DIVERSIDADE FLORISTICA E ESTRUTURAL DE QUINTAIS AGROFLORESTAIS (QAs) DE UMA ÁREA DE CERRADO, NORTE DA AMAZONIA

Floristic and structural diversity of agro-forest yards in a cerrado area, North of Legal Amazonia

  • Priscila Bezerra Souza Universidade Federal do Tocantins, Campus de Gurupi. Rua Badejós, Chácaras 69 e 72 - CEP: 77402-970 - Caixa Postal 66 | 77402-970 | Gurupi/TO, Brasil
  • Bruno Aurélio Campos Aguiar Universidade de Brasília | Faculdade de Tecnologia | Dept. de Engenharia Florestal Campus Darcy Ribeiro | Brasília, DF 70910-900
  • Valéria Cardoso Lopes Universidade Federal do Tocantins, Campus de Gurupi. Rua Badejós, Chácaras 69 e 72 - CEP: 77402-970 - Caixa Postal 66 | 77402-970 | Gurupi/TO, Brasil
  • Ana Clara Carneiro Fonseca Universidade Federal do Tocantins, Campus de Gurupi. Rua Badejós, Chácaras 69 e 72 - CEP: 77402-970 - Caixa Postal 66 | 77402-970 | Gurupi/TO, Brasil
Palavras-chave: Área Basal, Biodiversidade, Valor de Importância, Tocantins.

Resumo

Os (QAs) promovem a sustentabilidade para milhões de pessoas no mundo, contudo, as pesquisas na área e nos estados do Norte do país são consideradas deficientes ou escassas. Portanto, objetivou-se estudar a florística e a fitossociologia dos (QAs) de uma área de Cerrado do estado do Tocantins. O levantamento foi realizado em quatro (QAs) no reassentamento Mariana, localizado entre os municípios de Palmas e Porto Nacional, Tocantins. Foram instaladas três parcelas de 20x30m em cada (QAs), perfazendo um total de 0,72ha de área amostral, sendo amostrados todos os indivíduos com circunferência altura do peito 1,30 cm do solo (CAP) ≥ a 10cm. A altura média da vegetação no QA1 foi de 4,79m e área basal total de 120,17m²/ha, no QA2 a altura média foi de 5,14m com área basal total de 18,49m²/ha, no QA3 a altura média foi de 3,66m e área basal total de 27,42m²/ha, no QA4 a altura média foi de 5,54m com área basal total de 33,98m²/ha. As dez espécies mais importantes dos quintais representaram juntas 44,26% (IVI), com destaque para: Malpighia glabra, Psidium guajava e Mangifera indica que alcançaram posições de destaque em mais de um (QAs). As dez famílias mais importantes somaram juntas 67,63% do IVI total para todos os QAs, destacando-se Arecaceae, Anacardiaceae e Fabaceae com os maiores (IVI) para todos (QAs) avaliados. O conhecimento desses QAs poderá auxiliar na valoração dos mesmos, além de prover informações científicas para a manutenção da identidade cultural, além de contribuir para a conservação da biodiversidade local.

Biografia do Autor

Priscila Bezerra Souza, Universidade Federal do Tocantins, Campus de Gurupi. Rua Badejós, Chácaras 69 e 72 - CEP: 77402-970 - Caixa Postal 66 | 77402-970 | Gurupi/TO, Brasil

Graduada em Ciências Biológicas pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, mestrado e doutorado em Botânica pela Universidade Federal de Viçosa. Atualmente é professora Dra. da Universidade Federal do Tocantins, campus de Gurupi, orientadora e docente dos cursos de Engenharia Florestal e Licenciatura em Biologia Ead alem de orientar no Programa de Pós-Graduação em Ciências Florestais e Ambientais - UFT. Pesquisa e orienta nas áreas de ecologia de ecossistemas e de comunidades com foco em ecologia funcional, estrutura de comunidades e biodiversidade além da germinação e produção de mudas florestais com potencial madeireiro e/ou não madeireiro. Os principais objetos de estudo são florestas, savanas e campos neotropicais. É líder do grupo de pesquisa Serviços de Ecossistemas Florestais do CNPq.

Bruno Aurélio Campos Aguiar, Universidade de Brasília | Faculdade de Tecnologia | Dept. de Engenharia Florestal Campus Darcy Ribeiro | Brasília, DF 70910-900

Graduado em Engenharia Florestal pela Universidade Federal do Tocantins (UFT), Mestrado em Ciências Florestais e Ambientais pela Universidade Federal do Tocantins, Doutorando em Ciências Florestais pela Universidade de Brasília. Membro do grupo de pesquisa Serviços de Ecossistemas Florestais do CNPq (SEF) liderado pela professora Priscila Bezerra de Souza.

Valéria Cardoso Lopes, Universidade Federal do Tocantins, Campus de Gurupi. Rua Badejós, Chácaras 69 e 72 - CEP: 77402-970 - Caixa Postal 66 | 77402-970 | Gurupi/TO, Brasil

Graduanda do curso de Engenharia Florestal pela Universidade Federal do Tocantins, Campus Gurupi. Membro do grupo de pesquisa Serviços de Ecossistemas Florestais do CNPq (SEF) liderado pela professora Priscila Bezerra de Souza.

