Planejamento de Unidades de Extração de Mel Sob a Perspectiva da Teoria Contingencial

  • Edson Roberto Macohon UNICENTRO/PR
  • Carlos Eduardo Facin Lavarda UFSC/SC
  • Elvis Fábio Roman UNICENTRO/PR
Palavras-chave: Apicultura, Planejamento, Teoria contingencial

Resumo

O objetivo do estudo foi analisar o planejamento e a execução das unidades de extração de mel localizadas na área rural do município de Prudentópolis/PR sob a perspectiva da teoria contingencial. A pesquisa define-se como descritiva e Pesquisa-Ação. Quanto à abordagem do problema a pesquisa caracteriza-se como qualitativa. As variáveis contingenciais propostas neste estudo foram base para a formulação do roteiro semiestruturado de entrevistas que foi aplicado às pessoas que trabalham na atividade apícola em diferentes segmentos de representatividade. Os dados coletados nas entrevistas foram analisados por meio da técnica de análise de conteúdo. Os respondentes citaram as seguintes variáveis estruturais como preponderantes ao desenvolvimento de projetos apícolas: falta de inovação e pesquisa; interferências das variações cambiais no preço dos produtos apícolas; pequenos apicultores resistentes a mudanças; ambiente burocrático das agências reguladoras (Ministério da Agricultura); assistência técnica de pouca qualidade e não continuada; ausência de movimentos associativistas consolidados; falta de capacitação profissional dos apicultores; e, ausência de políticas públicas à atividade apícola. Os respondentes afirmaram que a ausência de movimentos cooperativistas consolidados, propicia a suscetibilidade dos produtores de mel às incertezas de mercado.

         

Biografia do Autor

Edson Roberto Macohon, UNICENTRO/PR

 

   
Carlos Eduardo Facin Lavarda, UFSC/SC

 

 
Elvis Fábio Roman, UNICENTRO/PR

 

   

Referências

Andrade, R., & Amboni, N. (2017). TGA–Teoria Geral da Administração. Elsevier Brasil.
Azevedo, C., Machado, A., Frota, I. Zenaide, M., & Barbosa, C. (2003). Implantação de um sistema ERP: a mudança organizacional sob os aspectos contingencial e institucional. Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, 23.
Baines, A., & Langfield-Smith, K. (2003). Antecedents to management accounting change: a structural equation approach. Accounting, organizations and society, 28(7-8), 675-698.
Bardin, L. (1977). Análise de conteúdo. Edições 70.
Bianca, P. C., Marioara, I., & Aurora, P. A. (2011). Economic diagnosis of beekeeping in the North West region of Romania: a case study of Cluj County. Analele Universităţii din Oradea, Fascicula Ecotoxicologie, Zootehnie şi Tehnologii de Industrie alimentară, 10, 279-287.
Blum, C., & Oliveira, R. (2003). Alternativas sustentáveis para favorecer a produtividade da reserva florestal legal do Estado do Paraná. Revista Produtividade Sistêmica, Curitiba, 3(10).
Bor, G. K. A. (2007). Mainstreaming youth entrepreneurship into community economic development: the case of Kapseret Beekeeping Project (Doctoral dissertation, Southern New Hampshire University).
Brignall, S. (1997). A contingent rationale for cost system design in services. Management Accounting Research, 8(3), 325-346.
Brown, J. C. (2006). Productive conservation and its representation: the case of beekeeping in the Brazilian Amazon. Globalization and new geographies of conservation, 92-116.
Bruns, T., & Stalker, G. M. (1961). The management of innovation. Tavistock, London, 120-122.
Camacho, R. R. (2010). Fatores condicionantes da gestão de custos interorganizacionais na cadeia de valor de hospitais privados no Brasil: uma abordagem à luz da Teoria da Contingência (Doctoral dissertation, Universidade de São Paulo).
Chenhall, R. H. (2003). Management control systems design within its organizational context: findings from contingency-based research and directions for the future. Accounting, organizations and society, 28(2-3), 127-168.
Cooper, R. (2017). Supply chain development for the lean enterprise: interorganizational cost management. Routledge.
Diehl, C. A. (2004). Controle estratégico de custos: um modelo referencial avançado.
Farooq, A., Uma, P., Joshi, S. R., & Gurung, M. B. (2008). Honeybees in the Himalayas: linking research and livelihoods to policy. In Policy priorities for sustainable mountain development. Full Proceedings of the ICIMOD regional policy workshop, Kathmandu, Nepal, 18-20 September, 2006. International Centre for Integrated Mountain Development (ICIMOD).
Flaten, O. (2002). Alternative rates of structural change in Norwegian dairy farming: impacts on costs of production and rural employment. Journal of Rural Studies, 18(4), 429-441.
Georgakopoulos, G., & Thomson, I. (2005, March). Organic salmon farming: risk perceptions, decision heuristics and the absence of environmental accounting. In Accounting Forum (Vol. 29, No. 1, pp. 49-75). Taylor & Francis.
Gibbs, D. M., & Muirhead, I. F. (1998). The economic value and environmental impact of the Australian beekeeping industry. A report prepared for the Australian Beekeeping Industry, 30.
Jack, L. (2007). Accounting, post-productivism and corporate power in UK food and agriculture. Critical Perspectives on Accounting, 18(8), 905-931.
Jones, R. (1999). Beekeeping as a Business. Commonwealth Secretariat.
Junqueira, E. R. (2010). Perfil do sistema de controle gerencial sob a perspectiva da teoria da contingência(Doctoral dissertation, Tese de Doutorado em Ciências Contábeis, Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil).
Lietaer, C. (2009, October). Impact of beekeeping on forest conservation, preservation of forest ecosystems and poverty reduction. In XIII World Forestry Congress (pp. 18-23).
Martins, G. A. (1994). Manual para elaboração de monografias e dissertações. São Paulo Atlas.
Martins, G. A., & Theóphilo, C. R. (2009). Metodologia da investigação cientifica. São Paulo: Atlas, 143-164.
Mckinley, W., & Mone, M. (2003). Organization theory. Oxford University Press, USA. 2003.
Mintzberg, H. (1979). The structuring of organizations. New Jersey: Prentice Hall.
Mundy, K., & Bullen, S. G. Estimating Income and Costs: Calculating a Price.
Nyárs, L. (2003). Situation and perspective of the Hungarian bee-keeping. Journal of Apicultural Science, 47(1).
Phillips, E. F. (2008). Beekeeping: A Discussion of the Life of the Honeybee. Applewood Books.
Porter, M. E. (1997). Estratégia competitiva: técnicas para análise de indústrias e da concorrência. Rio de Janeiro: Campus.
Rao, N. H. (2007). A framework for implementing information and communication technologies in agricultural development in India. Technological Forecasting and Social Change, 74(4), 491-518.
Riahi-Belkaoui, A. (1989). Behavioral accounting: the research and practical issues. Quorum Books.
Skubida, P., & Semkiw, P. (2011). Organic bee keeping in Europe and in the world. Journal of Research and Applications in Agricultural Engineering, 56(4), 102-106.
Souza, B. C., & Rocha, W. (2009). Gestão de custos interorganizacionais: ações coordenadas entre clientes e fornecedores para otimizar resultados. São Paulo: Atlas.
Publicado
2019-12-12
Seção
Artigos