CARACTERÍSTICAS DO RISO NA CONTÍSTICA DE LUIZ VILELA

A INSENSIBILIDADE DO RISO NA CONTÍSTICA DE LUIZ VILELA

  • Gizelly Caroline França Guimarães UFAM

Resumo

Pretende-se nesse artigo analisar o conto Calor de Luiz Vilela presentes em seu livro A Cabeça (2002), a partir das características do riso teorizadas por Henri Bergson, apresentadas na obra O Riso (1987). Propõem-se compreender a temática social apresentada no texto vileliano, o aliciamento de crianças e adolescentes em seu âmbito familiar. Desse modo, por meio do uso de chistes, piadas, metáforas, trocadilhos, o autor nos leva ao risível, um riso que nos reporta a uma reflexão da sociedade na qual vivemos. Desse modo, pretende-se contribuir com a comunidade acadêmica, por meio das nuances trazidas na presente análise.

Referências

ALBERTI, V. O riso e o risível na história do pensamento. Rio de Janeiro: Jorge Zahar; Ed. FGV, 1999.

BERGSON, Henri. O riso: ensaio sobre a significação do cômico. Ed.: Guanabara. 2ª Ed, 1987.

BORBOREMA, Michele Oliveira de. A comicidade e o ato livre em Bergson. Dissertação de Mestrado. UNB: Brasília, 2012.

BRUM, José Thomaz. O riso e a jubilação. In: KANGUSSU, Imaculada; PIMENTA, Olímpio; SÜSSEKIND, Pedro; FREITAS, Romero. (Orgs.). O cômico e o trágico. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2008.

FERREIRA. Yvonélio Nery. Percursos do silêncio: as narrativas de Luiz Vilela. Tese de Doutorado. Florianópolis, SC, 2015.

FREUD, Sigmund. Os chistes e sua relação com o inconsciente. Tradução Maria Aparecida Moraes Rego. Rio de Janeiro: Imago Editora LTDA., 2007.

GREGGIO, A. J. O riso e a ironia: a leitura da história em O nome da rosa. Araraquara, 2007. Dissertação (mestrado) – FCL da Universidade Estadual Paulista.

MUECKE, D. C. A ironia e o irônico. Trad. Geraldo Gerson de Souza. São Paulo: Perspectiva, 1995. (Debates, 250).

MAIA, M. H. P. As formas da paródia em O ano da morte de Ricardo Reis de José Saramago. Araraquara, 1999. Dissertação (mestrado) – FCL da Universidade Estadual Paulista.

MARTINS, M. O riso, o sorriso e a paródia na literatura portuguesa de Quatrocentos. Portugal: Instituto de Cultura Portuguesa, 1978.

MINOIS, G. História do riso e do escárnio. Trad. Maria Helena O. Ortiz Assumpção. São Paulo: Editora UNESP, 2003.

PROPP, V. Comicidade e riso. São Paulo: Ática, 1992.

PAIVA, M. H. N. Contribuição para uma estilística da ironia. Lis boa: Publicações do Centro de Estudos Filosóficos, 1991.

RODRIGUES, S. C. Um diálogo no espelho. Revista Tempo Brasi leiro (Rio de Janeiro), n.62, p.114¬ 27, jul.¬ set. 1980.

ROSENFELD, A. Texto/contexto. 3.ed. São Paulo: Perspectiva, 1976.

ROUANET, S. P. Riso e melancolia: a forma shandiana em Sterne, Diderot, Xavier de Maistre, Almeida Garrett e Machado de As sis. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

SCHNAIDERMAN, B. Paródia e mundo do riso. Tempo Brasilei‑ ro (Rio de Janeiro), n.62, p.89­‑96, jul.­‑set. 1980.

SCHOPENHAUER, A. O mundo como vontade e como representação. t.1. Trad., apresent., notas e índices Jair Barboza. São Pau lo: Editora UNESP, 2005.

VILELA, Luiz. Tremor de Terra. Ática: Belo Horizonte, 1967.
____________. No Bar. Bloch: Curitiba, 1968.

____________. Tarde da Noite. Ática: Belo Horizonte, 1970.

____________. Os Novos. Gernasa: São Paulo, 1971.

____________. O Fim de Tudo. Record: São Paulo, 1973.

____________. Contos Escolhidos. Mercado Aberto: São Paulo, 1978.

____________. Contos. Record: São Paulo, 1979.

____________. Lindas Pernas. Livraria Cultura: São Paulo, 1979.

____________. O Inferno é Aqui Mesmo. Ática: São Paulo, 1979.

____________. Entre Amigos. Ática: Belo Horizonte, 1983.

____________. Contos. Mercado Aberto: Campinas, 1986.

____________. Graça. Liberdade: São Paulo, 1989.

____________. Te Amo sobre Todas as Coisas. Rocco: Curitiba, 1994.

____________. O Choro no Travesseiro. Atual: Ponta Grossa, 1995.

____________. Os Melhores Contos de Luiz Vilela. Global Gaia: São Paulo, 2001.

____________. A cabeça. Cosac &Naify: São Paulo, 2002.

____________. Uma Seleção de Contos. Companhia Nacional: São Paulo, 2005.

____________. Perdição. Record: Ponta Grossa, 2011.

____________. Você Verá. Record: São Paulo, 2013.
Publicado
2018-01-07