ASPECTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA NO BRASIL

  • Fabiana Darc Miranda UFG

Resumo

 A inclusão escolar, com foco na educação inclusiva, a partir da década de 90, tem se desenvolvido no Brasil, como um movimento complexo, que inclui a luta social das pessoas com deficiência, bem como de seus familiares, por direitos básicos. Diante disso, o presente artigo tem o objetivo de descrever e analisar alguns aspectos históricos da educação inclusiva, no que tange à educação especial no Brasil. Analisa como ocorreram os movimentos da inclusão escolar antes e a partir da implementação de políticas públicas educacionais inclusivas. Para tanto, realiza uma análise bibliográfica e documental buscando resgatar o percurso histórico da concepção de deficiência e da inclusão escolar em uma perspectiva geral. O estudo aponta a presença de contradições e um distanciamento entre as necessidades reais do sistema de educação e ensino e os textos legais que norteiam a política de educação inclusiva.

 

Palavras-chave: inclusão, deficiência, educação inclusiva.

Referências

Referências


ABENHAIM, E. (2005). Os Caminhos da inclusão: breve histórico. In A. M. Machado, A. J. Veiga Neto, M. V. O. Silva, R. G. Prieto, W. Rannã & E. Abenhaim (Orgs.). Psicologia e Direitos Humanos: Educação Inclusiva, direitos humanos na escola (p. 39-53). São Paulo: Casa do Psicólogo;

BATTISTI, C. M.; Inclusão: história e legislação, Cerro Grande; RS, 2007; Disponível em: HTTP: // www.agora.ceedo.com.br, acesso em 26-08-2011;

BRASIL; Conselho municipal de educação; Câmara de Educação Básica. Resolução CNE/CEB 2/2001. Diário Oficial da União, Brasília, 14 de Setembro de 2001. Seção 1E, p. 39-40;

BRASIL; Lei das diretrizes e bases da educação nacional. Brasília: MEC, 1996;

BRASIL. Ministério da Educação. Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva; MEC/SEESP, junho de 2008;

LIBÂNEO, José Carlos. O dualismo perverso da escola pública brasileira: escola do conhecimento para os ricos, escola do acolhimento social para os pobres; Revista Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 38, n. 1, p. 13-28, 2012;

LIMA, E. T. S. Política de inclusão: um estudo na rede pública de educação em Jataí-Goiás /Goiânia, dissertação de mestrado, 2014;

LIMA, L. O. Estórias da educação no Brasil: de Pombal a Passarinho. 3. ed. 1969;

MACIEL, A. M. S. B.; SANTOS, M. S. F. Educação inclusiva: Trabalhando os Avanços e os Desafios na Formação Universitária; Veredas Favip - Revista Eletrônica de Ciências - v. 1, n. 2 - julho a dezembro de 2008;

MATISKEI, A. C. R. M. Políticas públicas de inclusão educacional: desafios e perspectivas. Educar em Revista. Curitiba, PR: Ed. UFPR, n. 23, p.185-202, 2004;

MENDES, E, G. A radicalização do debate sobre inclusão escolar no Brasil. Rev. Bras. Educ. [online]; vol.11, n. 33, p. 387-405, 2006;

MÉSZÁROS, I. A educação para além do capital. Tradução de Isa Tavares. São Paulo: Boitempo, 2008;

PESSOTTI, I. Deficiência mental: da Superstição à Ciência. São Paulo: Queiroz/EDUSP. 1984;

SAVIANI, D. Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. 8. ed. Campinas: Autores Associados, 2011;

TEIXEIRA, P. P. Psicólogo escolar – esse desconhecido; n. 02, Curitiba, jul., Revista Eletrônica de Psicologia; www.utp.br/psico.utp.online, 2003;

UNESCO (1994) Declaração de Salamanca, Ed. UNESCO, Junho, 1994.
Publicado
2019-06-28