DO “DESCONTRUIR” PARA CONSTRUIR: TRANSFORMAÇÕES SOCIOAMBIENTAIS NO ENTORNO DA UHE DE BALBINA – PRESIDENTE FIGUEIREDO (AM) – BRASIL./ “Desconstruct to construct”: socio-environmental transformation in surrounding Balbina Hydroeletric – Presidente Figueired

  • Rodrigo de Oliveira Félix UFAM
  • Adorea Rebello Cunha Albuquerque

Resumo

A busca por desenvolvimento econômico e energético levou o governo federal brasileiro, em pleno período de ditadura militar, a avançar para o norte do país, onde se constatou um relevante potencial hidroelétrico presente na região. A UHE de Balbina-AM representa uma das várias intervenções políticas organizadas e implementadas como promessas de progresso para a Amazônia. Tal construção foi concebida sob diversas problemáticas, muitas das quais questionáveis até os dias de hoje, isso porque ocorreram modificações sociais, ambientais e econômicas no entorno do reservatório construído. Nesta pesquisa realizou-se um estudo onde foi possível demonstrar e analisar as transformações ocorridas no entorno do Reservatório da Usina Hidrelétrica de Balbina, tendo por finalidade entender como se organiza o atual espaço geográfico. Para a pesquisa foi utilizado o método geossistêmico usando como metodologia: as coletas de campo, imagens de satélite para elaboração de mapas, pesquisa bibliográfica e documental, além de visitas aos institutos que colaboraram com informações complementares. Através da pesquisa foi possível identificar as modificações na paisagem e o processo de desterritorialização dos Waimiri- atroaris ocasionados pela implementação do projeto da UHE de Balbina, além é claro no que diz respeito às novas formas de uso e ocupação do solo. Os resultados também demonstram que mesmo com os grandes impactos ocorridos pela construção e implantação da usina, a água do reservatório contribuiu para a formação de novas territorialidades ocasionando as transformações socioespaciais em seu entorno.


 


Palavras-Chave: Hidrelétrica de Balbina, Impactos; Transformações.

##submission.authorBiography##

##submission.authorWithAffiliation##
Sou formado em Licenciatura Plena em Geografia pela (UFAM- 2011), Especialista em Metodologia do Ensino de História e Geografia (UNINTER- 2015), Mestre em Geografia Física (UFAM - 2016) e Doutorando em Ciências Ambientais e Sustentabilidade (PPGCASA - UFAM).

Referências

BECKER, B. Porque não perderemos a soberania sobre a Amazônia? In: ALBUQUERQUE, S (org). Que país é esse? Pensando o contemporâneo. Globo, São Paulo, 2005.
BONFIM, R; BOTELHO, L. Zona Franca de Manaus – Condicionantes do futuro. Manaus: Editora Valer, 2009.
CARVALHO, J, P, F. Waimiri- Atroari: A história que ainda não foi contada. Brasília. 1982.
CMEB (Centro da Memória da Eletricidade no Brasil) Ciclo de palestras: a Eletrobrás e a história do setor de energia elétrica no Brasil. Rio de Janeiro, 1995b. ISBN 85-85147-33-4.
EMBRAPA. Boletim agrometeorológico. EMBRAPA/CPAA, Manaus. 23 p. 1998.
FEARNSIDE, Philip M. A Hidrelétrica de Balbina: o faraonismo irreversível versus o meio ambiente na Amazônia I Philip M. Feamside. -- Sio Paulo: Instituto de Antropologia e Meio Ambiente, 1990. -- (Estudoe lAMA; 1)
__________. Hidrelétricas como “fábricas de metano”: o papel dos reservatórios em áreas de floresta tropical na emissão de gases de efeito estufa. Oecol, 2008.
KEMENES, A; FORSBERG, B; MELACK, J. As hidrelétricas e o aquecimento global. Política energética. Ciência hoje. V. 41. N.245. 2008.
SANTOS, S; NACKE, A. Povos indígenas e desenvolvimento na Amazônia. Revista Brasileira de Ciências Sociais. 71 -84. 1988.
SCHWADE, E. Hidrelétrica de Balbina contra índios e lavradores. Revista de Cultura Vozes 79. 39-43, 1985.
SERÁFICO, J; SERÁFICO, M. A Zona Franca de Manaus e o capitalismo no Brasil. ESTUD. AV. VOL.19 NO.54 SÃO PAULO MAY/AUG. 2005.
SILVA FILHO, Eduardo Gomes da. No rastro da tragédia: projetos desenvolvimentistas na terra indígena Waimiri-Atroari. Tessituras, Pelotas, v. 2, n. 2, p. 293-314, jul./dez. 2014.
SILVA, Marilene Corrêa. As metamorfoses da Amazônia. Manaus, Ed. da UFAM, 2000.
THOMÉ, J, L. Hidrelétrica de Balbina: Um fato consumado. Dissertação de mestrado apresentada ao programa de pós- graduação em Ciências sociais da Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 1993.
Publicado
2017-12-22
Como Citar
FÉLIX, Rodrigo de Oliveira; ALBUQUERQUE, Adorea Rebello Cunha. DO “DESCONTRUIR” PARA CONSTRUIR: TRANSFORMAÇÕES SOCIOAMBIENTAIS NO ENTORNO DA UHE DE BALBINA – PRESIDENTE FIGUEIREDO (AM) – BRASIL./ “Desconstruct to construct”: socio-environmental transformation in surrounding Balbina Hydroeletric – Presidente Figueired. REVISTA GEONORTE, [S.l.], v. 8, n. 30, p. 16-42, dez. 2017. ISSN 2237-1419. Disponível em: <http://periodicos.ufam.edu.br/revista-geonorte/article/view/3785>. Acesso em: 22 jul. 2018. doi: https://doi.org/10.21170/geonorte.2017.V.8.N.30.16.42.
Seção
Artigos

Palavras-chave

Hidrografia, Geoprocessamento; Geografia Agrária