida e Geraldo Martins de Azevedo Filho. São Paulo: Expressão Popular, 2009. 128 p.

MATTHEWS, M. R. Science teaching: the role of history and philosophy of science. New York: Routledge, 1994. 287 p.

MORI, R. C. A necessária superação das pedagogias do “aprender a aprender”: em foco o construtivismo no ensino de ciências. Educação Química en Punto de Vista, Foz do Iguaçu, v. 1, n. 2, p. 170-184, 2017.

REIS, J. C.; GUERRA, A.; BRAGA, M. Ciência e arte: relações improváveis? História, Ciências, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 13 (suplemento), p. 71-87, 2006.

SANTOS, J. V. A. Conhecimento em uma abordagem ontológica na pesquisa em ensino de Ciências. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS, 11., 2017, Florianópolis. Anais [...]. Florianópolis: Abrapec, 2017. p. 1-9. Disponível em: http://www.abrapecnet.org.br/enpec/xi-enpec/anais/resumos/R2346-1.pdf. Acesso em: 27 mar. 2021.

SASSERON, L. H.; CARVALHO, A. M. P. Alfabetização científica: uma revisão bibliográfica. Investigações em Ensino de Ciências, Porto Alegre, v. 16, n. 1, p. 59-77, 2011.

SAVIANI, D. Escola e democracia. 27. ed. Campinas: Autores Associados, 1993. 101 p. (Coleção polêmicas do nosso tempo).

SAVIANI, D. Trabalho e educação: fundamentos ontológicos e históricos. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 12, n. 34, p. 152-165, 2007.

SAVIANI, D. Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. 10. ed. rev. e ampl. Campinas: Autores Associados, 2008. 160 p.

SAVIANI, D. Marxismo, educação e pedagogia. In: SAVIANI, D.; DUARTE, N. (Org.). Pedagogia histórico-crítica e luta de classes na educação escolar. Campinas: Autores Associados, 2012. p. 59-85. (Coleção polêmicas do nosso tempo).

SAVIANI, D. História das ideias pedagógicas no Brasil. 4. ed. Campinas: Autores Associados, 2013. 472 p. (Coleção memória da educação).

SEPULVEDA, C.; EL-HANI, C. N. Quando visões de mundo se encontram: religião e ciência na trajetória de formação de alunos protestantes de uma licenciatura em Ciências Biológicas. Investigações em Ensino de Ciências, Porto Alegre, v. 9, n. 2, p. 137-175, 2004.

VIGOTSKI, L. S. A construção do pensamento e da linguagem. Tradução de Paulo Bezerra. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2009. 496 p.

VILLANI, A.; DIAS, V. S.; VALADARES, J. M. The development of science education research in brazil and contributions from the history and philosophy of science. International Journal of Science Education, London, v. 32, n. 7, p. 907-937, 2010.

Publicado
2021-06-03
Como Citar
MORI, R. C.; MASSI, L. Superando falsas dicotomias sobre a ciência e seu ensino por meio de uma síntese materialista, histórica e dialética. Caderno Amazonense de Pesquisa em Ensino de Ciencias e Matemática, v. 1, n. 1, p. e202104, 3 jun. 2021.
Seção
Fluxo Contínuo