Ecossistemas comunicacionais: Redes de colaboração científica como sistemas auto-organizados autopiéticos

  • Zení Silva Jucá Bessa Universidade Federal do Amazonas

Resumo

A partir do prisma da ciência enquanto fenômeno social e da concepção de que a comunicação é indispensável para o exercício do fazer científico, este trabalho busca efetuar uma breve reflexão teórica sob o enfoque ecossistêmico dos processos de comunicação no âmbito das redes colaboração científica, compreendendo que tais redes apresentam características de um sistema auto-organizado, especialmente no que concerne a sua dinâmica interna e sua capacidade de produzir a si mesma por meio da interação entre seus membros e o ambiente externo, coadunando como o prisma da teoria de Niklas Luhmann o qual estabelece a confluência entre a comunicação e as redes de colaboração científica na perspectiva sistêmica autopoiética.

##submission.authorBiography##

##submission.authorWithAffiliation##
Mestranda do  Programa de Pós-graduação de Ciência da Comunicação da universidade Federal do Amazonas, Especilaista em Inovaçõe e difusão tecnológica.
Publicado
2017-12-01
Como Citar
BESSA, Zení Silva Jucá. Ecossistemas comunicacionais: Redes de colaboração científica como sistemas auto-organizados autopiéticos. Revista Eletrônica Mutações, [S.l.], v. 8, n. 15, p. 0149-0156, dez. 2017. ISSN 2178-7018. Disponível em: <http://periodicos.ufam.edu.br/relem/article/view/3539>. Acesso em: 20 nov. 2018.