EFEITOS DE UM PROGRAMA DE RECONHECIMENTO DO ALFABETO EM UM ESCOLAR COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL

  • Samuel Vinente Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)
  • Márcia Duarte Galvani Universidade Federal de São Carlos (UFSCar)

Resumo

O estudo objetivou avaliar o desenvolvimento de um programa de reconhecimento do alfabeto para um escolar com deficiência intelectual. A pesquisa é de cunho experimental, utilizando-se delineamento de sujeito único e  delineamento AB. O participante foi um escolar do gênero masculino, com idade de 13 anos, matriculado no 6º ano em um município paulista de médio porte. O escolar possuía dificuldades no reconhecimento e identificação das letras do alfabeto, problemas na ortografia e na pontuação, bem como insuficiência no processo de leitura e escrita. Foram realizadas 12 sessões (seis de linha de base - inicial e final - e seis de intervenção por meio do programa. A duração de cada sessão foi aproximadamente entre 30 e 50 minutos. O programa de intervenção elaborado apresentava um cronograma de atividades a serem desenvolvidas, de modo que ao término da intervenção o escolar reconhecesse e identificasse todas as letras do alfabeto. Os instrumentos e materiais utilizados no estudo foram: (a) Caderno de Campo; (b) Protocolo e; (c) Materiais utilizados nas sessões de intervenção. Os resultados apontaram a eficácia do programa de intervenção e a necessidade de alfabetização a partir do letramento, de modo que o escolar adquira habilidades necessárias para a leitura e escrita.

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Possui graduação em Pedagogia pela Universidade Federal do Amazonas (2014) e Mestrado em Educação Especial (Educação do Indivíduo Especial) pela Universidade Federal de São Carlos (2017). Atualmente é doutorando em Educação Especial pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) e Técnico em Assuntos Educacionais da Universidade Federal do Amazonas (UFAM). Integrante do Grupo de Estudos e Pesquisas sobre a Escolarização da Pessoa com Deficiência (GEPEPD-UFSCar). Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação Especial, atuando principalmente nos seguintes temas: Políticas públicas e Legislação educacional.

 

##submission.authorWithAffiliation##

Graduada em Educação Especial, com habilitação em Deficiência Mental (1999), pela Universidade Federal de Santa Maria-RS (UFSM). Especialista em Educação Especial pela mesma Universidade (1999). Mestre (2003) e Doutora (2008) em Educação Escolar pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Campus de Araraquara-SP (UNESP). Atualmente, é professora Associada do Departamento de Psicologia da Universidade Federal de São Carlos. Líder do Grupo de Estudos e Pesquisas sobre a Escolarização da Pessoa com Deficiência (GEPEPD-UFSCar). Tem experiência na área de Educação Especial, atuando principalmente nos seguintes temas: síndrome de Down, adaptação e acomodação do currículo escolar, prática pedagógica e formação de professores

