PROJETO EDUCACIONAL DE CRIANÇAS IMPLANTADAS: UM ESTUDO COMPARATIVO

  • Rachel Brum UFRJ
  • Celeste Azulay Kelman

Resumo

Há de se levar em consideração que crianças com implante coclear podem se aproximar do nível de linguagem e letramento semelhante ao do ouvinte (CONNOR & ZWOLAN, 2004). Então, se a dificuldade de compreensão textual é uma forte demanda entre os alunos ouvintes, quiçá os alunos surdos apresentam dificuldades semelhantes. Partindo desta demanda específica, a pesquisa busca configurar-se sob a vertente: alunos surdos implantados e as dificuldades de compreensão textual. Assim, foi utilizado o método qualitativo de pesquisa-ação. A proposta do projeto de intervenção previu atividades que estimulassem a compreensão textual por meio de ações relacionadas a alguns gêneros textuais em quatro crianças surdas implantadas. As atividades foram realizadas em uma sala cedida pelo ambulatório do Hospital Universitário Clementino Fraga Filho (HUCFF), com duração de 40 minutos, semanalmente. Ao final da aplicação do projeto houve uma mensuração comparativa entre as avaliações pré e pós teste dos participantes para compreensão textual. Diante dos resultados, houve benefícios em se promover uma estimulação específica nos processos de compreensão textual de crianças surdas com implante coclear, pois todos os participantes apresentaram melhora significativa na resposta às avaliações. No entanto, a maior parte das crianças apresentou maior dificuldade em compreensão inferencial.

