FORMAÇÃO LINGUÍSTICA DOS PROFESSORES INDÍGENAS SATERÉ-MAWÉ: UMA REFLEXÃO SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA E DE LÍNGUA MAWÉ NA ESCOLA INDÍGENA SATERÉ-MAWÉ

  • Eloísa Carvalho Araújo Universidade Federal do Amazonas (UFAM)

Resumo

Dedicar-se ao estudo acerca da Educação Escolar Indígena, mostrando as dificuldades dos indígenas diante desta situação não é uma tarefa fácil, exige muito além de dedicação, é preciso ter, com exatidão, conhecimentos específicos sobre a cultura, envolvendo o saber sobre os elementos linguísticos que fazem parte do contexto indígena. O presente estudo apresenta por meio de um modelo de pesquisa estudos sobre a formação linguística dos professores indígenas Sateré-Mawé, fazendo uma reflexão sobre o ensino de língua portuguesa e de língua Mawé na escola indígena Sateré-Mawé. Esta pesquisa tem como objetivo desenvolver uma reflexão acerca da formação das escolas indígenas, abordando a formação em linguagem do professor indígena, uma vez que é ele e o professor de língua portuguesa quem enfrentam dificuldades nas escolas, relatando o problema quanto à aplicação de uma teoria linguística adequada com a cultura indígena, sem fugir da realidade do aluno. Trata-se, nesta pesquisa, a linguagem como ferramenta humana de comunicação, constituída culturalmente por situações reais de uso. Assim, o presente artigo busca dar-lhe um caráter mais reflexivo tendo em vista a importância da temática às pesquisas sobre Educação Escolar Indígena, na área de Linguística Aplicada e Formação Intercultural de Professores.


 


 

