POESIA E TECNOLOGIA:

UM CONVITE À LEITURA DA "POÉTICA DO CIBORGUE", DE E. M. DE MELO E CASTRO

  • Priscila Vasques Castro Dantas Universidade Federal do Amazonas / Programa de Pós-Graduação em Letras

Resumo

RESUMO: Este artigo pretende apresentar uma panorâmica da Poética do Ciborgue, de E. M. de Melo e Castro, obra a qual é, na verdade, uma antologia de textos que, trazendo consigo toda a bagagem desse expoente da Poesia Experimental Portuguesa, busca traçar uma trajetória da evolução das relações entre poesia e tecnologia. Na obra, Melo e Castro propõe uma discussão acerca das artes digitais e a construção de uma “poética” para estas e, para tal, ele apresenta diversas etapas da experimentação, desde os tempos antigos (e “analógicos”, por assim dizer), até a contemporaneidade e a sua quase simbiose com a máquina, discutindo a relação do fazer artístico humano com a tecnologia de maneira profunda. A apresentação panorâmica da obra intenta chamar atenção para a necessidade de se conhecer textos como os reunidos na Poética do Ciborgue, os quais são importantes peças de uma reflexão teórica e crítica acerca da relação das artes, em especial da poesia, com a tecnologia, cada vez mais presente no dia a dia contemporâneo.

 

Referências

LÉVY, Pierre. Cibercultura. São Paulo: Ed 34, 1999. (Coleção TRANS)

MELO E CASTRO, E. M. de. Poética do Ciborgue – antologia de textos sobre tecnopoiesis. Rio de Janeiro: Confraria do Vento, 2014.
Publicado
2018-01-07