NAS SENDAS DA CRIAÇÃO ARTÍSTICA DO ANDARILHO AMAZÔNICO

  • Yomarley Lopes Holanda Universidade do Estado do Amazonas, UEA

Resumo

O artista-andarilho da Amazônia é um sujeito irrequieto, vivendo numa crise de pertencimento que caracteriza as sociedades contemporâneas, este nômade da floresta, rios e cidades, se lança no mundo em busca de uma vida ainda por ser vivida. A reflexão é um fragmento cintilante de uma pesquisa doutoral defendida recentemente no âmbito do PPGSCA/UFAM, cuja abordagem foi tecida com os fios da interdisciplinaridade, sob a inspiração da dialógica moriniana, em franca conversação com a Filosofia, a Sociologia, a Antropologia e as Artes, além das vozes de campo, dos documentos literários, das vivências e da observação in loco. O epicentro da pesquisa é a cidade de Fonte Boa, localizada no interior do Amazonas, seus barracões e ateliês onde se produz a tradicional festa dos bois-bumbás. São nestes espaços criativos que os artistas-andarilhos, todos autodidatas, se encontram anualmente para tecer uma narrativa visual sobre a Amazônia por intermédio de sua arte, constituindo-se também em sujeitos num processo autopoiético. A pesquisa demonstrou que a sensibilidade nômade do artista lhe permite dar vida ao imaginário amazônico, de sua arte abrolham seres fantásticos, animais híbridos, encantarias que só habitavam as narrativas dos povos tradicionais.

 

Palavras-chave: Artista-andarilho; Criação artística; Amazônia; Imaginário.

Biografia do Autor

Yomarley Lopes Holanda , Universidade do Estado do Amazonas, UEA

Professor adjunto da Universidade do Estado do Amazonas (CEST/UEA). Graduado em História, Mestre e Doutor em Sociedade e Cultura na Amazônia (PPGSCA/UFAM). Atualmente exerce a função de Coordenador Pedagógico do Curso de História da UEA/CEST, atuando na pesquisa, ensino e extensão nas seguintes áreas: História da Amazônia, imaginário e criação artística e cultura amazónica. Possui diversos livros publicados, dentre os quais “A festa na cidade que o barranco levou” (2016) e “O artista-andarilho da Amazônia” (2020), além de capítulos de livros e artigos em revistas especializadas. Na área cultural atua como compositor numa constelação de manifestações, com destaque para o Festival Folclórico de Parintins e o Festival Folclórico do Amazonas.

Publicado
2021-07-01