Referências

ARAÚJO, J. J; PEREIRA, A. F. O; ALMEIDA, V. J. Ensino da leitura para alunos com Deficiência Mental (DM). Centro Científico Conhecer, Goiânia, Enciclopédia Biosfera N.07, 2009.
BARBOSA, E. A. O. Letramento emergente, consciência fonológica e leitura de alunos com deficiência intelectual no ensino regular. Programa de Pós-Graduação em Educação Especial (Dissertação). São Carlos: UFSCar, 2014.
BRASIL. Constituição da República Federativa. Brasília: Senado Federal, 1988. Disponível em: . Acesso em: 13 abr. 2015.
BRASIL. Decreto nº 3.298, de 20 de dezembro de 1999: Regulamenta a Lei no 7.853, de 24 de outubro de 1989, dispõe sobre a Política Nacional para a Integração da Pessoa Portadora de Deficiência, consolida as normas de proteção, e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em: set. 2015.
BRASIL. Decreto nº 7.611, de 17 de novembro de 2011: dispõe sobre a Educação Especial, o atendimento educacional especializado e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em 05 jan. 2015.
BRASIL. Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. Brasília: MEC/SEESP, 2001.
BRASIL. Lei nº 10.172, de 9 de janeiro de 2001: aprova o Plano Nacional de Educação e dá outras providências. Brasília: Senado Federal, 2001a. Disponível em: . Acesso em 29 mar. 2015.
BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996: estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília: Senado Federal, 1996. Disponível em: . Acesso em: 09 set. 2014.
BRASIL. Resolução nº 4, de 2 de outubro de 2009: institui Diretrizes Operacionais para o Atendimento Educacional Especializado na Educação Básica, modalidade Educação Especial. Brasília: MEC/CNE/CEB, 2009.
CUCCOVIA, M. M. Análise de procedimentos para avalição de interesses baseado em um currículo funcional natural e seus efeitos no funcionamento geral de indivíduos com deficiência mental e autismo. Dissertação (Mestrado em Educação Especial). São Carlos: UFSCar, 2003.
DATASUS. Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde: F70-F79 Retardo Mental, Brasília: SUS, 2008. Disponível em: . Acesso em: dez. 2015.
FREITAS, M. C. Construção de um programa de ensino de pré-requisitos de leitura e escrita para pessoas com deficiência intelectual. São Carlos: UFSCar, 2012.
GLAT, R; VIANNA, M. M; REDIG, A. G. Plano Educacional Individualizado: uma estratégia a ser construída no processo de formação docente. Ciências Humanas e Sociedade em Revista, RJ, EDUR, v. 34, n. 12, p. 79-100, 2012.
GOMES, A. L. L; FERNANDES, A. C; BATISTA, C. A. M et al. Atendimento Educacional Especializado: Deficiência Mental. Brasília: MEC/SEESP, 2007.
MANZANO, E. S. Princípios de Educación Especial. Madrid/Espanha: Editorial CCS: 2001.
MENDES, E. G. A radicalização do debate sobre inclusão escolar no Brasil. Revista Brasileira de Educação. v. 11, n.33, p. 387-405. 2006.
MINTO, C. A. Educação Especial: da LDB aos Planos Nacionais de Educação - do MEC e Proposta da Sociedade Brasileira. Revista Brasileira de Educação Especial, UNESP, Marília - Publicações, v. 1, n.1, 2000.
OLIVEIRA, G. P. Intervenção pedagógica individualizada para alunos com deficiência intelectual: ensino de leitura em salas de recursos. Programa de Pós-Graduação em Educação Especial (Tese de Doutorado). São Carlos: UFSCar, 2011.
OMS. Organização Mundial de Saúde. Relatório mundial sobre a deficiência. Tradução de Lexius Serviços Linguísticos. São Paulo: SEDPcD, 2012.
PAIVA, C. B; ALMEIDA, M. A; MARTINEZ, C. M. S. Estudo de Caso: consultoria colaborativa em Educação Especial para controle de comportamentos inadequados. In: CONGRESSO BRASILEIRO MULTIDISCIPLINAR DE EDUCAÇÃO ESPECIAL, 5, Londrina, 2009, p. 1417-1422.
RODRIGUES, O. M. P. R; CAPELLINI, V. L. M. F. Práticas inclusivas: fazendo a diferença. Rio de Janeiro: Wak, 2009.
SOUSA, S. B. Inclusão e aprendizagem do aluno com deficiência mental: expectativas dos professores. Programa de Pós-Graduação em Educação Especial (Tese de Doutorado). São Carlos: UFSCar, 2008.
VILELA, F. A; MANZINI, E. J. Tipos de pesquisa: enfoque na Educação Especial. Revista de Iniciação Científica da FFC. v. 9, n. 3, p. 285-292, 2009.
Publicado
2019-01-14
Como Citar
VINENTE, Samuel; GALVANI, Márcia Duarte. EFEITOS DE UM PROGRAMA DE RECONHECIMENTO DO ALFABETO EM UM ESCOLAR COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL. Pesquisa e Prática em Educação Inclusiva, [S.l.], v. 1, n. 2, p. 268-283, jan. 2019. ISSN 2595-1920. Disponível em: <http://periodicos.ufam.edu.br/educacaoInclusiva/article/view/5204>. Acesso em: 19 maio 2019.

Artigos mais lidos do mesmo autor

Obs.: Este plugin requer ao menos um plugin ou relatório de estatísticas para funcionar. Se seus plugins de estatísticas trabalham com mais de uma métrica, por favor selecione uma métrica principal na página de configuração disponível no painel do Administrador e/ou do Gerente do portal.