VAMOS BRINCAR? AS POSSIBILIDADES DAS ATIVIDADES LÚDICAS COMO ESTRATÉGIA INCLUSIVA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA

  • Sandra Regina Garijo de Oliveira Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri. Departamento de Educação Física
  • Flávia Gonçalves da Silva Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri. Departamento de Educação Física

Resumo

Este trabalho se refere à experiência de seis anos do projeto de extensão, intitulado “Atividades lúdicas no processo de (re) habilitação de crianças com comprometimento neurofisiológico”, desenvolvido em um Centro de Reabilitação (CER), por alunos do curso de Licenciatura em Educação Física (EF). O objetivo deste relato é apresentar as possibilidades das atividades lúdicas como estratégia inclusiva na formação de professores, evidenciando aos discentes que a pessoa com deficiência é capaz de aprender, apesar das peculiaridades do processo de desenvolvimento, a partir de Leontiev e Vigotski.  Semestralmente os discentes eram organizados em grupos de três ou quatro para desenvolverem as atividades na instituição uma vez por semana, além de participarem de uma reunião semanal com todo o grupo e com as duas professoras coordenadoras, para discussões teóricas sobre os conteúdos relacionados à intervenção.  Ao longo do projeto foi possível observar em muitos discentes uma mudança na forma como compreendiam a pessoa com deficiência, mudando o seu olhar “do que falta” para as possibilidades e potencialidades. Observou-se que projetos de extensão podem promover no graduando conhecimentos teóricos e técnicos que orientarão sua futura atuação profissional, de forma bastante peculiar, que não é vivenciada em situações de estágio curricular ou pesquisa.

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Possui graduação em Bacharelado em Educação Física pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1996) e mestrado em Ciências da Motricidade pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2002). Atualmente é Professora Adjunta da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) e cursa o Doutorado na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP), no programa de Educação: Psicologia da Educação. Bolsista CNPq.

##submission.authorWithAffiliation##

Docente da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri, campus Diamantina, no curso de Educação Física. É graduada em Psicologia pela Universidade Estadual Paulista (UNESP - campus Bauru), possui mestrado e doutorado em Educação: Psicologia da Educação - Pontífica Universidade Católica (2003 e 2007 respectivamente).

Referências

AYAN, S. Rir é o melhor remédio. Revista Mente e Cérebro. São Paulo, ano XVI, n. 198, p.36-43, 2009.
BARRETO, M. A. et al. A Preparação do Profissional de Educação Física para a Inclusão de Alunos com Deficiência. Podium Sport, Leisure and Tourism Review, v. 2, n. 1, p. 152–167, 2013.
BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. LDB 9.394, de 02 de dezembro de 1996.
______. Ministério da Educação. Conselho Federal de Educação. Resolução nº 3, de 16 de junho de 1987.
______. Congresso Nacional. Lei nº 9696, de 1º de setembro de 1998.
______. Plano Nacional de Educação. PNE nº 13005 /2014, de 25 de junho de 2014.
FIORINI, M. L. S.; MANZINI, E. J. Inclusão de alunos com deficiência na aula de educação física: identificando dificuldades, ações e conteúdos para prover a formação do professor. Revista Brasileira de Educação Especial, v. 20, n. 3, p. 387–404, 2014.
LEONTIEV, A. N. Os princípios do desenvolvimento mental e o problema do atraso mental. In: LURIA, A. R.; LEONTIEV, A. N.; VIGOTSKY, L. S. e outros. Psicologia e Pedagogia I: bases psicológicas da aprendizagem e do desenvolvimento. Lisboa: Estampa, 1991, p. 99-119.
LEONTIEV, A. N. Os princípios psicológicos da brincadeira pré-escolar. In: VIGOTSKII, L. S.; LURIA, A. R.; LEONTIEV, A. N. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. São Paulo: Ícone, 1988, p. 119-142.
MAUERBERG-DECASTRO, E. Atividade Física Adaptada. Ribeirão Preto, São Paulo: Tecmedd, 2005.
PEDROSA, V. et al. A experiência dos professores de Educação Física no processo de inclusão escolar do estudante surdo. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, v. 21, n. 2, p. 106–115, 2013.
SANCHES JUNIOR, M. L. et al. Concepções e práticas da inclusão na Educação Física escolar: estudo em uma cidade do Brasil. Educación Física y Deporte, v. 34, n. 1, p. 155–179, 2015.
SILVA, F. G. A educação física escolar e a psicologia histórico cultural: possibilidades e desafios. Nuances: estudos sobre educação. Presidente Prudente/SP, v. 27, n. 1, p. 108-126, jan./abr. 2016. Disponível em http://revista.fct.unesp.br/index.php/Nuances/article/view/4009/3317 Acesso em 30 de jan de 2018.
SILVA, C. S.; DRIGO, A. J. A educação física adaptada: implicações curriculares e formação profissional. São Paulo: Cultura Acadêmica Editora, 2012.
TAFFAREL, C. N. Z.; TEIXEIRA, D. R.; D’AGOSTINI, A. A cultura corporal e território: uma Contribuição ao debate sobre reconceptualização curricular. Motrivivência. Florianópolis/ SC. Ano XVII, n. 25, p. 17-35, 2005. Disponível em https://periodicos.ufsc.br/index.php/motrivivencia/article/viewFile/4693/3870 Acesso em 30 de jan de 2018.
ORGANIZAÇÕES DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E CULTURA - Unesco. Declaração Mundial sobre Educação Para Todos (Conferência de Jomtien). Tailândia: Unesco, 1990.
______. Declaração de Salamanca, Espanha: Organização das Nações Unidas para a Educação a Ciência e a Cultura,1994.
SAWAIA, B. O sofrimento ético-polítio como categoria de análise da dialética exclusão/inclusão. In: SAWAIA, B. (Ed.). . As artimanhas da exclusão: Análise psicossocial da desigualdade social. 2. ed. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 2011.
VYGOTSKI, L. S. (1931) Historia del desarrollo de las funciones psíquicas superiores. In: VYGOTSKI, L. S. Obras Escogidas, Tomo III. Madri: Visor/MEC, 1995, 11-340.
VYGOTSKI, L. S. El defecto y La compensación. In: VYGOTSKI, L. S. Obras Escogidas, TomoV. Madri: Visor/MEC, 1997, p. 41-58.
VIGOTSKI, L. S. A defectologia e o estudo do desenvolvimento e da educação da criança anormal. Educ. Pesqui. [online]. 2011, vol.37, n.4, pp.863-869. ISSN 1517-9702. http://dx.doi.org/10.1590/S1517-97022011000400012.
VIGOTSKY, L. S. La imaginación y el arte en la infancia. Madrid: Akal, 2003.
Publicado
2019-01-14
Como Citar
OLIVEIRA, Sandra Regina Garijo de; SILVA, Flávia Gonçalves da. VAMOS BRINCAR? AS POSSIBILIDADES DAS ATIVIDADES LÚDICAS COMO ESTRATÉGIA INCLUSIVA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA. Pesquisa e Prática em Educação Inclusiva, [S.l.], v. 1, n. 2, p. 312-329, jan. 2019. ISSN 2595-1920. Disponível em: <http://periodicos.ufam.edu.br/educacaoInclusiva/article/view/4223>. Acesso em: 19 maio 2019.

Artigos mais lidos do mesmo autor

Obs.: Este plugin requer ao menos um plugin ou relatório de estatísticas para funcionar. Se seus plugins de estatísticas trabalham com mais de uma métrica, por favor selecione uma métrica principal na página de configuração disponível no painel do Administrador e/ou do Gerente do portal.