A HERMENÊUTICA DA PRESENÇA, DE HANS GUMBRECHT E ZEN-BUDISMO: UM DIÁLOGO DENTRO DA POÉTICA DO HAIKAI

Palavras-chave: Filosofia, Literatura, Haikai, Hermenêutica da Presença, Zen-Budismo

Resumo

No presente trabalho, pretendemos estabelecer um diálogo entre a hermenêutica da presença, do filósofo alemão Hans Ulrich Gumbrecht e a filosofia zen-budista através da expressão poética do Haikai, observando as nuances dialógicas entre ambas as vertentes de pensamento, demonstrando a importância que tanto uma quanto a outra oferecem ao contato direto do indivíduo humano com as coisas do mundo, sendo a experiência direta/estética o que nos permitiria vivenciar os componentes de sentido e de presença e como esse instantâneo do aqui/agora se configura no estilo do Haikai. Tal como afirma Gumbrecht, a experiência do sentido será sempre mais predominante a partir de um texto, enquanto a presença predominará fora do âmbito da racionalidade, logicidade e condicionamentos orgânicos, para utilizarmos um termo de Deleuze. O zen-budismo, acreditando também na experiência direta, deixando para trás o intelecto, dialoga diretamente com esta visão hermenêutica.

Biografia do Autor

Ayanne Larissa Almeida de Souza, Universidade Estadual da Paraíba

Doutoranda em Literatura e Estudos Culturais na linha de pesquisa Literatura e Hermenêutica pelo Programa de Pós-Graduação em Literatura e Interculturalidade da Universidade Estadual da Paraíba. Possui Mestrado em Literatura e Estudos Culturais pelo mesmo programa. Graduada em História e em Filosofia pela Universidade Estadual da Paraíba. Em Filosofia, possui interesse nas áreas de Fenomenologia, Ontologia/Metafísica e Epistemologia, bem como na filosofia e na literatura existencialistas. Interessa-se pelo pensamento sofístico. Atualmente participa de pesquisas na área de Filosofia Oriental, com ênfase na filosofia budista e no pensamento chinês. Em História, interessa-se pelas discussões acerca da História antiga (Grécia e Roma) e Medieval que envolvam temáticas ligadas à sociedade e à política, ao imaginário, à filosofia, à literatura e à religião, à cultura e às questões de gênero. Na Literatura, possui interesses em Teoria e Crítica literárias e literatura comparada. Interessa-se ainda pelas temáticas da Ecologia Profunda, Ciências políticas e teatro. Atualmente faz parte dos grupos de pesquisa LITERATURA, ESTUDOS CULTURAIS E SOCIOAMBIENTAIS da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e MULHERES NA FILOSOFIA E NA LITERATURA (UEPB), bem como do grupo de estudos LITTERASOFIA (UEPB). Possui artigos publicados nas áreas de Filosofia, Literatura e História.

Referências

ARNAU, Juan. La palabra frente al vacío - Filosofía de Nagarjuna. Cidade do México: Fondo de Cultura Económica, 2005.
CANDIDO, Antonio. Literatura e Sociedade. 9. ed. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2006.
COLEMAN, Graham; JINPA, Thupten (org). O livro tibetano dos mortos – ou, A grande libertação pela auscultação nos estados intermediários. Tradução de Gyurme Dorje. São Paulo: Martins Fontes, 2014.
CONZE, Edward. Budismo: Sua essência e desenvolvimento. Tradução de Elza Bebiano. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira S.A, 1973.
DHAMMAPADA. Tradução do original páli de Nissim Cohen. São Paulo: Palas Athena, 2000.
ELIADE, Mircea. História das Crenças e das Ideias Religiosas Volume II – De Gautama Buda ao triunfo do Cristianismo. Tradução de Roberto Cortes de Lacerda. Rio de Janeiro: Zahar, 2011.
FERRARO, Giuseppe. Finalidade antimetafísica da filosofia de Nagarjuna. Cultura Oriental. v. 1. n. 2. Jul/dez. 2014. pp. 17-29.
GARFIELD, Jay; EDELGLASS, William (ed). Buddhist Philosophy: Essentials Readings. New York: Oxford University Press, 2009.
GONÇALVES, Ricardo M. Textos budistas e zen-budistas. São Paulo: Cultrix, 1999.
GUMBRECHT, Hans Ulrich. Produção de Presença – O que o sentido não consegue transmitir. Tradução de Ana Isabel Soares. Rio de Janeiro: Ed. PUC-Rio, 2010.
HERRIGEL, Eugen. A arte cavalheiresca do arqueiro zen. Tradução de J. C. Ismael. São Paulo: Pensamento, 1975.
HUMPHREYS, Christmas. O zen-budismo. Tradução de Louisa Ibañez. Rio de Janeiro: Zahar, 1967.
OTSU, Roberto. A sabedoria da Natureza – taoísmo, I ching, zen e os ensinamentos essênicos. São Paulo: Ágora, 2008.
PAZ, Octavio. Signos em Rotação. Coleção Debates. Tradução de Uchoa Leite. São Paulo: Perspectiva, 2009.
RAVERI, Massimo. Índia e Extremo Oriente – via da libertação e da imortalidade. Tradução de Camila Kintzel. São Paulo: Hedra, 2005.
ROCHA, Antônio Carlos. O que é Buddhismo. São Paulo: Editora Brasiliense, 1984.
SADDHATISSA, H. O Caminho do Buda. Tradução de Irley Fernandes Franco. Rio de Janeiro: Zahar, 1977.
VITTORI, Giovanni. Zen. Tradução de David Jardim Junior. Rio de Janeiro: Ediouro, 1984.
WATTS, Allan. O espírito do Zen – um caminho para a vida, o trabalho e a arte o Extremo Oriente. Tradução de Murillo Nunes e Azevedo. Porto Alegre, RS: L&PM, 2009.
Publicado
2019-09-01