A PERCEPÇÃO DA FAMÍLIA SOBRE A ADOLESCÊNCIA DOS SEUS FILHOS COM DEFICIÊNCIA: SOCIALIZAÇÃO, EDUCAÇÃO E PROFISSIONALIZAÇÃO

  • Yasmin Isabelle Barreto Rosa Universidade Federal de São Carlos
  • Rhayane Fernandes dos Santos Universidade Federal de São Carlos
  • Leticia Cristina Paes Universidade Federal de São Carlos
  • Karina Garcia Padilha Universidade Federal de São Carlos
  • Aline Ferreira Rodrigues Pacco

Resumo

O estudo teve como objetivo analisar e descrever a autonomia que o adolescente com deficiência possui frente aos pais e/ou cuidadores, verificando suas principais mudanças, perspectivas de vida, observando quanto os responsáveis influenciam no desenvolvimento de seus filhos. Destarte, a pesquisa se classifica como descritiva, com participação de seis pais e/ou cuidadores de adolescentes na faixa dos 12 aos 18 anos, com as seguintes deficiências: Transtorno do Espectro Autista, Síndrome de Down e Distrofia Muscular de Duchenne. Sendo assim, o instrumento de coleta de dados aplicado foi um roteiro de entrevista semiestruturada e a análise de dados foi elaborada sob as categorias: contexto social e quadro educacional e profissional do adolescente com deficiência. Com base nas análises das categorias, evidenciou-se que os familiares participantes da pesquisa demonstraram interesse em relação à nova fase de seu filho, atentam-se aos paradigmas que tendem a emergir ao longo do tempo, mas denotam poucas informações de como lidar com seu filho no processo de adolescer, demonstrando que há falta de autonomia destes jovens em diversos contextos. Espera-se que esta pesquisa promova discussões e auxílio referente ao ciclo da adolescência, proporcionando autonomia necessária de acordo com a faixa etária do adolescente em questão.

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Bacharel em Biblioteconomia e Ciência da Informação e Graduanda em Licenciatura em Educação Especial pela Universidade Federal de São Carlos.

##submission.authorWithAffiliation##

Graduanda em Licenciatura em Educação Especial pela Universidade Federal de São Carlos

##submission.authorWithAffiliation##

Graduanda em Licenciatura em Educação Especial pela Universidade Federal de São Carlos

##submission.authorWithAffiliation##

Graduanda em Licenciatura em Educação Especial pela Universidade Federal de São Carlos

Aline Ferreira Rodrigues Pacco

Possui graduação em Licenciatura em Educação Especial pela Universidade Federal de São Carlos (2014). Possui Mestrado em Educação Especial pelo Programa de Pós-Graduação em Educação Especial pela Universidade Federal de São Carlos (2017) Atualmente é doutoranda pelo Programa de Pós-Graduação em Educação Especial pela Universidade Federal de São Carlos, sendo bolsista Capes. Desenvolve pesquisa na área de Educação Especial, Formação Docente, Organização e funcionamento de Classe Hospitalar.

Referências

ARANHA, Maria Salete. Paradigmas da relação da sociedade com as pessoas com deficiência. Revista do Ministério Público do Trabalho, ano XI, n. 21, mar. 2001, p.160-173. Disponível em: Acesso em: 22 jan. 2018.

BRASIL. Lei nº 8069, de 13 de Julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em: 22 jan. 2018.

______. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: . Acesso em: 22 jan. 2018.

______. Decreto nº 3298, de 20 de Dezembro de 1999. Regulamenta a Lei nº 7853, de 24 de Outubro de 1989, dispõe sobre a Política Nacional para a Integração da Pessoa Portadora de Deficiência, consolida as normas de proteção, e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em: 22 jan. 2018.

______. Lei nº 9394, de 20 de Dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: . Acesso em: 22 jan. 2018.

______. Lei nº 8112, de 11 de Dezembro de 1990. Dispõe sobre o regime jurídico dos servidores públicos civis da União, das autarquias e das fundações públicas federais. Disponível em: . Acesso em 26 nov. 2017.


