Preditores de óbito em pacientes Transplantados de Medula Óssea de um centro de referência na Amazônia Brasileira

Autores

Palavras-chave:

Transplante de medula óssea, óbito, doenças hematológicas, preditores

Resumo

Introdução: Os transplantes de medula óssea (TMO) são indicados para pacientes com doenças que acometem as células sanguíneas, como leucemias e linfomas, e seu sucesso está associado a fatores biológicos, ambientais, psicossociais, econômicos, entre outros. Objetivos: Determinar o perfil clínico e epidemiológico dos pacientes encaminhados para TMO fora do estado do Amazonas, bem como a identificação de possíveis preditores de óbito nessa população. Material e métodos: Foi realizado um estudo longitudinal retrospectivo dos prontuários de 163 pacientes transplantados de medula óssea da Fundação HEMOAM entre 2000 e 2017. Resultados: Observou-se predominância da faixa etária de 21 a 30 anos (22,08%), pois bem como pacientes do sexo masculino (61,34%), pardos (43,55%) e solteiros (62,50%). Aplasia medular (25,31%) foi a doença mais frequente associada ao óbito (OR: 3,76, IC 95%: 1,32-10,67, p < 0,01). Além disso, os pacientes que realizaram TMO entre 2001-2006 (OR: 2,52, IC 95%: 1,11-5,70, p <0,02) e 2007-2012 (OR: 3,66, IC 95%: 1,61-8,29, p < 0,00) foram associados a maior risco de morte do que aqueles que realizaram TMO entre 2013-2017. Conclusão: Este é o primeiro estudo a descrever o perfil epidemiológico e clínico dos pacientes submetidos a transplante de medula óssea no estado do Amazonas e serve de apoio às políticas públicas do governo estadual e federal que visam o desenvolvimento de um centro de transplantes no estado região.

Referências

Marques, ACB. et al. Transplante de células-tronco hematopoiéticas e qualidade de vida durante o primeiro ano de tratamento com Trasplante de Células Tronco Hematopoéticas. Rev latinoam enferm. 2018;26:3065–3065. https://doi.org/10.1590/1518-8345.2474.3065

Ikeda, ALC et al. Coleta e infusão de células-tronco hematopoiéticas: enfermagem, tecnologia e ensino-aprendizado. Rev enferm UFPE on line., Recife, 9 (2):896-901, fev., 2015.

https://10.5205/reuol.6391-62431-2-ED.0902supl201516

Gale, RP. et al. Haematopoietic cell transplants in Latin America. Bone marrow transplantation, 2016; 51;7: 898-905, 2016. https://doi.org/10.1038/bmt.2016.35

Fernandes PMP. et al. Estimativa de Tranplantes realizados no Brasil entre Janeiro a Junho de 2020. Registro Brasileiro de Transplantes. 2020. p. 23.

SBTMO. Sociedade Brasileira de Transplantes de Medula Óssea. https://sbtmo.org.br/

INCA. Instituto Nacional do Câncer Onde são realizados os transplantes não aparentados. Inst Nac do Câncer. 2020. https://www.inca.gov.br

Mastropietro AP. Qualidade de Vida de Sobreviventes do Transplante de Medula Óssea (TMO). Rev Eletrônica Enferm. 2009;25(supl.01):621–8. https://doi.org/10.1590/S0102-37722009000400018

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Brasil em síntese - Manaus, AM. 2020, https://www.ibge.gov.br/

Classificação Brasileira de Ocupações. Vol. 397, Ministério do Trabalho.2002 ttps://www.mtecbo.gov.brArber DA. et al. The 2016 revision to the World Health Organization classification of myeloid neoplasms and acute leukemia. Blood. 2016;127(supl. 20):2391–406. https://doi: 10.1182/blood-2016-06-721662

REDOME. Como é realizado o cadastro. Registro Nacional de Doadores Voluntários de Médula Óssea. 2017. http://redome.inca.gov.br/o-redome/o-cadastro-e-a-busca-do-doador/

Tobelem FLA. et al. A situação do transplante de células tronco hematopoiéticas no Estado do Pará, Amazônia, no período de janeiro de 2010 a dezembro de 2015. Brazilian J Transplant. 2018 1;21(3):6–10. https://doi.org/10.53855/bjt.v21i3.61

Souza GP. et al. Caracterização epidemiológica de pacientes submetidos ao transplante de células-tronco hematopoéticas em um centro de referência de Curitiba, Paraná, Brasil, 2011-2015. ABCS Heal sci. 2018;43 (supl. 2):69–72. https://doi.org/10.7322/abcshs.v43i2.1014

Beltrão ACS. et al. Clínica e epidemiologia de pacientes submetidos ao transplante de medula óssea. Rev Para Med. 2006;20(supl.3):27–31 http://scielo.iec.gov.br/pdf/rpm/v20n3/v20n3a06.pdf

Moore C, Krishnan K. Aplastic Anemia. StatPearls Publishing, Treasure Island (FL); 2021. p. 01–12.

REDOME. O que é o transplante de medula óssea?. Registro Nacional de Doadores Voluntários de Medula Óssea. 2022

Jagasia M. et al. Risk factors for acute GVHD and survival after hematopoietic cell transplantation. Blood. 2012; 5;119 (supl. 1):296–307. https://doi.org/10.1182/blood-2011-06-364265

Mancini N. Como acontece a doação de medula óssea?. Associação Brasileira de Linfoma e Leucemia. 2020

Champlin RE. et al. Blood stem cells compared with bone marrow as a source of hematopoietic cells for allogeneic transplantation. Blood. 2000; 15;95(supl. 12):3702–9. https://doi.org/10.1182/blood.V95.12.3702

Nascimento C. et al. Impactos do redome para o transplante de medula óssea não aparentado, análise dos anos de 2011-2020. Hematol Transfus Cell Ther. 2021: 43:S263. https://doi.org/10.1016/j.htct.2021.10.446

Dambros V. et al. Análise dos transplantes de medula óssea realizados no Brasil entre 2015 e 2020. Hematol Transfus Cell Ther. 2021; 43 (supl.1):S247–8. https://doi.org/10.1016/j.htct.2021.10.446

Andrykowski MA. et al. Physical and psychosocial status of adults one-year after bone marrow transplantation: a prospective study. Bone Marrow Transplant. 1995; 15(supl. 6):837–44. PMID: 7581078

INCA. Transplante de medula óssea. Instituto Nacional do Câncer. 2021. https://www.inca.gov.br/tratamento/transplante-de-medula-ossea

Ades L. et al. Long-term outcome after bone marrow transplantation for severe aplastic anemia. Blood. 2004; 1;103 (supl. 7):2490–7. https://doi.org/10.1182/blood-2003-07-2546

Sousa AM. Prognostic factors for survival after bone marrow transplantation for aplastic anemia [Dissertação]. Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz, Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, 2012, p 94

Nunes SDS. Et al. Visibilidade da equipe de transplante de medula óssea no contexto ecossistêmico. Res Soc Dev. 2020; 14;9 (supl. 6):e 28963182. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i6.3182

Downloads

Publicado

2022-12-31

Edição

Seção

Artigo Original