AS MOTIVAÇÕES ECONÔMICAS DO ESTADO PORTUGUÊS QUE LEVARAM À DIÁSPORA DE POPULAÇÕES AFRICANAS PARA AMAZÔNIA, NOS SÉCULOS XVII E XVIII.

  • Daniel Rodrigues Palheta Universidade Federal do Pará (UFPA)
  • Assunção José Pureza Amaral Universidade Federal do Pará

Resumo

Este trabalho faz uma discussão histórica e historiográfica sobre a escravidão de negros na Amazônia Colonial, especificamente entre as décadas finais do século XVII e o século XVIII. Primeiramente se discute as motivações que levaram a dispersão de populações negras africanas para o Estado do Grão-Pará e Maranhão, mapeando as principais rotas comerciais e as formas que as Companhias Comerciais promoviam o comércio da África para a região Amazônica. O referencial teórico foram Vicente Salles, Bezerra Neto, Benedito Barbosa, Flávio Gomes, Rafael Chamboureyron, entre outros estudiosos. Uma das diversas motivações foi a necessidade de braços escravos africanos para a lavoura da região, solicitada por moradores e atendida pelo Estado português, que criou várias Companhias de Comércio para prover a transferência de africanos para a Amazônia. 

Palavras-chave: Escravidão Negra; Companhia de Comércio; A Diáspora Africana. 

Biografia do Autor

Daniel Rodrigues Palheta, Universidade Federal do Pará (UFPA)
Licenciado em História, Especialista em Gestão Educacional (Unicesumar), especialista em Saberes Africanos e Afro-brasileiros na Amazônia para a implementação da Lei 10639/03 (UFPA), mestrando em Currículo e Gestão da Escola Básica (UFPA). Professor da Seduc - PA.
Assunção José Pureza Amaral, Universidade Federal do Pará
Cientista Social, Dr. em Ciências: Desenvolvimento Socioambiental pelo Núcleo de Altos Estudos Amazônicos da UFPA; professor das licenciaturas, do Curso de  Especialização em Saberes Africanos e Afro-brasileira na Amazônia para a implementação da Lei 10.639/03 (UFPA); coordenador do Grupo de Estudos Sociedade, Cultura e Educação – GESCED e do Programa Universidade no Quilombo da UFPA.
Publicado
2017-09-08