O CORPO COMO TESTEMUNHA

POLÍTICAS DA ESCRITURA FEMININA EM DIAMELA ELTIT

Resumo

ESTE ARTIGO BUSCA OBSERVAR COMO CERTAS OBRAS PRODUZIDAS POR MULHERES ESCRITORAS LATINO-AMERICANAS ARTICULAM EXPERIÊNCIAS POLÍTICO-SOCIAIS EM TEXTOS FICCIONAIS. INDICA-SE O LIVRO JAMAIS O FOGO NUNCA, DA CHILENA DIAMELA ELTIT, PUBLICADO ORIGINALMENTE EM 2007, E TRADUZIDO PARA O PORTUGUÊS EM 2017, COMO UM EXEMPLAR IMPORTANTE NA CONFIGURAÇÃO DE UMA ESCRITA FEMININA QUE ASSOCIA VIVÊNCIA MILITANTE E PRÁTICA LITERÁRIA SUBVERSIVA. O EXERCÍCIO DE ANÁLISE REVELA COMO A OBRA DE ELTIT CONSTITUI UMA NARRATIVA DE VIOLÊNCIA E SOFRIMENTO DOS REGIMES DITATORIAIS QUE SE MATERIALIZA NOS LIMITES DA LINGUAGEM LITERÁRIA E DO HORIZONTE CORPORAL DE UMA MULHER.

Biografia do Autor

Angie Biondi, Universidade Tuiuti do Paraná

Professora do Programa de Pós-graduação em Comunicação e Linguagens da Universidade Tuiuti do Paraná. Doutorado em Comunicação Social pela Universidade Federal de Minas Gerais. Pós-doutorado em Artes pela Université du Québec à Montréal, Canadá.

Silvia Dafferner, Universidade Metodista de São Paulo

Professora da Universidade Metodista de São Paulo. Mestrado em Teoria Literária e Literatura Comparada pela Universidade de São Paulo.

Publicado
2021-03-17
Seção
ARTIGOS (DOSSIÊ)