A INTERMODALIDADE NA LEITURA DE JOGOS NÃO DIDÁTICOS EM LÍNGUA JAPONESA

UM ESTUDO EXPLORATÓRIO

  • valdeilton lopes de oliveira Universidade de Brasília
Palavras-chave: Games, Kanji, Multimodalidade

Resumo

Uma das maiores questões ao pesquisar o uso de jogos eletrônicos, não didáticos, como propiciadores de algum tipo de aquisição de línguas estrangeiras é a constante indagação: será que os jogadores conseguem ler os dizeres durante as partidas do jogo? Por se tratar de uma mídia multimodal (KRESS, 2009), jogos não são apenas texto estático e sua compreensão não depende somente da decodificação do modo escrito. Diferentes modos interagem e criam um ambiente de imersão (CSIKSZENTMIHALYI, 2014; SALEN; ZIMMERMAN, 2003) que até pode ser interpretado como um uso autêntico e contextualizado da linguagem (GILMORE, 2007; NEWCOMBE; BRICK, 2017), contudo pouco se sabe sobre a eficácia desse tipo de mídia para o treino da leitura, especialmente do japonês e seu complexo sistema de escrita (OLIVEIRA, 2019). Questões como: “será que meu aluno consegue ler isso? ”; “não é muito difícil para ele? ”; “Essas imagens não atrapalham? ” foram norteadoras para questionar até que ponto o ambiente contextualizado da linguagem dos jogos eletrônicos (NEWCOMBE; BRICK, 2017) pode propiciar alguma aquisição da escrita do idioma japonês (BASSETTI, 2019). Para analisar tais indagações 19 participantes informaram sobre seus hábitos de leitura em língua japonesa. Em seguida, 3 destes participantes, de diferentes níveis de proficiência, jogaram os jogos: Osu! Tatakae! Ouendan! e Kukkingu Mama em uma sessão de jogo. Os relatos foram registrados e permitiram inferir que o nível de conhecimento na língua influencia a compreensão do modo escrito. Contudo, o ambiente multimodal aparenta ser benéfico para estimular os jogadores aprendizes mesmo entre os níveis iniciantes.

Referências

ALCÂNTRA, A. Análise dos recursos visuais do livro didático de japonês Marugoto. 2018. 35 f. Monografia (Graduação em Letras) - Graduação em Língua e Literatura Japonesa, Universidade de Brasília, Brasília-DF, 2018.

BASSETTI, B. Learning second language writing systems. Disponível em: /www.llas.ac.uk/resources/gpg/2662>. Acesso em jul. de 2019.

BRUNETTI, C.; VILELLA, S. O papel do quadro comum europeu de referência para idiomas: aprendizagem, ensino e avaliação (qcer! na internacionalização das IES: uma análise sob a perspectiva do letramento crítico e dos multiletramentos. Trabalhos em linguística aplicada, v. 57 , n. 2, pp. 1164-1188, 2018.

CÓRDOVA, D. A pesquisa científica. In: GERHARDT, T. SILVEIRA, D. Métodos de pesquisa. Rio Grande do Sul: UFRGS. 2009, p. 31-42.

CSIKSZENTMIHALYI, M. Flow and foundations of positive psychology: The collected works of Mihaly Csikszentmihalyi. New York: Springer, 2014.

DEHAAN, J.; REED, M.; KUWADA, K. The effect of interactivity with a music video game on second language vocabulary recall. Language Learning & Technology, v. 14, n. 2, 74-94, 2010.

FONSECA, J. Metodologia da pesquisa científica. UECE, Fortaleza - CE, 2002.

FRANCISCO, J. Videogames e ensino de japonês: aplicabilidade e possibilidades de uso para o desenvolvimento de estratégias de leitura. 2016. 91 f. Monografia (Graduação em Letras) - Graduação em Língua e Literatura Japonesa, Universidade de Brasília, Brasília-DF, 2016.

GEE, J. What video games have to teach us about learning and literacy. New York: Macmillan, 2003.

GILMORE, A. Authentic materials and authenticity in foreign language learning. Lang. Teach, n. 40, p. 97-118, 2007.

HOWLAND, G. Game design: the essence of computer games. Disponível em:

< http://facweb.cs.depaul.edu/andre/gam244/Lecture3/Lecture3.ppt>. Acesso em: 04 jan. 2020.

KENSKI, V. Tecnologias e tempo docente. São Paulo: Editora Papirus, 2013.

KIJIMA, H.; SHIBAHARA, T.; HATTA, N. Marugoto. Tokyo: Sanshusha, 2014.

KRESS, G. Multimodality. Pedagogies, an International journal, v. 4 n.3, p. 164-195, 2009.

LEFFA, V.; BOHN, H.; DAMASCENO, V.; MARZARI, G. Quando jogar é aprender: o videogame na sala de aula. Rev. Est. Ling., v. 20, n. 1, p. 209-230. 2012.

MILLS, K.; UNSWORTH, L. Multimodal literacy. Oxford research encyclopedia, Education. Resumos... Oxford University, 2018. p. 1-32.

MINAYO, M.; DESLANDES, S.; NETO, O.; GOMES, R. Pesquisa social: Teoria, método e criatividade. Petrópolis - RJ: Editora Vozes, 2002.

NEWCOMBE, J.; BRICK, B. Blending video games into language learning. International Journal of Computer-Assisted Language Learning and Teaching, v. 4, p. 75-89, 2017.

NEWMAN, J. Videogames. Nova York e Londres: Routledge, 2004.

OLIVEIRA, V. A aplicação do jogo jukugeemu: é possível aprender vocabulário e ideogramas de língua japonesa jogando?. 182 f. Dissertação (Mestrado em Letras) - Programa de Pós Graduação em Linguística Aplicada, Universidade de Brasília, Brasília-DF, 2019.

SALEN, K.; ZIMMERMAN, E. Rules of play: Game design fundamentals. Massachusetts. Mit Press, 2003.

SWEETLAND CENTER FOR WRITING. Supporting Multimodal Literacy. Disponível em: <https://lsa.umich.edu/sweetland/instructors/teaching-resources/supporting-multimodal-literacy.html>. Acesso em: 04 fev. 2020.

VIDAL, C. Multimodalidade e traduções funcionais para investivar a aquisição de segunda língua em gamers. Dissertação (Mestrado em Tradução) Programa de Pós-Graduação em Estudos da Tradução, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2011.

WALSH, M. (2015). Reading visual and multimodal texts: how is "reading" different?. Disponível em: <https://pdfs.semanticscholar.org/f9aa/e98fbd67bb2a9ddaa43ed2415e8f689fd7c9.pdf 2020>. Acesso em: 13 jan. 2020

WOLF, M. J. Assessing interactivity in videogame design. Mechadamia, v. 1, p. 78-85, 2006.

Publicado
2020-08-22