______. Lei nº 8213, de 24 de Julho de 1991. Dispõe sobre os Planos de Benefícios da Previdência Social e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em: 26 nov. 2017

______. Lei nº 13.146, de 6 de Julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Disponível em: . Acesso em: 21 nov. 2017.

COSTA, Sandra Beltrão Tavares; ONOFRE, Eduardo Gomes. Percepções dos pais de adolescentes deficientes intelectuais moderados sobre que atitudes suas contribuem para o desenvolvimento da autodeterminação de seu filho: dados preliminares. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA, 2., 2016, Campina Grande. Anais… Campina Grande: Realize, 2016.

CRUZ, Luciana Riemer; BARRETO, Sidirley de Jesus. A importância do lazer na inclusão da pessoa portadora de deficiência mental na sociedade. Instituto Catarinense de Pós-Graduação, Blumenau, p. 01-15, jan./jun. 2003.

FERNANDES, Lorena Barolo; SCHLESENER, Anita; MOSQUERA, Carlos. Breve histórico da deficiência e seus paradigmas. Revista do Núcleo
de Estudos e Pesquisas Interdisciplinares em Musicoterapia, Curitiba v.2, p. 132 – 144, 2011 . Disponível em: . Acesso em: 22 jan. 2018.


FUMEGALLI, Rita de Cássia de Ávila. Inclusão escolar: o desafio de uma educação para todos? 2012. 50 f. Monografia (Especialização em Educação Especial) - Departamento de Pedagogia, Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul, Ijuí, 2012.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projeto de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002. Disponível em: . Acesso em: 30 mai. 2017.

GUGEL, Maria Aparecida. A pessoa com deficiência e sua relação com a história da humanidade. 2007. Disponível em: Acesso em: 22 jan. 2018.

MONTEIRO, Maria Inês Bacellar. A integração de crianças com Síndrome e Down e outras crianças na pré-escola comum e especial. In: MANTOAN, Maria Teresa Egler. A integração de pessoas com deficiência: contribuições para uma reflexão sobre o tema. São Paulo: Mnemon, 1997.

SAMPIERI, Roberto Hernandez; COLLADO, Carlos Fernández; LUCIO, María del Pilar Batista. O processo de pesquisa e os enfoques quantitativo e qualitativo. In: ______. Metodologia da pesquisa. São Paulo: McGraw-Hill, 2006. p. 2-21.

SAVIANI, Fernanda. A qualidade de vida de adultos com deficiência mental leve, na percepção destas pessoas e na de seus cuidadores. 2005. 158 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) - Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2005.

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM - SENAI. Programa SENAI de Ações Inclusivas: vertente pessoas com deficiência (PSAI). [2009?]. Disponível em: . Acesso em: 26 nov. 2017.

SILVA, Ana Beatriz Barbosa. Mundo singular: entenda o autismo. Rio de Janeiro: Objetiva, 2012. Disponível em:. Acesso em: 22 jan. 2018.
Publicado
2018-08-14
Como Citar
ROSA, Yasmin Isabelle Barreto et al. A PERCEPÇÃO DA FAMÍLIA SOBRE A ADOLESCÊNCIA DOS SEUS FILHOS COM DEFICIÊNCIA: SOCIALIZAÇÃO, EDUCAÇÃO E PROFISSIONALIZAÇÃO. Pesquisa e Prática em Educação Inclusiva, [S.l.], v. 1, n. 1, p. 101-115, ago. 2018. ISSN 2595-1920. Disponível em: <http://periodicos.ufam.edu.br/educacaoInclusiva/article/view/4154>. Acesso em: 19 out. 2018.

Artigos mais lidos do mesmo autor

Obs.: Este plugin requer ao menos um plugin ou relatório de estatísticas para funcionar. Se seus plugins de estatísticas trabalham com mais de uma métrica, por favor selecione uma métrica principal na página de configuração disponível no painel do Administrador e/ou do Gerente do portal.