Projeto Pensar, ação investigativa de extensão: relato de experiência

Autores

  • Yana Barbara da Silva Teixeira Universidade Federal do Amazonas
  • Aline Samara Lima de Jesus Universidade Federal do Amazonas
  • Jullia Negreiros Moraes Universidade Federal do Amazonas
  • Ettore Paredes Antunes Universidade Federal do Amazonas

DOI:

https://doi.org/10.52894/CECi.2763-6623.v1.n1.e202108

Palavras-chave:

Investigação, Experimentação, Metodologia ativa, Autonomia, Ensino de Ciências

Resumo

O Projeto Pensar é uma Ação de Extensão que buscou colocar alunos do 1º ano do Ensino Médio como protagonistas na execução de atividades experimentais investigativas. A metodologia investigativa é uma proposta em que os alunos são desafiados a resolver problemas científicos, com finalidade educativa; para isso, os estudantes devem construir hipóteses e testá-las experimentalmente. Os aspectos mais importantes, são as várias etapas de discussões: o aluno, tanto individualmente como em grupo, deverá defender sua hipótese ou decidir em grupo quais caminhos metodológicos tomar e quais os resultados mais adequados. Assim, foram realizados dois encontros, 5 atividades experimentais e as respectivas discussões em uma escola pública, valorizando as ideias dos alunos, incentivando a autonomia e colocando o “erro” e a discussão com os pares no centro da atividade científica. Almejou-se e observou-se não apenas uma aprendizagem dos conteúdos científicos, mas também uma ressignificação das concepções sobre o trabalho científico, tornando evidente que a principal ação de qualquer cientista é Pensar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BARROW, L. H. Uma breve história da investigação: De Dewey aos padrões. Journal of Science Teacher Education, v. 17, n. 3, pág. 265-278, 2006. https://doi.org/10.1007/s10972-006-9008-5

BRASIL, Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. MEC, 2017. Disponível em:

<http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/historico/BNCC_EnsinoMedio_embaixa_site_110518.pdf>. Acesso em: 20/09/2022.

BRITO, L. O. de; FIREMAN, E. C. Ensino de ciências por investigação: uma proposta didática “para além” de conteúdos conceituais. Experiências em Ensino de Ciências, v. 13, n. 5, p. 462-479, 2018.

BYBEE, R.; MINSTRELL, J.; VAN ZEE, E. H. Inquiring into inquiry learning and teaching in science. American Association for the Advancement of Science: Washington, DC, p. 20, 2000.

CARVALHO, A. M. P. de. O ensino de ciências e a proposição de sequências de ensino investigativas. In: OLIVEIRA, C. M. A. de; et al. Ensino de Ciências por investigação:

Condições para implementação em sala de aula. Brasil: Cengage Learning, 2014. cap. 1, p. 1-21.

GIL-PÉREZ, D.; VALDÉS CASTRO, P. La orientación de las prácticas de laboratorio con investigación: Um ejemplo ilustrativo. Enseñanza de Las Ciências, v. 14, n. 2, p.

-163, 1996.

GONÇALVES, R. P. N.; GOI, M. E. J. Metodologia de experimentação como estratégia potencializadora para o ensino de química. Comunicação Piracicaba, [S. l.], v. 27, n. 1, p. 219-247, jan. - abr. 2020.

GONZALES, E.M. Que Hay de Renovar en Los Trabajos Prácticos? Ensenãnza de La Ciências, v. 10, n. 2, p. 206-211, 1992.

HODSON, D. Hacia um Enfoque más critico del Trabajo de laboratório. Enseñanza de Las Ciências, v. 12, n. 3, p. 299-313, 1994.

KASSEBOEHMER, A. C.; HARTWIG, D. R. e FERREIRA, L. H. Contém Química 2:

pensar, fazer e aprender pelo método investigativo. São Carlos: Pedro & João Editores, 2015.

MACHADO, V. F.; SASSERON, L. H. As perguntas em aulas investigativas de ciências: a construção teórica de categorias. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, v. 12, n. 2, p. 29-44, 2012.

SILVA, M. S. B.; SILVA, D. M.; KASSEBOEHMER, A. C. Atividade investigativa

teórico-prática de Química para estimular práticas científicas. Química Nova na Escola, São Paulo, v. 41, n. 4, p. 360-368, nov. 2019.

SUART, R. de C.; MARCONDES, M. E. R. A manifestação de habilidades cognitivas em atividades experimentais investigativas no ensino médio de química. Ciências & Cognição, v. 14, n. 1, p. pp.50-74, 29 mar. 2009.

STRIEDER, R. B.; WATANABE, G. Atividades Investigativas na Educação Científica: Dimensões e Perspectivas em Diálogos com o ENCI. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, [S. l.], v. 18, n. 3, p. 819–849, 2018. DOI:

28976/1984-2686rbpec2018183819. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/rbpec/article/view/4737. Acesso em: 17 mar. 2021.

WATSON, R.; PRIETO, T.; DILLION, J.S. The Effect of Practical Work on Students Understanding of Combustion. J. Res. Sci. Teach., v. 32, n. 5, p. 487-502, 1995.

ZÔMPERO, A. F.; LABURÚ, C. E. Atividades investigativas no ensino de ciências: Aspectos históricos e diferentes abordagens. Revista Ensaio, Belo Horizonte, v. 13, n. 3, p. 67-80, 2011.

Downloads

Publicado

2023-05-22

Como Citar

DA SILVA TEIXEIRA, Y. B.; LIMA DE JESUS, A. S.; NEGREIROS MORAES , J.; PAREDES ANTUNES, E. Projeto Pensar, ação investigativa de extensão: relato de experiência. Caderno Amazonense de Pesquisa em Ensino de Ciencias e Matemática, [S. l.], v. 1, n. 1, p. e202108, 2023. DOI: 10.52894/CECi.2763-6623.v1.n1.e202108. Disponível em: //periodicos.ufam.edu.br/index.php/ceci/article/view/12373. Acesso em: 30 maio. 2024.

Edição

Seção

Fluxo Contínuo