LÍDERES FEMININAS EM COMUNIDADES QUILOMBOLAS DE ORIXIMINÁ, PARÁ: “NEGAS QUE DESATAM NÓS”

  • Ana Caroline Albuquerque Soares PPGSCA-UFAM

Resumo

As reflexões aqui apresentadas evidenciam a ascensão de mulheres negras à posição de líderes em associações comunitárias quilombolas, no município de Oriximiná, Pará. Ao perceber o lugar de fala reservado às mulheres na historiografia, buscou-se entender, com base em Del Priore (1994, 1998), Perrot (1989), Gonzalez (2003) e outros autores, como essas mulheres rompem o silêncio e produzem discursos contra-hegemônicos. Por meio da análise de entrevistas e a partir da sociologia reflexiva (Bourdieu 2010) apresenta-se considerações que favorecem o entendimento a respeito da relevância da consolidação da liderança feminina e os “lugares de fala” das mulheres quilombolas dentro das associações. Percebeu-se que as mulheres quilombolas deixaram de ser coadjuvantes para serem protagonistas de seus próprios discursos e de sua história, rompendo assim as regras heteronormativas

Publicado
2019-12-27
Seção
Dossiê Temático