TERAPIAS INVASIVAS À CRIANÇA COM CÂNCER À LUZ DA FENOMENOLOGIA: O OLHAR DA ENFERMAGEM

Resumo

A enfermagem é caracterizada como uma profissão do cuidado. Os profissionais desenvolvem suas atividades laborais junto a várias instâncias no ambiente hospitalar. Dessa forma, a preocupação com o cuidar de quem cuida é substancial para a qualidade do serviço de saúde. Em se tratando de uma criança com câncer, a saúde mental do seu cuidador é ainda mais primordial. O objetivo deste estudo é compreender através dos discursos, os significados e as possibilidades de ressignificar a vivência do ser-enfermeiro na atuação com terapias invasivas à criança con-vivendo com câncer. É uma pesquisa de natureza qualitativa e desenvolveu-se de acordo com os preceitos do método fenomenológico que prioriza um olhar sobre a vivência do outro, seu mundo-vivido. Para a consecução desta pesquisa foi utilizada uma entrevista áudio gravada que partiu de questão norteadora, que após transcritas íntegra e literalmente, foram identificadas as Unidades de Significado, posteriormente a elaboração das Categorias Temáticas. Foram entrevistadas três enfermeiras que desenvolvem suas atividades na Unidade de Tratamento Intensivo infantil na Fundação Centro de Controle em Oncologia do Amazonas. A pesquisa segui os preceitos da Resolução CNS 466/12 que legisla sobre a Pesquisa com seres humanos. Foram identificadas as seguintes Categorias de Análise: ser-no-mundo-sendo-enfermeiro e a importância da técnica; ser-no-mundo: o outro me afeta e ser-no-mundo e a Ligação com o Divino. Infere-se que estas vivencias estão permeadas pela compreensão pluridimensional do fazer profissional da enfermagem e da afetividade presente na relação de cuidado que se estabelece entre os protagonistas desta pesquisa enfermeiros e crianças com câncer.

 

Palavras-chave: Câncer Infantil; Enfermagem; UTI; Psicologia; Fenomenologia.

Biografia do Autor

Maria Pires da Cruz Leal

Mestra em Psicologia pela PPGPSI/UFAM. Psicóloga formada pela UNINORTE/Manaus.

Ewerton Helder Bentes de Castro, Universidade Federal do Amazonas (UFAM)

Doutor em Psicologia pela FFCLRP/USP. Docente do curso de graduação e pós-graduação em Psicologia FAPSI/UFAM. Coordenador do Labfen.

Publicado
2021-07-01