SEDIMENTOS CULTURAIS EM CONSTRUÇÕES QUINHENTISTAS, DO TEATRO VICENTINO ÀS VISITAÇÕES INQUISITORIAIS AO BRASIL

  • Maria Leonor García da Cruz Centro de História da Universidade de Lisboa

Resumo

Mediante a observação de construções discursivas do século XVI, de diferente natureza, desde obras do teatro de Gil Vicente (1502-1536) a testemunhos de confissões realizadas no âmbito da Visitação inquisitorial à Baía em 1591-1592, salienta-se a existência de sedimentos mentais e resíduos culturais que permanecem e se adaptam a novos contextos epocais e espaciais.

Visões de estatuto social e de práticas de sociabilidade, marginalizações e estigmas, adaptações vivenciais, desenvolvem-se no Brasil, uns herdados da sociedade europeia outros condicionados a formas culturais mescladas no novo mundo. Geram-se duplas identidades ou fenómenos de transfusão de resíduos ou mesmo de sincretismos. Seja como for, a residualidade evidencia-se na longa ou na curta duração, originando uma sociedade reformulada pelos seus particularismos.

Publicado
2020-05-14
Seção
ARTIGOS