Referências

BAGNO, M. Língua Materna, letramento, variação e Ensino. São Paulo: Parábola Editorial, 2002.
BRANDON, F. R. & A. & S. G. Dicionário bilíngue Sateré-português, português-Sateré. Versão preliminar 2. Unpublished [A previous version dated 1982 was recently included by the Summer Institute of Linguistic, Brazil banch, in its xeroxed (series Arquivos Linguísticos) under no. 224. Brasília: SIL, 1983.].
BOURDIEU, P. A reprodução: elementos para uma teoria do sistema de ensino. Rio de Janeiro: Vozes, 2010.
CAGLIARI, L.C. Alfabetização e Linguística. 8ª Ed. São Paulo: Petrópolis: Vozes, 1970
CALVET, L. J. Sociolinguística uma introdução crítica. Traduação Marcos Marcionilo. São Paulo: Parábola, 2002.
CAVALCANTI, M..; MAHER, T. M. O índio, a leitura e a escrita o que está em jogo? Linguagem e letramento em foco. (Fascículo do curso de formação de escritores Indígenas). CIEFIEL, UNICAMP. Campinas, 2005
D’ANGELIS, W. R. (Org.). Ensino de Português em comunidades Indígenas (1ª e 2ª línguas). Campinas, SP: Curt Nimuendajú, 2013.
______. Aprisionando Sonhos: a educação escolar indígena no Brasil. Campinas, SP: Curt Nimuendajú, 2012:
______. Línguas Indígenas precisam de escritores? Como formá-los?, Campinas: Cefiel – IEL-Unicamp, 2005.
DIRETRIZES para a política Nacional de Educação Escolar Indígena. Brasília:MEC,SEF, 1993.
FRANCESCHINI, D. C.; CARNEIRO, D. S.; SILVA, J. O. S. O ensino da língua portuguesa em comunidades sateré-mawé. Anais do SIELP. v. 2, n. 1. Uberlândia: EDUFU, 2012. ISSN 2237-8758.
GIROUX, H. A. Os professores como intelectuais: rumo a uma pedagogia crítica da aprendizagem. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.
ILARI, R.; BASSO, R. O português da gente: a língua que estudamos a língua que falamos. São Paulo: Contexto, 2011.
LABOV, W. Padrões Sociolinguísticos. Tradução: Marcos Bagno, Maria Marta P. Scherre, Caroline Rodrigues Cardoso. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.
MAHER. T.M. Ser professor sendo índio: questões de língua(gem) e identidade. Campinas: IEL-Unicamp, 1994. Tese de doutorado
MARTELOTTA, M. E. Mudança Linguística uma abordagem baseada no uso. São Paulo: Cortez, 2011.
MONSERRAT. R. O que é ensino bilíngue: metodologia da gramática contrastiva. Em aberto, n 63. p. 11-17. Brasília: INEP, 1994. Disponível em: http://emaberto,inep.gov.br/index.php./emaberto/article/viewFile/942/847 Acesso em: 02 fev. 2015.
REFERENCIAL CURRICULAR NACIONAL PARA AS ESCOLAS INDÍGENAS – RCNEI valor (BRASIL, 2002 p. 108)
ROCHA, L. M., PIMENTEL DA SILVA, M. S., BORGES, M.V. (Orgs). Cidadania, interculturalidade e formação de docentes indígenas. Goiânia, GO: Ed. Da PUC Goiás, 2010
RODRIGUES, A. D. Sobre as línguas indígenas e sua pesquisa no Brasil. São Paulo: Ciência e Cultura, v.57, n. 2. São Paulo, 2005.
RODRIGUES, A. D. Línguas Brasileiras: Para o conhecimento das línguas indígenas. São Paulo: Edições Loyola. 2005.
SILVA, Rita do Carmo. A sociolinguística e a língua materna. Curitiba: Ibpex, 2009.
SILVA, M.B. Leitura, ortografia e Fonologia. 2.ed. São Paulo, Ática, 1993
SILVA. R.G.P Estudo Morfossintático da língua Sateré-Mawé. Campinas: IEL-Unicamp, 2010. Tese de doutorado
______. Esboço Sociolinguístico Sateré-Mawé. Revista Tellus, 2007.
SUASSUNA, Lívia. Ensino de Língua Portuguesa: uma abordagem pragmática. São Paulo: Papirus, 1995.
URIEL, W. Fundamentos Empíricos para uma teoria da mudança linguística. Tradução Marcos Bagno, São Paulo: Parábola, 2006.
TARALLO, F. A pesquisa sociolinguística. 8. ed. São Paulo: Ática, 2007.
TEIXEIRA, P. Sateré-Mawé: Retrato de um povo indígena. Diagnóstico sócio-participativo: UFAM, Manaus, 2005.
UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS (UFAM). Projeto Político Pedagógico: Curso de Licenciatura Formação de Professores Indígenas. Faculdade de Educação FACED. Manaus, 2008
WEIGEL. Valéria A. C. M. Escolas de branco em malocas de índio. Manaus: EDUA. 2000.
Publicado
2019-01-14
Como Citar
ARAÚJO, Eloísa Carvalho. FORMAÇÃO LINGUÍSTICA DOS PROFESSORES INDÍGENAS SATERÉ-MAWÉ: UMA REFLEXÃO SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA E DE LÍNGUA MAWÉ NA ESCOLA INDÍGENA SATERÉ-MAWÉ. Pesquisa e Prática em Educação Inclusiva, [S.l.], v. 1, n. 2, p. 245-255, jan. 2019. ISSN 2595-1920. Disponível em: <http://periodicos.ufam.edu.br/educacaoInclusiva/article/view/4211>. Acesso em: 18 jan. 2019.

Artigos mais lidos do mesmo autor

Obs.: Este plugin requer ao menos um plugin ou relatório de estatísticas para funcionar. Se seus plugins de estatísticas trabalham com mais de uma métrica, por favor selecione uma métrica principal na página de configuração disponível no painel do Administrador e/ou do Gerente do portal.