##submission.authorBiography##

Celeste Azulay Kelman

Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

Referências

1. AGUIRRE, C.; GOLDFELD, M. Leitura e Escrita de Surdos: revisão bibliográfica. In FROTA, S.; GOLDFELD, M. (Org.). O ouvir e o falar – Vol. 3. Enfoques em Audiologia e Surdez. São Paulo: Editora AM3, 2006.
2. ANTONIO, L. C. O.; MOTA, P. R.; KELMAN, C. A. A formação do intérprete educacional e sua atuação em sala de aula. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, v. 10, n. 3, 2015.
3. BEVILACQUA, M. C.; FORMIGONI, G. M. P. Audiologia Educacional: Uma Opção Terapêutica Para A Criança Deficiente Auditiva. Seg reimp. da 3. Ed. – Barueri, SP: Pró-Fono, 2012.
4. CONNOR, C. M.; ZWOLAN, T. A. Examining multiple sources of influence on the reading comprehension skills of children who use cochlear implants. Journal of Speech, Language, and Hearing Research, v. 47, n. 3, p. 509-526, 2004.
5. CUNHA, V. L. O.; CAPELLINI, S. A. PROCOMLE: Protocolo de Avaliação da Compreensão de Leitura para Escolares do 3º ao 5º ano do ensino Fundamental. 1. Ed. Ribeirão Preto, SP : Book Toy, 2014.
6. GEERS, A. E. et al. Spoken language scores of children using cochlear implants compared to hearing age-mates at school entry. Journal of deaf studies and deaf education 14.3 (2009): 371-385.
7. GEERS, A. E.; NICHOLAS, J. G.; MOOG, J. S. Estimating the influence of cochlear implantation on language development in children. Audiological Medicine. 2007, vol. 5 (pg. 262-273).
8. IVENICKI, A.; CANEN, A. G. Metodologia da pesquisa – rompendo fronteiras curriculares. 1. Ed. Brasil: Moderna, 2016.
9. KELMAN, C. A. Alunos com implante coclear: desenvolvimento e aprendizagem. Ensino Em Re-Vista, v.22, n.1, p.13-24, jan./jun. 2015.
10. KELMAN, C. A.; BUZAR, E. A. S. A (in)visibilidade do aluno surdo em classes inclusivas: discussões e reflexões. Espaço aberto, 2012.
11. ______. Multiculturalismo e surdez: respeito às crianças minoritárias. In: LODI, A. C. B.: MÉLO, A. D. B.; FERNANDES, E. (Orgs). Letramento, Bilinguismo e Educação de Surdos. Porto Alegre: Mediação, 2012. p. 49-70.
12. ______. Significação e aprendizagem do aluno surdo. In: MARTINEZ, A. M.; TACCA, M. C. (Orgs.). Possibilidades de aprendizagem: ações pedagógicas para alunos com dificuldades e deficiências. v. 01. Campinas: Alínea, 2011. p. 173-206.
13. MEIRELLES, V; SPINILLO, A. G. Uma análise da coesão textual e da estrutura narrativa em textos escritos por adolescentes surdos. Estudos de Psicologia, v. 9, n. 1, 2004.
14. MINAYO, M. C. S. (org.). Pesquisa Social. Teoria, método e criatividade. 18ª. ed. Petrópolis: Vozes, 2001.
15. GONZÁLEZ-REY, F. L. Pesquisa qualitativa em psicologia: caminhos e desafios. Tradução: SILVA, M. A. F. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2005.
16. SENNA, L. A. G. Orientações para elaboração de projeto de pesquisa-ação em Educação. Rio de Janeiro: Papel & Virtual, 2003.
17. SOARES, M. Letramento. Diário do Grande ABC, v. 29, p. 3, 2003.
18. SOUZA, S. M. Apontamentos sobre a formação de professores bilíngues para educação de surdos em língua de sinais. 2012. 122f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Programa de Pós-Graduação em Educação da Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas. Campinas, SP. 2012.
19. SPENCER, L. J.; BARKER, B. A.; TOMBLIN, J. B. Exploring the Language and Literacy Outcomes of pediatric cochlear implant users. Ear & Hearing, vol. 24, n. 3, 2003.
20. THIOLLENT, M. Metodologia da pesquisa-ação. Coleção “Temas básicos de...”. São Paulo: Cortez, 1986.
21. TRIPP, D. Pesquisa-ação: uma introdução metodológica. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 3, p. 443-466, set./dez. 2005.
II - Documentais:
1. BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, 1988.
2. ______. Centro Nacional de Educação Especial. Subsídios para Organização e Funcionamento de Serviços de educação Especial. Brasília: MEC/CENESP, 1984.
3. ______. Decreto n°3.298, de 20 de dezembro de 1999. Regulamenta a Lei n°7.853, de 24 de outubro de 1989, dispões sobre a Política Nacional para a Integração da pessoa Portadora de Deficiência, consolida as normas de proteção, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 1999.
4. ______. Decreto n°7.611, de 17 de novembro de 2011. Dispõe sobre a educação especial, o atendimento educacional especializado e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 2011.
5. ______. Diretrizes Gerais para a Atenção Especializada às Pessoas com Deficiência Auditiva no Sistema Único De Saúde - SUS/ Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Especializada e Temática. Coordenação Geral de Média e Alta Complexidade. – Brasília: Ministério da Saúde, 2014.
6. ______. Diretrizes Operacionais da educação Especial para o Atendimento Educacional Especializado. Resolução n° 4, de 2 de outubro de 2009.
7. ______. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira – INEP. Programme for International Student Assessment (Pisa) - Programa Internacional de Avaliação de Estudantes. Brasília, 2015.
8. ______. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional – LDBEN. Lei n°9394/96 de 20 de dezembro de 1996).
9. ______. Lei Federal n° 4.024, de 20 de dezembro de 1961. Fixa as Diretrizes e bases da Educação Nacional. Publicada em Diário Oficial da União de 27 de dezembro de 1961.
10. ______. Lei Nº 12.796, DE 4 DE ABRIL DE 2013. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para dispor sobre a formação dos profissionais da educação e dar outras providências.
11. ______. Ministério da Educação, (1997). Parâmetros Curriculares Nacionais: Pluralidade Cultural e Orientação Sexual/Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF.
12. ______. Ministério da Educação. Classe hospitalar e atendimento pedagógico domiciliar: estratégias e orientações. Secretaria de Educação Especial. – Brasília: MEC; SEESP, 2002
13. ______. Ministério da Educação. Orientações Para Implementação Da Política De Educação Especial Na Perspectiva Da Educação Inclusiva. Brasília, 2015.
14. ______. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Especial. 1998.
15. ______. Ministério da Saúde. Diretrizes gerais, amplia e incorpora procedimentos para a Atenção Especializada às Pessoas com Deficiência Auditiva no Sistema Único de Saúde (SUS). Portaria nº 2.776, de 18 de ezembro de 2014.
16. ______. Parecer n°1 do Conselho Nacional de Educação. Brasília, 2003.
17. ______. Plano Nacional de Educação – PNE (Lei n° 10172/2001 de 098 de janeiro de 2001).
18. ______. Política Nacional de Educação Especial na perspectiva da Educação Inclusiva. Portaria n°948, de 09 de outubro de 2007. In: Inclusão: Revista da Educação Especial. v.4,n°1,p.7-17.Brasília:MEC/SEESP,2008.
19. ______. Resolução CNE/CEB n° 2 de 11 de setembro de 2001 a.
20. ______. Resolução n°2 que institui as Diretrizes Nacionais da Educação Especial na Educação Básica. Ministério da Educação/SEESP, Brasília, 11 de setembro de 2001b.
21. ______. Secretaria de Educação Especial. Política Nacional de Educação Especial. Brasília: MEC, 1994. SEESP.

III - Sites e Arquivos da Internet
1. www.mec.gov.br/cne
2. www.mec.gov.br/seesp
3. www.inep.gov.br
4. http://www.oecd.org/pisa/
5. http://www.fonoaudiologia.org.br/cffa/
6. http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs300/en/
7. http://www.who.int/pbd/deafness/news/Millionslivewithhearingloss.pdf
Publicado
2019-06-28
Como Citar
BRUM, Rachel; KELMAN, Celeste Azulay. PROJETO EDUCACIONAL DE CRIANÇAS IMPLANTADAS: UM ESTUDO COMPARATIVO. Pesquisa e Prática em Educação Inclusiva, [S.l.], v. 2, n. 3, p. 149 - 165, jun. 2019. ISSN 2595-1920. Disponível em: <http://periodicos.ufam.edu.br/educacaoInclusiva/article/view/4226>. Acesso em: 13 nov. 2019.

Artigos mais lidos do mesmo autor

Obs.: Este plugin requer ao menos um plugin ou relatório de estatísticas para funcionar. Se seus plugins de estatísticas trabalham com mais de uma métrica, por favor selecione uma métrica principal na página de configuração disponível no painel do Administrador e/ou do Gerente do portal.