Ana Clara Carneiro Fonseca, Universidade Federal do Tocantins, Campus de Gurupi. Rua Badejós, Chácaras 69 e 72 - CEP: 77402-970 - Caixa Postal 66 | 77402-970 | Gurupi/TO, Brasil

Graduanda formando do curso de Engenharia Florestal pela Universidade Federal do Tocantins, campus Gurupi. Membro do grupo de pesquisa Serviços de Ecossistemas Florestais do CNPq (SEF) liderado pela professora Priscila Bezerra de Souza.

Referências

ALMEIDA, L.S.D.; GAMA, J.R.V. Quintais agroflorestais: estrutura, composição florística e aspectos socioambientais em área de assentamento rural na Amazônia brasileira. Ciência Florestal, Santa Maria. v. 24, n.4, p.1041-1053, 2014.

CARNIELLO, M.A.; SILVA, R. dos S.; DA CRUZ, M. A. Quintais urbanos de Mirassol D'Oeste-MT, Brasil: uma abordagem etnobotânica. Acta Amazonica, Manaus. v.40, n. 3, p. 451-470, 2010.

FIGUEIREDO JUNIOR, O.; HAMADA, M. O. de S.; DE SOUZA, O. de P. S.; CORREA, R. F. Levantamento florístico dos quintais agroflorestais do PDS Virola Jatobá em Anapú, Pará. Enciclopédia Biosfera, Goiânia. v. 9, n. 17, p.1793-1805, 2013.

FLORENTINO, A.T.N.; ARAÚJO, E.L.; ALBUQUERQUE, U.P. Contribuição de quintais agroflorestais na conservação de plantas da Caatinga, Município de Caruaru, PE, Brasil. Acta Botânica, Brasília, v. 21, n.1, p. 37-47, 2007.

FREITAS, E.P. de; KLOSS, D.; SILVA, I.R. da. Delimitação de bacia hidrográfica no ambiente Google Earth. Irriga, ed. Especial, Botucatu, p. 97-104, 2012.

GAZEL FILHO, A.B. Composição, estrutura e função de quintais agroflorestais no Município de Mazagão, Amapá, Belém. Tese (Doutorado em Ciências Agrárias) – Universidade Federal Rural da Amazônia, Embrapa Amazônia Oriental, Belém. 2008. 104f.

GONCALVES, J.P. Análise florística e estrutural de quintais agroflorestais na comunidade Expedito Ribeiro em Santa Bárbara do Pará. Enciclopédia Biosfera, Goiânia, v. 11, n. 22, p. 173-183, 2015.

GOTELLI, N.J.; ELLISON, A.M. Princípios de estatística em ecologia. Porto Alegre: Artmed, 2011. 1ª ed., p. 528.

HIANE, P.A.; BALDASSO, P.A.; MARANGONI, S., MACEDO, M.L. Chemical and nutritional evaluation of kernels of bocaiúva, Acrocomia aculeata (Jacq.) Lodd. Food Science and Technology, Campinas, v. 26, n. 3, p. 683-9, 2006.

JOSE, D.; SCHUNMUGARATNAM, N. Traditional homegardens of Kerala: a sustainble human ecosystem. Agroforestry systems, Dordrecht, v. 24, n. 2, p. 203-213, 1993.

KLINK, C.A.; MACHADO, R.B. A conservação do Cerrado brasileiro. Megadiversidade, Belo Horizonte. v. 1, n. 1, p.148-155, 2005.

KUMAR, B.M.; NAIR, P.K.R., The enigma of tropical homegardens. Agroforestry Systems, Dordrecht, p. 135-152, 2004.

KUNZ, S.H.; IVANAUSKAS, M.N.; MARTINS, V.S. Estrutura fitossociológica de um cerradão em Canarana, estado do Mato Grosso, Brasil. Revista Acta Scientiarum Biological Sciences, Maringá, v. 31, n. 3, p. 255-261, 2009.

LOBATO, G.J.M.; GEMARQUE, S.M.A.; ALMEIDA, F.R.; SECCO, B.N.; PAULA, T.V. Caracterização das principais espécies vegetais encontradas nos quintais agroflorestais em uma comunidade rural no município de Santa Bárbara, Pará. Enciclopédia Biosfera, Goiânia, v. 1, p. 2950-2958, 2015.

LORENZI, G.M.A.C.; NEGRELLE, R.R.B. Acrocomia aculeata (Jacq.) Lodd. ex Mart.: Aspectos ecológicos, usos e potencialidades. Visão Acadêmica, Curitibá, v. 7, n. 2, p. 1-12, 2006.

LORENZI, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. 5 ed. Brasil: Instituto Plantarum de Estudo da Flora, 2008. v. 1, p. 384.

MIGUEL, E.P.; REZENDE, A.V.; LEAL, F.A.; PEREIRA, R.S.; MELO, R.R. Floristic-structural characterization and successional group of tree species in the Cerrado biome of Tocantins state, Brazil. Revista Caatinga, Mossoró, v. 29, n. 2, p. 393-404, 2016.

