Educação Ambiental através do jogo didático “Super Trunfo® Agrotóxicos”

Environmental Education through educational game “Super Trunfo® Agrotóxicos”

  • Debora Müller Corrêa
  • Fernanda Bohnert Gomes
  • Fernando Albuquerque Luz UFAM
Palavras-chave: Ensino de Ciências. Instrumentação. Temática Ambiental.

Resumo

Resumo

Atualmente a Educação Ambiental é uma ferramenta imprescindível para a mudança de comportamento dos indivíduos frente aos problemas sócio-ambientais. A escola representa um dos principais espaços de formação de educadores ambientais, tornando os estudantes jovens multiplicadores de mudanças frente aos problemas. Dentre os problemas ambientais que recebem atenção atualmente no Brasil, se encontra o uso abusivo de agrotóxicos, cujos danos ambientais são enormes e já conhecidos, e muito provavelmente os mesmos causam grandes danos a saúde da população. Neste sentido, visando promover a Educação Ambiental para o conhecimento sobre a problemática do uso dos agrotóxicos, assim como o uso correto dos agrotóxicos ou o não uso, objetivou-se neste estudo confeccionar e testar um jogo didático “Super Trunfo®. Para a criação do jogo de cartas, utilizaram-se diversos temas ambientais e do uso de agrotóxicos. O jogo consiste em uma batalha entre cartas que possuem valores, as cartas que continham valores que preservavam o ambiente e mostravam alternativas para o uso dos agrotóxicos, “venciam” aquelas cartas que eram prejudiciais ao ambiente e que continham o mau uso destes químicos. Durante a aplicação do jogo com alunos do Ensino Fundamental de uma escola municipal rural do município de Dom Pedrito-RS, ficou evidente que o jogo didático despertou a atenção dos alunos, e que a dinâmica do jogo ajudou que os mesmos compreendessem a problemática dos agrotóxicos. Ao final da aplicação os alunos foram capazes de articular os danos do uso dos agrotóxicos e propor soluções para amenizá-los.

Environmental Education through educational game “Super Trunfo® Agrotóxicos”

Abstract

Currently Environmental Education is an indispensable tool for changing the behavior of individuals facing social and environmental problems. The school represents one of the main spaces for the formation of environmental educators, making young students multipliers of changes in face of problems. Among the environmental problems that currently receive attention in Brazil is the abuse of pesticides, whose environmental damage is huge and already known, and most likely cause great damage to the health of the population. In this sense, aiming to promote Environmental Education for the knowledge about the problem of pesticide use, as well as the correct use of pesticides or non-use, this study aimed to make and test a “Super Trunfo®” didactic game. For the creation of the card game, several environmental themes and the use of pesticides were used. The game consists of a battle between cards that have values, cards that contain values ​​that preserve the environment and show alternatives to the use of pesticides, “beat” those cards that were harmful to the environment and that contained the misuse of these chemicals. During the application of the game with elementary school students of a rural municipal school in the municipality of Dom Pedrito-RS, it was evident that the didactic game attracted the attention of the students, and that the dynamics of the game helped them to understand the problem of pesticides. . At the end of the application the students were able to articulate the damage from the use of pesticides and propose solutions to alleviate them.

Referências

ALMEIDA, M. O.; RIBEIRO, V. G. P.; ARRUDA, A. R. P.; MAIA, F. J. N.; MAZZETTO, S. E. O Efeito da Contextualização e do Jogo Didático na Aprendizagem de Funções Orgânicas. Revista Virtual de Química, v. 8, n. 3, p. 767-779, 2016.

AUGUSTO, L. G. S.; GURGEL, I. G. D.; FLORÊNCIO, L.; ARAÚJO, A. C. P. Exposição ocupacional aos agrotóxicos e riscos sócio-ambientais (sic): subsídio para ações integradas no estado de Pernambuco. In: AUGUSTO, L. G. S.; FLORÊNCIO, L.; CARNEIRO, R. M. Pesquisa (ação) em saúde ambiental – contexto, complexidade, compromisso social. Recife: Editora Universitária, 2005. p. 57-69.

BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. Lisboa, Portugal; Edições 70, LDA, 2009. Acesso em 17 de abr. de 2019. Disponível em:

http://www.letras.ufscar.br/linguasagem/edicao18/artigos/007.pdf. Acesso em jun. de 2019.

BIANCHI, C.; MELO, W. Desenvolvimento de um projeto de ação pedagógica para conscientização ambiental com alunos de 9º ano do Ensino Fundamental. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, v. 8, n. 3, p. 976–1003, 2009.

CAMPOS, L. M. L.; BORTOLOTO, T. M.; FELICIO, A. K. C. A produção de jogos didáticos para o ensino de Ciências e Biologia: uma proposta para favorecer a aprendizagem. Caderno dos Núcleos de Ensino, p.35-48, 2003.

CARVALHO, Isabel Cristina de Moura. Educação Ambiental Crítica: nomes e endereçamentos da educação In: LAYRARGUES, P.P. (coord.). Identidades da educação ambiental brasileira. Ministério do Meio Ambiente. Diretoria de Educação Ambiental. Brasília, Ministério do Meio Ambiente, 2004.

CAVALCANTI, J. A.; FREITAS, J. C. R de.; MELO, A. C. N de.; FREITAS FILHO. J. R. Agrotóxicos: uma temática para o ensino de química. Química Nova Escola, v. 32, n.1, p. 31-36, 2010.

CUNHA, Nylse Helena Silva. Brinquedo, desafio e descoberta. Rio de Janeiro: FAE. 1988.

FERNANDES, C. S.; STUANI, G. M. Agrotóxicos no Ensino de Ciências: uma pesquisa na educação do campo. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 40, n. 3, p. 745-762, 2015.

FINATTO, R. A.; SALAMONI, G.; Family agriculture and agroecology: profile of the agroecological production in the city of Pelotas/RS. Revista Sociedade & Natureza, v. 20, p. 199-217, 2008.

GOMES, R. R.; FRIEDRICH, M. A. Contribuição dos jogos didáticos na aprendizagem de conteúdos de Ciências e Biologia. In: EREBIO,1, Rio de Janeiro, 2001, Anais[...]. Rio de Janeiro, 2001, p.389-92.

GUIMARÃES, Mauro. A Educação Ambiental crítica. In: LAYRARGUES, P.P. Identidades da educação ambiental brasileira. Ministério do Meio Ambiente. Diretoria de Educação Ambiental. Brasília, Ministério do Meio Ambiente, 2004.

GREGOLIS, T. B. L.; PINTO, W. J.; PERES, F. Percepção de riscos do uso de agrotóxicos por trabalhadores da agricultura familiar do município de Rio Branco. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, v.37, n.125, p. 99-113, 2012.

HACON, Sandra. Avaliação e gestão do risco ecotoxicológico à saúde humana. In: AZEVEDO, F. A.; CHASIN, A. A. M. As bases toxicológicas da ecotoxicologia. São Carlos: Rima Editora, 2004.

JANKE, N.; TOZONI-REIS, M. F. C. Produção coletiva de conhecimentos sobre qualidade de vida: por uma educação ambiental participativa e emancipatória. Ciência & Educação, v. 14, n. 1, p. 147-157, 2008.

KISHIMOTO, Tizuko Morchida. Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. Cortez, São Paulo, 1996.

SOUZA, Alessandra Cardosina. A Experimentação no Ensino de Ciências: importância das aulas práticas no processo ensino aprendizagem. 2013. 33f. Monografia (Especialização em Educação: Métodos e Técnicas de Ensino). Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Medianeira, 2013.

VYGOTSKY, Lev Semenovich. Inteligência e afetividade. São Paulo: Pioneira, 1977.

Publicado
2020-05-27
Como Citar
Corrêa, D. M., Gomes, F. B., & Luz, F. A. (2020). Educação Ambiental através do jogo didático “Super Trunfo® Agrotóxicos”: Environmental Education through educational game “Super Trunfo® Agrotóxicos” . Revista Ensino, Saúde E Biotecnologia Da Amazônia, 2(1), 1-18. Recuperado de https://periodicos.ufam.edu.br/index.php/resbam/article/view/6475