ITINERÁRIO DO CORPO DE GERALDA E INÁCIA DOS OLHOS VERDES, O EROTISMO NA PROSA POÉTICA DE ERNESTO PENAFORT

Resumo

O presente trabalho tem como enfoque a análise do erotismo como recurso literário nas prosas poéticas Itinerário do corpo de Geralda e Inácia dos olhos verdes, do escritor amazonense e membro do Clube da Madrugada Ernesto Penafort. Para tanto, foi necessário se debruçar sobre obras como O erotismo, de George Bataille, pois para ele “o erotismo é na consciência do homem aquilo que põe nele o ser em questão”, é tudo aquilo que instiga e move o ser, que o faz se perder objetivamente à procura do objeto de desejo; e também em A dupla chama: amor e erotismo, de Octávio Paz, quando este afirma que “a relação entre o erotismo e a poesia é tal que o primeiro é uma poética corporal e a segunda uma erótica verbal. Ambos são feitos de uma oposição complementa [...]o erotismo não é mera sexualidade animal – é cerimônia, representação.  A relação entre a linguagem erótica e a poesia é um verdadeiro jogo de sedução e cerimônia. Para compreender certas simbologias, utilizou-se ainda o Dicionário de símbolos de Jung, como também outras fontes teóricas para esclarecimento das questões que se apresentaram. Em função de tais ponderações sobre o erotismo, percorreu-se sua gênese, sua constância na vida do homem, bem como sua relação entre o poeta e a linguagem artística.

 

Referências

BACHELARD, Gaston. A água e os sonhos: ensaios sobre a imaginação da matéria. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

BATAILLE, George. O erotismo: tradução Antônio Carlos Viana. Porto Alegre: L&PM, 1987.

BARTHES, Roland. Mitologias. São Paulo: DIFEL, 19750

JUNG, Carl G. O homem e seus Símbolos: tradução Mari Lúcia Pinho. São Paulo: Editora Nova Fronteira, 5ª edição, 1964.

LEXIKON, Helder. Dicionário de Símbolos. Tradução Erlon José Paschoal. São Paulo: Cultrix. 15ª edição, 2013.

PAZ, Octávio. A dupla chama: amor e erotismo – tradução Wladyr Dupont. São Paulo: Siciliano,1994.

PAZ, Octavio. Signos em Rotação. São Paulo: Perspectiva, 2009

PENAFORT, Ernesto. Do verbo azul. Manaus, SCA: Edições Governo do Amazonas, 1988.

PERROT, M. Minha história das mulheres. São Paulo: Editora Contexto, 2008

Publicado
2018-01-07