MOURA, S de. Quintais como espaço de conservação no chaco. Dissertação (Mestrado em Biologia Vegetal) - Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Campo Grande. 2015. 73f

NAIR, P.K.P. An Evaluation of the Struture and Function of Tropical Homeguardens. Agricultural Systems, Dordrecht, p. 279-310, 1986.

NEGRELLE, R.R.B. Estrutura populacional e potencial de regeneração de Attalea phalerata Mart. ex Spreng. (ACURI). Ciência Florestal, Santa Maria. v. 23, p.729-736, 2013.

NUNES, J.D.; NERY, P.S.; FIGUEIREDO, L.S.; COSTA, C.A.; MARTINS, E.R. O extrativismo da fava d'anta (Dimorphandra mollis Benth.) na região do Norte de Minas Gerais. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, Paulínia, v.14, n. 2, p. 370-5, 2012.

PARENTE, T.G.; MIRANDA, C.M. Impactos socioculturais e gênero nos reassentamentos da Usina Luis Eduardo Magalhães - TO. Varia historia, Belo Horizonte, v. 30, n. 53, p. 557-570, 2014.

PEREIRA, P.V.M.; FIGUEIREDO NETO, L.F. Conservação de espécies florestais: um estudo em quintais agroflorestais no município de Cáceres- MT. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental, Santa Maria. v. 19 p. 783-793, 2015.

PINTO, I.C. Agrobiodiversidade de quintais agroflorestais urbanos e perfil social de etnias indígenas em São Gabriel da Cachoeira, AM. Tese. (Doutorado em Ciências Florestais) - Universidade Federal de Lavras, Lavras, 2012. 196 f.

REFLORA - herbário virtual. Flora do Brasil 2020 em construção. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em: . Acesso em: 23 Jul. 2019.

RODRIGUES, J.C. Região, Política e Identidade no Estado do Tocantins: analise dos dados eleitorais para governador de 1988 a 2010. Boletim Paulista de Geografia, São Paulo, v.1, n. 93, p. 115-130, 2013.

SALIM, M. V. da C. Quintais agroflorestais em área de terra-firme na Terra Indígena Kwatá-Laranjal, Amazonas. Dissertação (Mestrado em Manejo florestal, Silvicultura) - Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia, Manaus. 2012. 203 f.

SANTANA, F.S. Usina Hidrelétrica no Tocantins e sujeitos na construção da consciência jurídica: o reassentamento Córrego Prata em Porto Nacional (TO). Novos Cadernos NAEA, Belém, v. 16, n. 2, p.121-148, 2013.

SANTOS, I.G.; SOUZA, P.B.; PREVIERO, C.A. Quintais agroflorestais na percepção dos moradores do reassentamento Mariana, Tocantins. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, Pombal, v. 11, n. 5, p. 95-102, 2016.

SEMEDO, R.J.C.G.; BARBOSA, R.I. Árvores frutíferas nos quintais urbanos de Boa Vista, Roraima, Amazônia brasileira. Acta Amazônica, Roraima, v.37, n. 4, p.497-504, 2007.

SEPLAN. Secretaria do Planejamento e da Modernização da Gestão Pública. Atlas do Tocantins: subsídios ao planejamento da gestão territorial. 6. ed. Palmas, 2012. 80 p.

SHEPERD, G. J. Fitopac 2: Manual do usuário. Campinas: Unicamp, 2010. 91p.

SILVA, J.C.N.; RAYOL, B.P. Diversidade de árvores nos quintais urbanos do município de Belterra, Oeste do Pará. In: IX CONGRESSO BRASILEIRO DE AGROECOLOGIA E IV SEMINÁRIO ESTADUAL DE AGROECOLOGIA, Belém, 2015. Anais... Cadernos de Agroecologia, 2015.

SILVA JÚNIOR, M.C. 100 árvores do cerrado – sentido restrito: guia de campo. Brasília – DF: Ed. Rede de sementes do cerrado, 2012, p.304.

SHEPERD, G. J. Fitopac 2: manual do usuário. Campinas: Unicamp, 2010, 91p

VIEIRA, T.A.; ROSA L.S.; SANTOS, M.M.L.S. Agrobiodiversidade de quintais agroflorestais no município de Bonito, Estado do Pará. Revista de Ciências Agrárias, Amazônia, v. 55, n. 3, p.159-166, 2012.
Publicado
2020-12-15
Como Citar
Souza, P. B., Campos Aguiar, B. A., Cardoso Lopes, V., & Carneiro Fonseca, A. C. (2020). DIVERSIDADE FLORISTICA E ESTRUTURAL DE QUINTAIS AGROFLORESTAIS (QAs) DE UMA ÁREA DE CERRADO, NORTE DA AMAZONIA : Floristic and structural diversity of agro-forest yards in a cerrado area, North of Legal Amazonia . REVISTA GEONORTE, 11(38), 52-70. https://doi.org/10.21170/geonorte.2020.V.11.N.38.52.70
Seção
Artigos